<$BlogRSDUrl$> Impressões de um Boticário de Província
lTradutor Translator
Amanita muscaria

Impressões de um Boticário de Província

Desde 2003


segunda-feira, 27 de junho de 2011

A ANF e a Bíblia 

As Farmácias sofrerão muito um dia que o Dr. João Cordeiro abdique da Presidência da ANF. Uma vez mais, no Prós & Contras de hoje, se viu em João Cordeiro a liderança clarividente e decidida, dificimente substituível. Aliás, isto até vem na Bíblia:

«Nunca mais passarão fome nem sede, nem o sol nem o calor ardente cairão sobre eles, porque o Cordeiro que está no meio do trono os apascentará e lhes servirá de guia para as fontes das águas da vida». (Apocalipse 7:17)

Peliteiro,   às  23:54
15  Comentários pertinentes e devidamente fundamentados          Enviar este texto por mail:

 

 

 

Esqueletos saem dos armários 

Nas inaugurações das farmácias instaladas nos hospitais tivemos a presença, com pompa e circunstância, do Primeiro Ministro e dos Ministros da Saúde. Eu sempre soube, apostei em 2008, que esta medida socialista era um disparate e que a falência era destino certo.

As farmácias instaladas nos hospitais têm sido mantidas por questões políticas, julgo, para que não seja tão evidente que as famosas "reformas" (sublinho as "") de Correia de Campos e Sócrates eram quase sempre asneira. Os esqueletos começaram a sair dos armários:

Farmácias hospitalares não estão a cumprir pagamentos aos hospitais.

Etiquetas:


Peliteiro,   às  00:14
1  Comentários pertinentes e devidamente fundamentados          Enviar este texto por mail:

 

 

 

domingo, 26 de junho de 2011

A mim ninguém me cala 

10.000 tuítes

Peliteiro,   às  23:52
0  Comentários pertinentes e devidamente fundamentados          Enviar este texto por mail:

 

 

 

quinta-feira, 23 de junho de 2011

As farmácias na mão dos credores 

Dr. João Cordeiro no jornal i (sublinhados meus):

«De exemplo de prosperidade económica, as farmácias portuguesas foram tornadas pelos sucessivos governos num sector quase falido. Só uma forte organização associativa lhes permitirá resistir
As farmácias foram consideradas nas últimas décadas um exemplo de prosperidade económica, sustentabilidade financeira e qualidade de serviço.
Os inquéritos à opinião pública confirmavam regularmente este juízo das populações sobre as farmácias.


Nada parecia perturbar o sector, que se mostrava bem organizado e mobilizado em torno de projectos de modernização da actividade global da farmácia. O sector funcionava bem e a baixo custo.

As farmácias portuguesas são aquelas que têm a margem de distribuição mais baixa entre todos os países da União Europeia.

Entretanto, sem razões económicas ou sociais que o justificassem, a partir de 2005 foi desencadeado um ataque sistemático ao sector, com o óbvio propósito de o destruir.

Da liberalização da propriedade à autorização da venda de medicamentos fora das farmácias e à redução das margens, as medidas sucederam-se a um ritmo vertiginoso, evidenciando vontade de perseguir e pressa em agir.

Paralelamente, os medicamentos em ambulatório foram o alvo preferencial da política de austeridade do Ministério da Saúde.

As farmácias entraram rapidamente num ciclo inverso, em que a sua situação económica e financeira se foi degradando progressivamente, entre 2005 e 2010.

O sector de farmácias está hoje na mão da banca e dos fornecedores.

Crescem continuamente os incumprimentos de farmácias, os processos judiciais para cobrança de dívidas e as insolvências. De um clima de confiança passou-se a um clima de desconfiança.

A oferta de farmácias já é hoje superior à procura, o que era inimaginável há pouco tempo e é sempre um dos sinais mais preocupantes para qualquer sector de actividade.

A crise das finanças públicas repercutiu-se violentamente nas farmácias. Os governos não foram capazes de impor austeridade a si próprios e aos serviços do Estado. Só têm sido capazes de impor austeridade aos outros.

O Ministério da Saúde não foge à regra. A despesa pública com medicamentos nos hospitais do SNS continua a crescer e o Ministério da Saúde tem-se mostrado incapaz de controlar esse crescimento.

Inversamente, a despesa pública com medicamentos nas farmácias está a descer a um ritmo alucinante, pela via da redução dos preços e das comparticipações. Nos primeiros quatro meses de 2011, o mercado das farmácias reduziu 12% e a despesa do SNS em comparticipações reduziu 22%!

A equidade nos sacrifícios é por isso uma das questões fundamentais que o programa de resgate financeiro assinado com a União Europeia e o Fundo Monetário Internacional coloca aos responsáveis políticos.

O Estado tem de dar o exemplo. As farmácias e os grossistas entraram já em situação de ruptura financeira e a própria indústria farmacêutica, apesar da sua maior capacidade económica e financeira, acabará também por sofrer as consequências.

É lamentável que tenhamos chegado a esta situação. Medidas indispensáveis foram inexplicavelmente adiadas. A prescrição por DCI e os genéricos são apenas dois exemplos.

Aquilo que os responsáveis políticos, durante duas décadas, não foram capazes de fazer por sua própria iniciativa tornou-se uma evidência indiscutível e por eles imediatamente aceite no momento em que essas medidas foram inscritas no documento da troika.

Perdemos anos e anos a adiar o inadiável. Somos todos responsáveis, mas o grau de responsabilidade não é o mesmo.

As farmácias têm reclamado sempre que a despesa pública seja adaptada às disponibilidades financeiras do Estado. Nunca nos opusemos a qualquer medida de contenção orçamental. Manter-nos-emos fiéis a estes princípios. Mas é preciso equidade.

As farmácias já estão a participar na recuperação do défice das contas públicas preconizado no acordo com a União Europeia e o FMI.

A redução das comparticipações (-22%) e do mercado das farmácias (-12%) está a ter um efeito devastador em todo o sector. É preciso moderar a dureza das medidas que estão a atingir as farmácias.

Todos os sectores da saúde têm de participar na redução da despesa. Particularmente, os hospitais do SNS, que consomem anualmente mais de mil milhões de euros em medicamentos, não podem ficar isentos do programa de redução da despesa com medicamentos.

As farmácias continuarão, entretanto, à procura da sua sobrevivência. Sabem agora como é importante uma forte organização associativa para reduzir o impacto da crise.

Acredito que ainda temos energias para resistir. E temos também obrigação de acreditar, embora isso seja cada vez mais difícil.»

Peliteiro,   às  15:35
31  Comentários pertinentes e devidamente fundamentados          Enviar este texto por mail:

 

 

 

Sucessos de Correia de Campos 

Os centros de saúde fizeram menos 3,8 milhões de consultas

Etiquetas:


Peliteiro,   às  15:30
1  Comentários pertinentes e devidamente fundamentados          Enviar este texto por mail:

 

 

 

Em prescrições a doentes já mortos? 

Médicos usam receitas de médicos mortos

É por coisas destas que o SNS está moribundo.

Peliteiro,   às  12:59
2  Comentários pertinentes e devidamente fundamentados          Enviar este texto por mail:

 

 

 

Obrigado por tudo. 


«Depois de ter feito o que mais ninguém fez, tem todo o direito de fazer o que qualquer um faria. O resto é conversa de Superior Sul.»
(Copiado de Francisco Mendes da Silva, do 31 da Armada)

Peliteiro,   às  10:07
1  Comentários pertinentes e devidamente fundamentados          Enviar este texto por mail:

 

 

 

terça-feira, 21 de junho de 2011

FMI, esse perigoso neoliberal 

Para os espanhóis, o FMI, esse perigoso neoliberal, «frente ao que considera "barreiras de entrada significativas em vários setores", pede uma liberalização maior do mercado de serviços, algo "vital para aumentar a competitividade e aumentar o emprego"».
Também na Farmácia?

Peliteiro,   às  22:40
1  Comentários pertinentes e devidamente fundamentados          Enviar este texto por mail:

 

 

 

Macedo, faz bem à saúde... 


Imagem copiada de Jornal Médico de família

Peliteiro,   às  18:40
2  Comentários pertinentes e devidamente fundamentados          Enviar este texto por mail:

 

 

 

sábado, 18 de junho de 2011

Isto sim, seriam reformas: 

Manuel Antunes diagnostica ineficiência do sistema de saúde e sugere despedimentos

«O SNS caminha "para o precipício".»
«O cirurgião cardiotorácico descreve o SNS com as palavras "ineficiência" e o "desperdício"» «é incoerente e ambíguo, e cheio de remendos".»
«"A face mais visível da insuficiência" do sistema de saúde português são as crónicas listas de espera nos hospitais.»
«As listas de espera nos hospitais deixariam de existir se os blocos operatórios trabalhassem apenas mais uma hora por dia.»
«"É sabido que há salas de operação que não funcionam durante a semana e fazem-no ao fim de semana para o Programa Acesso. A razão óbvia para tal facto está no pagamento diferenciado, que pode atingir, numa só operação efectuada num par de horas em horário pós-laboral, um valor muitas vezes superior ao do respectivo salário diário em horário normal".»
«A "promiscuidade entre os sectores públicos e privados é a principal causa da falta de produtividade nos sectores hospitalares".»
«O Estado paga os serviços que presta e muitos dos que são prestados pela concorrência, com a agravante de que os concorrentes são os mesmos que prestam o serviço público".»

Os diagnósticos são mais que conhecidos, haja alguém imparcial, sério e determinado para fazer o que tem que ser feito - espero que Paulo Macedo seja o homem certo.

Peliteiro,   às  17:14
11  Comentários pertinentes e devidamente fundamentados          Enviar este texto por mail:

 

 

 

sexta-feira, 17 de junho de 2011

Paulo Macedo a Ministro da Saúde 

Surpreendentemente teremos Paulo Macedo como Ministro da Saúde. Agrada-me. De há muito que a saúde é tratada nos jornais de economia; agora teremos um Ministro essencialmente ligado à economia, o que é no momento actual muito importante e não implica necessariamente o pejorativo economicista. Agrada-me porque embora não sendo um profissional de saúde - o que até pode ser uma vantagem, por não estar comprometido com as corporações - suponho que seja decidido, competente e sério!

Peliteiro,   às  18:50
10  Comentários pertinentes e devidamente fundamentados          Enviar este texto por mail:

 

 

 

segunda-feira, 13 de junho de 2011

Ajude Passos Coelho a escolher o Ministro da saúde 


Quem será o próximo Ministro da saúde?
Jorge de Sá Peliteiro
Rui Nunes
Couto dos Santos
Fernando Nobre
Bagão Felix
Teresa Caeiro
João Lobo Antunes
Adalberto C. Fernandes
Clara Carneiro
Manuel Antunes



  


Peliteiro,   às  23:22
10  Comentários pertinentes e devidamente fundamentados          Enviar este texto por mail:

 

 

 

Nada que me espante 

Administração Central dos Sistemas de Saúde suspeita de irregularidades financeiras

Peliteiro,   às  23:19
1  Comentários pertinentes e devidamente fundamentados          Enviar este texto por mail:

 

 

 

domingo, 12 de junho de 2011

Qualidade - Uma visão de futuro 

No dia 15 de Junho, na Escola Superior de Saúde do Vale do Ave, realizar-se-à um Fórum sobre o tema: "Qualidade - Uma visão de futuro". Um vosso amigo falará sobre «Auditorias a sistemas de gestão da qualidade em saúde: conformidade vs. valor acrescentado»...

Peliteiro,   às  13:44
3  Comentários pertinentes e devidamente fundamentados          Enviar este texto por mail:

 

 

 

sexta-feira, 10 de junho de 2011

Acabar com os feriados 

Se eu mandasse acabava com os feriados. Não fazem sentido na maioria dos casos. Convertia os feriados em mais uns, poucos, dias de férias e cada um escolhia, consoante a sua religiosidade ou patriotismo, os dias que quisesse comemorar.

Etiquetas:


Peliteiro,   às  23:07
7  Comentários pertinentes e devidamente fundamentados          Enviar este texto por mail:

 

 

 

quinta-feira, 9 de junho de 2011

Picaretas falantes 

Tó Zé Seguro e Assis disputam PS

Portugal está entregue a políticos banais, rapazolas, a gente cuja única virtude é "falar bem", a picaretas falantes.

Peliteiro,   às  00:02
11  Comentários pertinentes e devidamente fundamentados          Enviar este texto por mail:

 

 

 

domingo, 5 de junho de 2011

Respira-se melhor em Portugal 

Sócrates demitiu-se. Adios, adieu, auf wiedersehen, goodbye. Respira-se muito melhor em Portugal.
Agora o costume: a tralha socialista gastou à tripa-forra, a seguir a "direita" tem que endireitar o país.

Outra boa notícia é que o Sr. Afonso não foi eleito, ficou nos sobressalentes. Nem um sapinho engoli.

Peliteiro,   às  23:27
15  Comentários pertinentes e devidamente fundamentados          Enviar este texto por mail:

 

 

 

ARQUIVOS

Maio 2003      Junho 2003      Julho 2003      Agosto 2003      Setembro 2003      Outubro 2003      Novembro 2003      Dezembro 2003      Janeiro 2004      Fevereiro 2004      Março 2004      Abril 2004      Maio 2004      Junho 2004      Julho 2004      Agosto 2004      Setembro 2004      Outubro 2004      Novembro 2004      Dezembro 2004      Janeiro 2005      Fevereiro 2005      Março 2005      Abril 2005      Maio 2005      Junho 2005      Julho 2005      Agosto 2005      Setembro 2005      Outubro 2005      Novembro 2005      Dezembro 2005      Janeiro 2006      Fevereiro 2006      Março 2006      Abril 2006      Maio 2006      Junho 2006      Julho 2006      Agosto 2006      Setembro 2006      Outubro 2006      Novembro 2006      Dezembro 2006      Janeiro 2007      Fevereiro 2007      Março 2007      Abril 2007      Maio 2007      Junho 2007      Julho 2007      Agosto 2007      Setembro 2007      Outubro 2007      Novembro 2007      Dezembro 2007      Janeiro 2008      Fevereiro 2008      Março 2008      Abril 2008      Maio 2008      Junho 2008      Julho 2008      Agosto 2008      Setembro 2008      Outubro 2008      Novembro 2008      Dezembro 2008      Janeiro 2009      Fevereiro 2009      Março 2009      Abril 2009      Maio 2009      Junho 2009      Julho 2009      Agosto 2009      Setembro 2009      Outubro 2009      Novembro 2009      Dezembro 2009      Janeiro 2010      Fevereiro 2010      Março 2010      Abril 2010      Maio 2010      Junho 2010      Julho 2010      Agosto 2010      Setembro 2010      Outubro 2010      Novembro 2010      Dezembro 2010      Janeiro 2011      Fevereiro 2011      Março 2011      Abril 2011      Maio 2011      Junho 2011      Julho 2011      Agosto 2011      Setembro 2011      Outubro 2011      Novembro 2011      Dezembro 2011      Janeiro 2012      Fevereiro 2012      Março 2012      Abril 2012      Maio 2012      Junho 2012      Julho 2012      Agosto 2012      Setembro 2012      Outubro 2012      Novembro 2012      Dezembro 2012      Janeiro 2013      Fevereiro 2013      Março 2013      Abril 2013      Maio 2013      Junho 2013      Julho 2013      Agosto 2013      Setembro 2013      Outubro 2013      Novembro 2013      Dezembro 2013      Janeiro 2014      Fevereiro 2014      Março 2014      Abril 2014      Maio 2014      Junho 2014      Julho 2014      Setembro 2014      Outubro 2014      Novembro 2014      Dezembro 2014      Janeiro 2015      Fevereiro 2015      Março 2015      Abril 2015      Maio 2015      Junho 2015      Julho 2015      Agosto 2015      Setembro 2015      Outubro 2015      Novembro 2015      Dezembro 2015      Janeiro 2016      Fevereiro 2016      Março 2016      Abril 2016      Junho 2016      Julho 2016      Agosto 2016      Setembro 2016      Outubro 2016      Novembro 2016      Dezembro 2016      Janeiro 2017      Fevereiro 2017      Março 2017      Maio 2017      Setembro 2017      Outubro 2017     

 

Perfil de J. Soares Peliteiro
J. Soares Peliteiro's Facebook Profile

 


Directórios de Blogues:


Os mais lidos


Add to Google

 

 

Contactos e perfil do autor

 

 

Portugal
Portuguese flag

Blogues favoritos:


Machado JA

Sezures

Culinária daqui e d'ali

Gravidade intermédia

Do Portugal profundo

Abrupto

Mar Salgado

ALLCARE-management

Entre coutos e coutadas

Médico explica

Pharmacia de serviço

Farmácia Central

Blasfémias

31 da Armada

Câmara Corporativa

O insurgente

Forte Apache

Peopleware

ma-shamba



Ligações:

D. G. Saúde

Portal da Saúde

EMEA

O M S

F D A

C D C

Nature

Science

The Lancet

National library medicine US

A N F

Universidade de Coimbra


Farmacêuticos sem fronteiras

Farmacêuticos mundi


This page is powered by Blogger. Isn't yours?

Creative Commons License
Licença Creative Commons.