<$BlogRSDUrl$> Impressões de um Boticário de Província
lTradutor Translator
Amanita muscaria

Impressões de um Boticário de Província

Desde 2003


domingo, 31 de dezembro de 2006



Um Bom Ano



Janeiro e Fevereiro


Março e Abril


Maio e Junho

Julho e Agosto


Setembro e Outubro


Novembro e Dezembro

Bom 2007


Etiquetas:


Peliteiro,   às  18:11
3  Comentários pertinentes e devidamente fundamentados          Enviar este texto por mail:

 

 

 

Da Frente: Figura do ano 2006 


A Frente de Blogues da Saúde, decidiu eleger como Figura do Ano 2006, o Dr. João Semedo, médico, deputado do Bloco de Esquerda pelo círculo eleitoral do Porto, presidente do Conselho de Administração do Hospital Joaquim Urbano, pertencente às Comissões Parlamentares de Assuntos Europeus e Comissão de Saúde, pela sua coragem, competência e empenho na defesa do Serviço Nacional de Saúde

Para João Semedo o SNS precisa de ser orientado no respeito por alguns princípios básicos que recolhem largo consenso. Necessita também de vontade e determinação políticas na aplicação dessas linhas orientadoras, às quais devemos atribuir toda a prioridade na distribuição dos recursos.
Valorização da informação para a saúde, promoção de modos e práticas de vida saudável, reforço da prevenção da doença (e dos sinistros rodoviários e do trabalho, por exemplo), desenvolvimento da área da saúde pública e da comunidade, expansão da rede de cuidados primários e a mudança do seu paradigma, mudança no modelo organizativo e funcional dos hospitais públicos, maior atenção no capítulo da formação dos profissionais (em número e em competências) e as condições que lhes assegurem continuidade e estabilidade no exercício das suas actividades, uma gestão do SNS mais autónoma da estrutura ministerial, mais descentralizada e com mais capacidade de articulação entre os diferentes níveis e agentes envolvidos na prestação de cuidados, que aproxime o planeamento e a decisão das regiões e dos cidadãos.

Correia de Campos não só está a comprometer a natureza geral e universal do SNS como está a transformar o tendencialmente gratuito em tendencialmente pago. Correia de Campos tem em mira a introdução de pagamentos directos na saúde, o que significa uma profunda rotura no compromisso social em que se alicerça a Constituição e a nossa democracia e que, a concretizarem-se, rasgam a essência do estado social em que temos vivido

João Semedo não partilha da ideia que o SNS necessite de salvação. Certamente que com outras políticas poderia estar em melhor situação. O SNS não fracassou nem está à beira do abismo. O SNS é indiscutivelmente o melhor serviço público de que os portugueses dispõem. E para que assim continue, há duas condições básicas: garantir o seu financiamento de acordo com as necessidades reais, recusando a ditadura dos cortes orçamentais, e gerir com rigor todos os meios colocados à disposição do SNS, não apenas os financeiros mas, igualmente, os recursos humanos e técnicos.

Quanto aos Hospitais é frequente dizer-se que precisam de novos instrumentos de gestão, de incorporar na sua gestão os modelos desenvolvidos na gestão privada. Não depende disso qualquer evolução determinante para os hospitais. A principal mudança decorrerá da capacidade dos hospitais implementarem modelos organizativos e funcionais que tenham no seu centro o serviço aos utentes, o respeito pelas suas expectativas e necessidades. Mais que qualquer outro instrumento de gestão, importado à pressa e ao sabor das modas, se colocarmos o cidadão, o utente se quiserem, no eixo da vida e da gestão de um hospital, mais facilmente concretizaremos as mudanças necessárias nos nossos hospitais públicos.

Quanto à "reorganização da oferta de cuidados de saúde", João Semedo considera que não pode acontecer o que Correia de Campos pretende fazer com as urgências: fechar 14 urgências hospitalares (a prazo, fecharão os respectivos hospitais ou passarão a hospitais de retaguarda para cuidados continuados), desclassificar outras 16 e transformar 24 SAPs em SAPs mais, devido ao impacto que tudo isto vai ter sobre as urgências que continuarão abertas e que já hoje estão a rebentar pelas costuras, com tempos de espera que, na maior parte dos casos, nos envergonham. Segundo JS trata-se de uma decisão irresponsável, tanto mais que é tomada num contexto em que o ministério tem vindo a encerrar muitos SAPs e pretende continuar a fechar mais, sabendo nós que para muitos portugueses os SAPs - apesar das suas limitações, são o único e último recurso de que dispõem quando a doença lhe bate à porta.

João Semedo deixa uma reclamação ao ministro da saúde, António Correia de Campos: não descaracterize o SNS, defenda as suas características fundamentais, não obrigue os portugueses a pagar mais pela saúde do que já pagam por via dos seus impostos.

Peliteiro,   às  13:27
0  Comentários pertinentes e devidamente fundamentados          Enviar este texto por mail:

 

 

 

sábado, 30 de dezembro de 2006

Apelo do MUS: 



Aos órgãos de Comunicação Social

1. As Sub-regiões de Saúde da Guarda e de Castelo Branco abrangem 26 concelhos, desde Vila de Rei, a Sul, a Vila Nova de Foz Côa, a Norte, com uma população à volta de 400 mil residentes, dispondo de 26 centros de saúde, mais as correspondentes extensões, e cinco hospitais. Cerca de 40% dos internamentos nos hospitais abrangidos são de doentes com idade igual ou superior a 65 anos, realidade que, só por si, demonstra o elevado nível de envelhecimento das populações e a desertificação desta área do interior do País. link

2. Tanto quanto é do conhecimento público, o Governo pretende integrar num único centro hospitalar os hospitais de ambas as Sub-regiões (Guarda, Seia, Covilhã, Fundão e Castelo Branco) com o objectivo de concentrar especialidades médicas e cirúrgicas, (num ponto de vista de complementaridade), que hoje estão distribuídas pelos vários hospitais, sendo, como exemplo, os serviços de obstetrícia com um único bloco de partos a localizar só num deles. Quanto a serviços em ambulatório, pretende o encerramento de serviços de atendimento permanente de centros de saúde no período nocturno e ?requalificar» as urgências hospitalares com o encerramento da urgência do Hospital do Fundão, reduzindo, no conjunto, 25 pontos a sete pontos de urgência.

3. Seguindo o exemplo do encerramento de blocos de partos anunciado, em nossa opinião, é indispensável manter especialidades de obstetrícia na óptica de medicina de proximidade - os hospitais existentes devem continuar a dispor dessa especialidade, ainda que sem bloco de partos, com o objectivo de dispor de consultas de referência para apoio aos centros de saúde (médicos de família) em diagnósticos pré-natais, com equipamentos para meios complementares de diagnóstico, (análises, ecografia, etc.), e eventuais internamentos, (casos de diabetes, hipertensões, infecções, etc.), atendendo a que uma parte importante da gravidez ocorre durante os primeiros nove meses e não só no parto. De forma idêntica deve passar-se noutras especialidades médico-cirúrgicas relativamente aos hospitais que venham a ser desprovidos de um ou outro serviço especializado a concentrar só num deles.

4. É consensual que o interior do País é já uma zona deprimida comparativamente com o litoral mais desenvolvido. A despromoção de serviços de saúde constitui um dos factores contrários à implantação de populações mais jovens, agravando o desequilíbrio e a desertificação.

5. Neste contexto, o MUS ? Movimento de Utentes da Saúde, vem propor aos meios de comunicação social, principalmente aos existentes na Beira Interior, que apelem às forças vivas locais, órgãos e partidos políticos, profissionais de saúde e às próprias populações, no sentido de exigirem um amplo e transparente debate sobre as alterações porventura em curso nos serviços públicos de saúde, antes de eventuais alterações que ponham em risco a qualidade e proximidade de cuidados, atendendo às especificidades locais e não só às vias rápidas ora existentes, a fim de evitar futuros factos consumados.

Santos Cardoso, Direcção do MUS

Peliteiro,   às  21:33
0  Comentários pertinentes e devidamente fundamentados          Enviar este texto por mail:

 

 

 

quinta-feira, 28 de dezembro de 2006

A Figura do ano 

«Muitas vezes eu próprio me assusto, quando penso na minha responsabilidade! Porque o governo persegue-nos, e a legislação absurda que nos rege é como uma espada de Damocles suspensa sobre as nossas cabeças

Boticário Homais, no Madame Bovary de G. Flaubert


Por muito que a Farmácia e os medicamentos sejam importantes para a saúde e para o país não seria plausível nomear para figura do ano um Farmacêutico.
Nem eu me atreveria a tal. No entanto é o que faço agora mesmo. Elegi como personalidade Portuguesa do ano de 2006:

Dr. João Cordeiro

Não propriamente como homem e profissional - que admiro -, não apenas como Presidente da ANF - uma associação profissional modelar -, mas sobretudo como representante de um sector da sociedade - produtiva e cumpridora - que se viu tomado como expiatório de culpas alheias por um Estado desgovernado, perdulário e incompetente. João Cordeiro representa aqueles que resistem às actividades persecutórias e irresponsáveis do poder, aqueles que sem mais trunfos do que a razão não desistem nem se dão como vencidos. Isto é um exemplo a reter e a seguir.

Peliteiro,   às  22:41
4  Comentários pertinentes e devidamente fundamentados          Enviar este texto por mail:

 

 

 

A mis 95 años 

María Amelia, com 95 anos, aqui de bem perto, de Muxía, A Coruña, tem um blogue - A mis 95 años - onde escreve: «espero poder escribir mucho y contaros las vivencias de una señora de mi edad».
Muito bem. Excelente.

Peliteiro,   às  22:28
0  Comentários pertinentes e devidamente fundamentados          Enviar este texto por mail:

 

 

 

Iguais a nascer, iguais a morrer 

Tenho escrito que três atributos definem bem o executivo da Câmara da Póvoa: são parolos e autoritáriozinhos. Esta notícia demonstra bem isto :

Novo cemitério da Póvoa de Varzim muda paradigma no culto dos mortos
Câmara impõe minimalismo estético, com jazigos estilizados para acabar com "decorações excessivas", assume o vereador
O novo cemitério municipal vai provocar uma alteração radical à forma como os habitantes da Póvoa de Varzim manifestam o seu culto pelos mortos, uma vez que os jazigos vão deixar de ser decorados de acordo com o gosto dos familiares do falecido. Por imposição da câmara, todos serão cobertos de forma idêntica "estilizada" - uma lápide com a menção ao morto e um jarro para flores - variando apenas a possibilidade, para os enterramentos católicos, de ser colocada uma cruz à cabeceira.

Quem passa no IC1/A28 depara, a nascente da via, e já bem perto do acesso à cidade, com um novo espaço pontuado de lajes de pedra entre espaços verdes, um sóbrio edifício de apoio e algumas árvores à espera de crescer. Um olhar mais atento permite adivinhar um cemitério.
O vereador com o pelouro das Obras Municipais, Aires Pereira, explicou ao PÚBLICO que o conceito que a autarquia quis que estivesse presente no novo equipamento foi baseado numa frase: «Iguais a nascer, iguais a morrer». A partir deste pressuposto, o desenho do espaço teve em conta a «sobriedade que um cemitério deve ter», defende Aires Pereira, que, no entanto, tem consciência de que a exigência da câmara quanto ao tipo de decoração poderá, no início, gerar alguma controvérsia. O autarca está convencido, porém, que «as pessoas vão compreender o alcance» da medida, até porque, no cemitério actual, há casos de ocupação excessiva do topo das campas com artefactos de todas as cores e feitios.
Aires Pereira adiantou que o grosso do empreendimento (nesta primeira fase), que custou 1,9 milhões de euros, «está pronto», devendo entrar em funcionamento no início de Fevereiro. Até lá, serão completadas as áreas ajardinadas e um espelho de água, colocados bancos e iluminação apropriada, peças que «são essenciais» para fazer do espaço um «local de recolhimento e de reflexão, para além da sua função natural», os enterramentos.»


Helena Matos, diz bem:
Esta notícia do caderno Local Lisboa do PÚBLICO é um caso que merece estudo. Em primeiro lugar temos aquela extraordinária presunção de que o culto dos morto muda por disposição camarária, em segundo o ódio aos gostos populares e em terceiro esta totalitarissima concepção da vida e da morte. De facto não somos iguais, não temos gostos iguais, não temos vidas iguais. Existem campas que são verdadeiros festivais de quinquilharia, existem campas abandonadas, existem campas com inscrições extraordinárias, existem jazigos lindissimos e outros horrendos... Mas tudo será melhor do que esta visão tipo «Querido Líder» de como nos devemos comportar. Também vão medir as lágrimas? Os choros? O número de acompanhantes? As flores?... Enfim se é para se ser rigorosamente igual há que pensar em tudo.

João Miranda remata assim:
A interferência do estado na forma como as pessoas tratam os seus mortos começou com a Maria da Fonte.

Peliteiro,   às  14:10
4  Comentários pertinentes e devidamente fundamentados          Enviar este texto por mail:

 

 

 

quarta-feira, 27 de dezembro de 2006

Zandinga Peliteiro 

Premonições para 2007:
  • Cavaco Silva torna-se insuportavelmente aborrecido e já ninguém o escuta;
  • O PIB cresce uma cagagésima e a retoma nunca mais chega;
  • Desemprego aumenta;
  • O IVA é "ajustado" para 25%;
  • Sócrates prossegue a cruzada das reformas: tudo piora e nada melhora - as sondagens dão-lhe a maioria;
  • Correia de Campos tenta, mais umas quantas vezes, aniquilar a ANF;
  • Criada a AdC II, para promover a concorrência com a AdC;
  • CGD cria linha de crédito para famílias sobreendividadas;
  • Registada a primeira transmissão de H5N1 entre humanos;
  • Devido ao aquecimento global, Portugal afirma-se como destino de férias tropical;
  • Incêndios devastam floresta em Agosto;
  • Frio chega em Novembro;
  • Descoberta mais uma cura contra o cancro;
  • Estudo revela propriedades antibióticas das cebolas;
  • Guerras no médio-Oriente e em África;
  • Fome alastra no mundo;
  • BRIC desagrega-se e redenomina-se em RIC - o sempre adiado Brasil é expulso;
  • UE discute Constituição;
  • Fidel profere discurso de 7 horas;
  • Cristiano Ronaldo será o melhor jogador de futebol de 2007;
  • O FCP será campeão Nacional em quase todas as modalidades, incluindo, naturalmente, o futebol;
  • M.ª José Morgado não consegue nenhuma condenação de vulto no processo Apito Dourado;
  • Carolina edita novos livros na Páscoa, nas férias e no Natal;
  • O Procurador-Geral descobre, lê e arquiva o «Contos Proibidos - Memórias de um PS desconhecido» de Rui Mateus;
  • No caso Casa Pia apenas Bibi é condenado;
  • Pedroso recebe indemnização avultada do Estado Português;
  • Macedo Vieira e Aires Pereira assinam um novo blogue Poveiro;
  • O advogado da Califórnia descobre o autor dos blogues poveiros anónimos: Tony Vieira e Zézé Silva;
  • Varzim Lazer vai à falência por excesso de clientes;
  • Salmonelas persistem nas águas das praias da Póvoa;
  • Obras da Avenida embargadas pelo IPPAR.

Peliteiro,   às  23:01
8  Comentários pertinentes e devidamente fundamentados          Enviar este texto por mail:

 

 

 

terça-feira, 26 de dezembro de 2006

O pior do ano 

Sócrates correndo na marginal de Luanda

Nesta altura do ano é costume fazerem-se retrospectivas várias sobre acontecimentos do ano. Revendo os factos ocorridos durante 2006 elejo como pior o jogging de José Sócrates em Luanda.



Angola vive sob um regime pouco democrático, onde a corrupção, a insegurança, o desrespeito dos direitos humanos e o racismo não são propriamente uma miragem.

Sócrates correndo na marginal pretende demonstrar que Luanda é um local bom e seguro para trabalhar e investir. O que do ponto de vista do trabalhador comum e do pequeno ou médio investidor é mentira.
Essa corrida representa então a pior atitude que um Governante pode ter: enganar o povo.

Dizem-me que já quase não há meninos de rua em Luanda - o que lhes terá acontecido?

Peliteiro,   às  23:32
4  Comentários pertinentes e devidamente fundamentados          Enviar este texto por mail:

 

 

 

sexta-feira, 22 de dezembro de 2006

Bom Natal 



Peliteiro,   às  14:30
21  Comentários pertinentes e devidamente fundamentados          Enviar este texto por mail:

 

 

 

É hoje, é hoje 

To effect positive change in the energy field of the Earth through input of the largest possible surge of human energy.

Todos a participar!

Peliteiro,   às  14:08
2  Comentários pertinentes e devidamente fundamentados          Enviar este texto por mail:

 

 

 

terça-feira, 19 de dezembro de 2006


Aurelino Costa, velho amigo desde Coimbra, Poveiro, excelente diseur, mais excelente ainda quando inspirado por Bárbara Guimarães.
A não perder no "Folhas Soltas" desta semana.

Peliteiro,   às  23:58
2  Comentários pertinentes e devidamente fundamentados          Enviar este texto por mail:

 

 

 

É o mercado a funcionar... 

Há alturas que todos vêem que o Rei vai nu, mas ninguém tem coragem de o dizer.

É o que se passa com a livre comercialização dos medicamentos não sujeitos a receita médica (mnsrm); uma medida que teve honras de discurso de tomada de posse de um Governo - ridículo! - é reconhecidamente um fracasso: não criou emprego nem negócio (excepto para Belmiro) não melhorou o acesso dos doentes aos medicamentos (cada um de vós veja por experiência própria) e os preços em vez de diminuírem, aumentaram e continuarão a aumentar (como aqui foi previsto muitas vezes).

O Rei vai nu, o povo paga a factura das asneiras cometidas e ninguém diz nada. Julgava eu; soube pelo Núcleo Duro que afinal há uma Projecto de Lei do Grupo Parlamentar do BE que visa fixar preços máximos de venda ao público dos MNSRM.
Vale a pena ler.

Peliteiro,   às  23:52
0  Comentários pertinentes e devidamente fundamentados          Enviar este texto por mail:

 

 

 

segunda-feira, 18 de dezembro de 2006

Time 

Personagem do ano: Eu !


Fantástico, fui eleito a personagem do ano pela Time:

Person of the Year: You
Yes, you. You control the Information Age. Welcome to your world.

Peliteiro,   às  00:11
5  Comentários pertinentes e devidamente fundamentados          Enviar este texto por mail:

 

 

 

Retratos da Botica 

Etiquetas:


Peliteiro,   às  00:01
0  Comentários pertinentes e devidamente fundamentados          Enviar este texto por mail:

 

 

 

domingo, 17 de dezembro de 2006

Star wars 

No blogue de Marcelo Rebelo de Sousa pode ler-se: «Em Conselho de Ministros, o Governo comprometeu-se a pagar a 30 dias às farmácias. Em nome do Estado-pessoa de bem. Pergunto: e os outros credores do Estado não merecem idêntico tratamento?»

De facto, i) já no Orçamento de Estado para 2006 o artigo 8.º eliminava a possibilidade de intermediação financeira nos pagamentos do SNS, ii) entretanto, o Governo criou um Fundo Público para efectuar "a tempo e horas" os pagamentos às Farmácias e, iii) este mês, foi aprovado o Decreto-Lei onde o Governo assume, de forma inequívoca, a obrigação de pagar pontualmente a comparticipação devida, garantindo às farmácias que esse pagamento é efectuado no prazo de um mês.

Ora, o Prof. Marcelo, distraído talvez, não percebeu que as Farmácias não estão minimamente interessadas em beneficiar das medidas diligentemente arquitectadas pelo Ministro da Saúde no interesse dos seus fluxos financeiros. Mais, não percebeu que estas medidas do Governo não são mais que uma tentativa forte e desesperada para "quebrar a espinha" da ANF.

As Farmácias, julgo eu, não querem usufruir da suposta bondade do Governo por duas razões fundamentais:
a) O Estado Português é caloteiro. É e será, com Decreto-Lei ou sem ele, ninguém acredita que esta garantia não seja revogada num prazo mais ou menos curto.
b) A coesão das Farmácias é um bem inalienável. Os Governos passam as Farmácias ficam. Não será agora que as Farmácias desistirão de uma estratégia alicerçada no associativismo e que tão bons resultados - para o sector e para os doentes - tem desenvolvido ao longo dos anos.

Posto isto, veremos nos próximos tempos a evolução deste importante tema. O Governo tem os trunfos todos, tem a força; a ANF tem a inteligência.
Aposto na ANF!

Peliteiro,   às  22:21
1  Comentários pertinentes e devidamente fundamentados          Enviar este texto por mail:

 

 

 

Da Frente 

Centro Hospitalar Guimarães - Fafe

Sobre o hipotético Centro Hospitalar que englobará dois Hospitais onde já trabalhei, excertos do Que raio de saúde a nossa:
Continuam os profissionais de ambos os Hospitais sem saber o que vai ser o Centro Hospitalar, quais as suas perspectivas e quando e como é que ele se vai constituir.
Como é possível que:
- A imprensa Nacional tenha conhecimento de quem vai ser o futuro Presidente do CA sem que o despacho ministerial da constituição do referido Centro Hospitalar tenha sido exarado e que indique nomes "quase certos" para fazerem parte do referido CA.
- Que o actual Presidente do CA do Hospital Senhora da Oliveira de Guimarães convoque o seu Director Clínico, acabado de regressar de férias, para o confrontar com o facto de que "seria o único elemento que não deveria fazer parte da futura orgânica do Centro Hospitalar Guimarães-Fafe, que deverá estar formalmente constituído em Janeiro".
E tudo isto se passa ou se vai passando sem que "ninguém saiba". Os "ninguém" que mais deveriam e necessitariam saber, por forma a se sentiriam estimulados e motivados para os desafios da mudança que se pertende para melhor.
Já chega de secretismo, de alarmismo da população, de fomento quase que "deliberado" da desmotivação dos profissionais da saúde de ambas as unidades Hospitalares, da falta de diálogo e de clareza de objectivos.

Peliteiro,   às  22:11
0  Comentários pertinentes e devidamente fundamentados          Enviar este texto por mail:

 

 

 

sábado, 16 de dezembro de 2006

Retratos da Botica 

4

Etiquetas:


Peliteiro,   às  00:22
0  Comentários pertinentes e devidamente fundamentados          Enviar este texto por mail:

 

 

 

sexta-feira, 15 de dezembro de 2006

Palavras para quê 


Foto Tá bém ex-isto

Em Setembro de 2005:
O Presidente da ANF anunciou que vai entregar na Procuradoria-geral da República um dossier sobre a formação dos preços dos medicamentos em Portugal, que a associação diz violar a lei.
Numa conferência de imprensa no passado mês de Maio, o presidente da ANF revelou que os medicamentos em Portugal são mais caros do que o legalmente estabelecido e adiantou que no ano passado os doentes pagaram mais 28 milhões de euros do que deviam. João Cordeiro sublinhou também que o mercado de genéricos nacional poderia comportar genéricos 50 por cento mais baratos, "no mínimo", do que o preço actual.


Em Dezembro de 2006:
O preço dos medicamentos comercializados em Portugal está muito acima daquilo que dita a lei.
Segundo uma análise do Infarmed, dos 54 fármacos mais vendidos, apenas seis custam aos portugueses menos do que aos doentes em Espanha, França e Itália - os países que servem de comparador e cujos preços não podem ser ultrapassados. Num dos casos, o de um genérico, o custo chega a ser 308% superior ao valor mais baixo praticado nestes três países.
A situação foi ontem denunciada pelo ministro da Saúde, Correia de Campos.!!!
Foto gentilmente cedida roubada a Tá bém ex-isto

Peliteiro,   às  13:14
2  Comentários pertinentes e devidamente fundamentados          Enviar este texto por mail:

 

 

 

Retratos da Botica 

Etiquetas:


Peliteiro,   às  00:11
0  Comentários pertinentes e devidamente fundamentados          Enviar este texto por mail:

 

 

 

quinta-feira, 14 de dezembro de 2006

Póvoa Semanário 

A leitura do jornal da terra, para nós provincianos, é sempre uma ocasião especial. É um ritual muito diferente da leitura de um diário ou semanário de âmbito nacional.
Eu assino apenas um, o melhor, o Póvoa Semanário, e gosto de o ler às Quintas na hora de almoço, à varanda, acompanhado por café e cigarro. Esta semana é fonte de três comentários:

1- Os CTT. Já aqui escrevi, não encontro onde, sobre as saudades dos tempos em que o correio chegava no dia certo à hora certa, transportado por um carteiro simpático, prestável e bem ataviado. Que lástima é hoje. Privatizem a empresa se é a vossa vontade, mas rápido. Que bom era quando os selos custavam uma coroa.
O jornal, agora, nunca chega à quinta de manhã. Tive que o surripiar ao meu vizinho (mas confessei-me!).

2- Os Técnicos de Saúde. No meu tempo havia Farmacêuticos, Médicos, Enfermeiros, Fisioterapeutas, etc., etc.. Hoje, para além dos bombeiros tirarem cursos de obstetrícia, aparecem com cada vez maior frequência os Técnicos de Saúde. Mas afinal o que vem a ser isto de Técnico de Saúde? Não sei. Hoje no jornal da terra aparece um senhor que se auto-intitula como isso. Não faço a mínima ideia quem seja nem o que faz, mas também podia escolher um tema e um discurso mais interessante: fala de erisipela!
Começa assim: «O diagnóstico é médico»! Depois: «Tratamento: a rápida e favorável resposta à antibioterapia suporta o diagnóstico.», pelo que se conclui que o tratamento também é médico. Logo ou o senhor é médico ou não tem competência para escrever sobre o que escreve.
Quanto ao título da crónica, «O cantinho da prevenção», não corresponde ao conteúdo, de prevenção apenas: «nas recorrências aconselha-se a elevação dos membros, meia-elástica e antibioprofilaxia(?)».
Um texto pobre, igual ou pior a milhares de entradas do google, com alguns erros de escrita - causada por streptococcus pyogenes; bacteriomia - e linguagem pouco técnica.
Não haverá médicos a escrever melhor na Póvoa?

3- António Cacheira. O treinador das escolas e infantis do Varzim que merece reconhecimento público e cujo destaque na edição desta semana é mais que justa. Mais não digo porque podem dizer que estou a dar graxa ao treinador do meu Miguel - que aparece na foto a segurar na bola - e eu não sou nada dessas coisas.

Peliteiro,   às  22:54
2  Comentários pertinentes e devidamente fundamentados          Enviar este texto por mail:

 

 

 

Com esta quase que concordava 

«Em 1999, quando a Farmácia da Boa Hora, no centro do Porto, decidiu abrir das 9 às 21H, de segunda a Sábado - 72 horas semanais, portanto, para além das urgências nocturnas - fui abordado por inúmeros colegas que me manifestavam o seu desagrado.

A minha posição sempre foi a seguinte: se a Farmácia serve três centros de Saúde, um Hospital e uma Maternidade, não posso ter o horário de uma loja comercial; sirvo a população e não os interesses dos colegas!» Abril de 2005

Sempre foi para mim óbvio que uma Farmácia, enquanto serviço de Saúde, não poderia ter um horário comercial das 9 às 7, mais hora de almoço e sesta. Os problemas de acessibilidade ao medicamento são um facto e as Farmácias existem para servir os doentes. Coisa que muitos Colegas não percebiam na época, dado o número de queixas que tive na OF e na ANF. Agora, esses colegas já devem entender melhor...

O Conselho de Ministros, reunido hoje na Presidência do Conselho de Ministros, aprovou o Decreto-Lei Decreto-Lei que visa aumentar a acessibilidade dos cidadãos aos medicamentos, regulando o horário de funcionamento das farmácias de oficina e definindo o respectivo período mínimo de funcionamento. Deste modo, estabelece-se que as farmácias de oficina funcionarão, pelo menos, 55 horas por semana, com um horário diário máximo que pode ser compreendido entre as 6h00 e as 24h00, todos os dias da semana.

Com esta medida quase que concordava - talvez por ser dia de aniversário do António Fernando - mas ainda não é desta. O horário de funcionamento de uma Farmácia não deveria ser inferior a 65 horas semanais (excluindo urgências).

Peliteiro,   às  22:23
1  Comentários pertinentes e devidamente fundamentados          Enviar este texto por mail:

 

 

 

Parabéns 

António Fernando Correia de Campos faz hoje 62 anos.
Embora discorde de quase tudo que diz ou faz Correia de Campos, não é do meu feitio pessoalizar discordâncias. Parabéns então ao António Fernando.

Peliteiro,   às  22:15
1  Comentários pertinentes e devidamente fundamentados          Enviar este texto por mail:

 

 

 

Da Frente 

Vladimiro Jorge Silva:

Reduzir arbitrariamente o preço dos medicamentos em 6% é fácil e poupa inclusive o trabalho intelectual de procurar um valor racional e cientificamente fundamentado.
No entanto, como
MPA muito bem refere e eu próprio já o escrevi em diversas ocasiões, é uma medida que não pode ser repetida indefinidamente, pois é susceptível de originar perversões (no comportamento da IF) bastante mais custosas do que o problema que inicialmente se pretendia resolver.
Além disso, não ataca a verdadeira questão, o que o
Xavier aliás explica muito bem no seu texto.
Esta medida serve apenas para criar uma bolsa de ar que permita a CC sobreviver ao próximo défice. No entanto, não tenho a certeza que o consiga, pois a questão dos 6% não é a mais importante neste caso (recordemo-nos que anteriormente embora CC também tenha reduzido os preços em 6%, para além de ter descomparticipado ou reduzido comparticipações de centenas de medicamentos, as poupanças para o SNS foram inferiores a 3%...).
Se verificarmos as alterações introduzidas à forma como se calculam as margens de lucro, observa-se que a redução para a IF foi muito inferior a 6% (embora só a IF saiba quanto, pois a sua margem de lucro em cada produto é desconhecida). No entanto, a IF surge publicamente como credora e como sector atacado por CC. Nesse sentido, sentir-se-á com legitimidade politica para exercer as habituais manobras criativas que permitam repor o lucro supostamente (à luz da opinião pública...) perdido.
Por exemplo, se nem todos os produtos proporcionam a mesma margem de lucro, é possível direccionar as acções de promoção de vendas para os mais interessantes sob esta perspectiva. Do mesmo modo, é também possível promover a prescrição de embalagens de maiores dimensões e manter esgotadas ou com stocks muito reduzidos as de menor dimensão...
Sejamos claros: sem uma intervenção sobre a prescrição (nos moldes referidos pelo Xavier e por MPA) CC não tem qualquer hipótese de enfrentar a IF.
E na ânsia de irritar a ANF (o que aliás conseguiu) CC introduziu discretamente uma alteração na forma de calcular as margens de lucro que favorece ainda mais a IF.
Ou seja, CC apostou mais uma vez no cavalo errado: atacou quem actualmente tem pouca capacidade de interferência nos gastos com medicamentos e poupou ou favoreceu ainda mais os responsáveis pelo actual estado de coisas.
O estranho de tudo isto é que o país aplaude e reage como se o Ministro estivesse de facto a fazer alguma coisa de significativo.

Peliteiro,   às  19:52
0  Comentários pertinentes e devidamente fundamentados          Enviar este texto por mail:

 

 

 

TV Famalicão 

A primeira televisão online do país, a Famalicão TV, foi remodelada e agora está muito melhor:


Peliteiro,   às  14:03
1  Comentários pertinentes e devidamente fundamentados          Enviar este texto por mail:

 

 

 

Sim Carolina ó i ó ai 

Seguradoras respondem à redução de apoio na saúde
«O aumento da apetência do mercado - visível não só nos seguros de grupo mas também entre clientes particulares - vai traduzir-se num aumento dos prémios cobrados aos segurados, como já admitiu publicamente o presidente da Associação Portuguesa de Seguradores. Para as seguradoras, a subida dos preços será um reflexo do agravamento dos encargos com os cuidados de saúde e também da maior utilização do seguro

Peliteiro,   às  14:02
0  Comentários pertinentes e devidamente fundamentados          Enviar este texto por mail:

 

 

 

Retratos da Botica 

2

Etiquetas:


Peliteiro,   às  00:12
0  Comentários pertinentes e devidamente fundamentados          Enviar este texto por mail:

 

 

 

Farmácias nos Hospitais 

Prometi ler com atenção a legislação sobre a abertura de Farmácias privadas em Hospitais e emitir uma opinião mais aprofundada do que a emitida no fim de um jogo de futebol do FCP.
Nunca mais me apeteceu, faltam saber muitos pormenores do concreto, da prática, e se e quando abrir o primeiro concurso logo desenvolverei o tema.
Agora, como aquilo vai ser tudo muito pobrezinho, muito rés-vés, com muita mão-de-obra barata, não posso deixar de mostrar aos Colegas um exemplar de mobiliário que me parece adequado para o efeito:

Peliteiro,   às  00:06
0  Comentários pertinentes e devidamente fundamentados          Enviar este texto por mail:

 

 

 

quarta-feira, 13 de dezembro de 2006

Grandes Portugueses 

Desde 31 de Outubro a contar votos? Afinal dizem-nos, ou não, quem são os grandes Portugueses?

Salazar Peliteiro

Peliteiro,   às  13:23
3  Comentários pertinentes e devidamente fundamentados          Enviar este texto por mail:

 

 

 

A dois carrinhos 

«Despacho do Ministro da Saúde proíbe os profissionais do SNS de exercerem funções de coordenação em instituições privadas.»

Correia de Campos não tem razão. O despacho deveria proibir não só a acumulação de funções de coordenação mas proibir também qualquer tipo de acumulações.
Eu abandonei a função pública em 1994 - e vou sobrevivendo. Os profissionais têm que decidir - ou lá ou cá. Simples.

Peliteiro,   às  13:16
0  Comentários pertinentes e devidamente fundamentados          Enviar este texto por mail:

 

 

 

Retratos da Botica 

Etiquetas:


Peliteiro,   às  00:22
0  Comentários pertinentes e devidamente fundamentados          Enviar este texto por mail:

 

 

 

Festejando a morte 

Confessa Ana Gomes, no Causa Nossa:
Pinochet - fim de um canalha

«Durante anos viajou, na casa que levei às costas, de país para país, uma garrafa de champanhe. Para abrir no dia em que Pinochet morresse ou fosse preso.»

Morrer ou ser preso não é exactamente a mesma coisa. No mundo civilizado os crimes graves castigam-se pela prisão e não pela morte.
Festejar a morte, mesmo a de um ser abjecto não é uma acto civilizado, não é próprio de quem valoriza a condição humana. O ódio compulsivo não justifica o desrespeito pelo principal dos direitos humanos, a vida.

Ana Gomes não pode ser boa pessoa!

Peliteiro,   às  00:19
6  Comentários pertinentes e devidamente fundamentados          Enviar este texto por mail:

 

 

 

terça-feira, 12 de dezembro de 2006

Sim Carolina ó i ó ai 

Não há figura mais triste que um cão vadio à chuva.
Num dia cinzento de chuva miudinho o cão vadio caminha lentamente, triste, com a cauda pendente, as orelhas caídas, o pelo assapado deixando antever as carraças e uns olhos de cão triste, escuros, suplicantes, parecendo sonhar com a quentura da lareira que outrora gozaram, afagado o dorso pelas mãos carinhosas do seu dono.
Figura assim tão triste só me lembra a de um Benfiquista, remoendo a vã glória do passado.
Um cão vadio à chuva não se anima por coisa quase nenhuma. Nem um naco de carne suculenta o fará facilmente correr e levantar a cauda. Uma cadela no cio, isso sim, tudo se levanta, a cauda, as orelhas, pelo sacudido, olhos bem abertos e bem despertos.
A Carolina teve o condão de despertar os Benfiquistas, de os animar, de os fazer sacudir o pelo, aspergindo a melancolia que já se impregnava até aos ossos, esquecendo os resultados e os dirigentes detidos e arguidos.

Várias pessoas me pediram para escrever sobre o livro* da Carolina. Quero lá saber da Carolina, sei lá é quem é a Carolina. Conheço-a dos Gato Fedorento, como conheço a Floribela. Mas enfim, lá estou eu a escrever sobre a Carolina. Serei rápido.
Passando por cima do livro - que teria sido substituído com muita vantagem económica por um calendário para oficinas de marcenaria e camiões TIR - e por cima da autora, vou directo ao que interessa e ao que querem ouvir: será Pinto da Costa um modelo de boas práticas futebolísticas?
Não. Com certeza que não. Não meto as mãos no fogo por Pinto da Costa nem por quase** nenhum dirigente desportivo e respectiva fauna relacionada. Isso é para mim uma verdade incontornável, o mundo do futebol - como tantos outros mundos, infelizmente - é uma pocilga onde muitos chafurdam. Isto é-me tão evidente, há quanto tempo, que aqueles que disto discordam me parecem sempre uns puros ingénuos. É só isto - tudo o mais é folclore - e basta.


* Ninguém se atreva a oferecer-me essa espécie de livro pelo Natal!
** Disse "quase nenhum" porque haverá excepções e porque conheço, pessoalmente, um Presidente de um Clube por quem meteria as mãos no fogo.

Peliteiro,   às  23:18
11  Comentários pertinentes e devidamente fundamentados          Enviar este texto por mail:

 

 

 

segunda-feira, 11 de dezembro de 2006

Dramalhão 


MendigoCorreia de Campos - Eu quero fazer um apelo especial, por favor, vá lá, nós somos tão pobrezinhos, buááá, muito pobrezinhos, buáááá (baba e ranho), por misericórdia, nós estamos tão carenciados, buáááááááá (mais baba e mais ranho), Caros Senhores da Indústria Farmacêutica, eu faço um apelo em nome dos nossos velhinhos, dos nossos desgraçadinhos, buáááááááá (ainda mais baba e mais ranho), baixem o preço dos medicamentos, senão o que será de nós, o orçamento tem que ser cumprido e eu já racionei tudo o que havia a racionar, somos tão infelizes, tão pobrezinhos, buáááááááá (muita mais baba e mais ranho).

Gomes Esteves - É pá, ó Correia, pára lá com isso, que nojo meu, já basta, o fotógrafo já tirou uma foto tua para mandar para os CEOs, chega de baba e ranho...

Correia de Campos - Eu quero fazer um apelo especial...

Gomes Esteves - Cala-te! Não tens mão nas tuas tropas, desperdiçam à tripa-forra, gastam-no mal gasto, pior que a cigarra, e agora vens pedir esmola?!! Juízo ó Correia.

Correia de Campos - Mas a verdade é os nossos preços (soluçando convulsivamente) são ainda muito desfavoráveis (soluçando convulsivamente, regurgitando baba e ranho), os meus Colegas do Grupo Aachen dizem que eu sou um nabo, que devia pedir-vos...

Gomes Esteves - Ora, ora. Paga mas é o que deves, seu caloteiro, devias era ter vergonha nessa cara feia... Julgas que sou teu pai ou quê? Vai trabalhar malaaandro...


«A verdade é que a diferença entre os 100 fármacos mais vendidos em Portugal e os compradores internacionais é ainda muito desfavorável em relação a Portugal».
A verdade é que é o Estado quem determina os preços dos medicamentos comercializados em Portugal.


Peliteiro,   às  23:20
2  Comentários pertinentes e devidamente fundamentados          Enviar este texto por mail:

 

 

 

domingo, 10 de dezembro de 2006


A internet é um meio de comunicação espantoso.
Como é possível que esta página já tenha sido visitada 100.000 vezes? Muitos terão vindo ao engano e fugido de imediato, mas muitos vêm propositadamente e lêem todas estas trenguices. Espantoso.
Quando comecei, há três anos e meio, nunca pensei nestes números; nem em 1.000, sequer.
Como será o mundo da comunicação daqui três anos e meio?

Peliteiro,   às  23:58
10  Comentários pertinentes e devidamente fundamentados          Enviar este texto por mail:

 

 

 

A origem do surf 

A criança poveira bem cedo se inicia na faina da pesca.
Os mais ousados, trazem de casa a masseira de cozer pão e servem-se dela como barco, fazendo dos braços rêmos, para assim pescarem com os estralhos nos largos da enseada ou nas outras praias que ornam a Póvoa.
Como os povos guerreiros da antiguidade, que adestravam a sua mocidade na arte da guerra, assim a infância poveira se ensaias nas lutas com o mar, dando-nos por vezes, espectáculos bem impressionantes pelo arrôjo com que se arriscam nesse seu ensaio de heróica valentia.
Quando o mar pica na barra, vão nos pequenos barcos rebôlos e nas masseiras, encarrilhar nas vagas alterosas do assêjo.
E quando a vaga se aproxima da barra, avolumando-se por efeito da penedia submersa, arrojam o barco para ela com a ré, para que, mal a onde dê indícios de dobrar, quebrando-se, possa apanhar o barco e trazê-lo sôbre o dorso, em correria, até terminar o farfalhar da onda. É claro que a correria é ajudada com o remar violento, para que o barco, ao ser tocado pela vaga, tenha tomado já um certo impulso e facilite a encarrilhadela que, quando é longa, os entusiasma e os faz gritar de alegria.
O brinquedo é contudo arriscadíssimo. A vaga, por vezes, falseia e quebra em cima do barco, submergindo-o. Outras vezes, na correria, o barco guina ao lado e emborca-se. Os pequenos tripulantes, apesar de nadarem como peixes, têm o seu momento de grave aflição. já se têm dado desastres fatais.
Mas o ensaio repete-se sempre. E esta esgrima de adestramento para as lutas do mar é, para êles, tão interessante que não é raro verem-se homens vélhos em pequenos barco a encarrilhar, todos radiantes quando apanham uma boa vaga que os traz de regalinho, recordando-lhes os seus tempos de mocidade.
A. dos Santos Graça

Peliteiro,   às  23:13
0  Comentários pertinentes e devidamente fundamentados          Enviar este texto por mail:

 

 

 

Blogs e Sites Poveiros 

Interessante compilação, o blogue dos blogues Poveiros.

Peliteiro,   às  23:09
1  Comentários pertinentes e devidamente fundamentados          Enviar este texto por mail:

 

 

 

Farmácia Açoreana 

Em Lisboa, numa das Farmácias mais antigas da cidade, a Farmácia Açoreana tratam-se os males do corpo e da mente não apenas através das drogas mas também através da música. Numa combinação pouco ortodoxa, combina-se o piano, pelas mãos de Vera Prockic, com a saúde.
Na opinião de um Boticário conservador, contrário a muitas práticas, controversas, que progressivamente têm invadido as nossa Farmácias, seria de esperar uma reacção negativa ao facto de um piano coabitar com almofarizes.
Eu não sou. Por duas razões: primeira porque não é um acto de merchandising, não é comercialão, não se pode associar à empurroterapia, não tem como fito o lucro, antes procura enriquecer o espaço Farmácia, tornando-o agradável, trazendo um momento de cultura, um intervalo de prazer e distracção a quem, geralmente, vive preocupações, receios, ansiedades e dor; segunda porque conheço o Carlos Quelhas, o Director Técnico, meu colega no curso de Auditores da Qualidade, jovem inteligente e bom Farmacêutico, garante da primeira razão enunciada e da harmonia do projecto. Parabéns Quelhas.

Peliteiro,   às  23:03
1  Comentários pertinentes e devidamente fundamentados          Enviar este texto por mail:

 

 

 

Hasta siempre 

O Marx vai-se embora. É o curso natural da vida. Vai abraçar uma carreira a solo. Compreendo perfeitamente e desejo-lhe muitas felicidades, muito para além deste novo projecto, naturalmente. Como diz o mfc, o importante é que quem escreve o faça por gosto, divertindo-se; se isto não acontece, a participação na blogosfera é sempre curta e limitada - a não ser que se tenham outros interesses, ligados à bidinha - e por mais importante que seja a mensagem a transmitir, esta fica seriamente comprometida pela saturação de escrever dia após dia. Esse é o segredo da longevidade blogosférica, escrever por prazer.
Bons textos pois, Marx, que eu continuarei a lê-lo com atenção. Um grande abraço.

Peliteiro,   às  22:50
1  Comentários pertinentes e devidamente fundamentados          Enviar este texto por mail:

 

 

 

sábado, 9 de dezembro de 2006

Último texto 

Este é o meu último texto aqui. Pelo menos, enquanto membro da Cia. do «Impressões de Um Boticário de Província & Cia. Lda.». Escrevo-o, como o primeiro, depois de o sujeitar à consideração do autor do blog, Mário Jorge Peliteiro. O verdadeiro Boticário.

Para quem não saiba, nós não nos conhecemos. O que poderá parecer estranho para uma sociedade. Principalmente, como será o caso, se não estiver sedeada numas quaisquer Ilhas Cayman. Tudo isto foi muito virtual. Na sequência de alguns comentários em blogs poveiros, recebi um convite do Boticário. Dizia pretender colaboradores para o «Impressões ...». Na perspectiva de manter os seus dois grandes grupos de clientes. Profissionais da Saúde e Poveiros. Daí o convite ao Marx. Começando por lhe aliciar o ego com um «embora raramente concordemos, é actualmente o melhor blogger Poveiro que conheço.» O Marx, claro, babou-se todo. Mesmo sabendo da mentira de tais qualificativos. Quer o do «blogger», quer o do «Poveiro». Exigia o Boticário, no entanto, duas condições. «Escrita identificada e responsável». Acabaria por acordar, no e-mail seguinte, com a minha pretensão em não abrir mão do Marx. Contra a, também minha, sugestão de ser ele a editar os textos. Fê-lo apenas no primeiro. Deixando-se cegar daí para a frente. Espero não o ter defraudado na segunda das condições.

Tirando pontuais trocas de informação sobre o blog, nunca nos relacionamos. Com a chave que me deu, passei a editar os meus posts, quando e como quis. E nunca trocamos quaisquer mensagens sobre o teor dos textos. Tal como nunca nos encontrámos ou, sequer, falamos. Tenho-lhe prometido um café, algures «para as calendas». Naturalmente, passei a respeitar o Mário Jorge Peliteiro. Não apenas o que escreve, mas, essencialmente, o autor do blog. Sempre considerei haver um não-sei-quê de honra no gesto. E alguma coragem. Afinal, trata-se de expor o território a um anónimo. Mais do que isso, a um desconhecido.

E cá cheguei. Demorando mais tempo do que inicialmente previra. Escrever sobre a vida poveira e para Poveiros. Tentei cumprir a missão o melhor que sabia. Que é pouco. Mas, creio, normal num profundo não alinhado, apartidário e sem qualquer filiação em grupos ou clubes. Sem acesso a informação privilegiada. Um outsider, portanto. Ainda por cima muito pouco respeitador do diz-se diz-se com que se alimenta alguma da blogosfera local.

Os textos desta minha colaboração no «Impressões ...» estão depositados num outro blog que abri para o efeito. Chamei-lhe «Voando sobre um ninho de dúvidas» (http://voando-duvidas.blogspot.com). Até agora, tem sido um mero blog-depósito. No futuro, logo se verá.

Em jeito de despedida, socorro-me da escrita sublime de António Gedeão para desejar, a todos, um bom «Dia de Natal».




«Considera o que se diz e não te preocupes de saber quem o disse» (Tomás de Kempis, Imitação de Cristo, Capítulo 5, nº1

Marx,   às  10:28
5  Comentários pertinentes e devidamente fundamentados          Enviar este texto por mail:

 

 

 

sexta-feira, 8 de dezembro de 2006

Dia de Natal 


Hoje é dia de ser bom.
É dia de passar a mão pelo rosto das crianças,
de falar e de ouvir com mavioso tom,
de abraçar toda a gente e de oferecer lembranças.

É dia de pensar nos outros -- coitadinhos -- nos que padecem,
de lhes darmos coragem para poderem continuar a aceitar a sua miséria,
de perdoar aos nossos inimigos, mesmo aos que não merecem,
de meditar sobre a nossa existência, tão efémera e tão séria.

Comove tanta fraternidade universal.
É só abrir o rádio e logo um coro de anjos,
como se de anjos fosse,
numa toada doce,
de violas e banjos,
entoa gravemente um hino ao Criador.
E mal se extinguem os clamores plangentes,
a voz do locutor
anuncia o melhor dos detergentes.

De novo a melopeia inunda a Terra e o Céu
e as vozes crescem num fervor patético.
(Vossa Excelência verificou a hora exacta em que o Menino Jesus nasceu?
Não seja estúpido! Compre imediatamente um relógio de pulso antimagnético.)

Torna-se difícil caminhar nas preciosas ruas.
Toda a gente se acotovela, se multiplica em gestos, esfuziante.
Todos participam nas alegrias dos outros como se fossem suas
e fazem adeuses enluvados aos bons amigos que passam mais distante.

Nas lojas, na luxúria das montras e dos escaparates,
com subtis requintes de bom gosto e de engenhosa dinâmica,
cintilam, sob o intenso fluxo de milhares de quilovates,
as belas coisas inúteis de plástico, de metal, de vidro e de cerâmica.

Os olhos acorrem, num alvoroço liquefeito,
ao chamamento voluptuoso dos brilhos e das cores.
É como se tudo aquilo nos dissesse directamente respeito,
como se o Céu olhasse para nós e nos cobrisse de bênçãos e favores.

A Oratória de Bach embruxa a atmosfera do arruamento.
Adivinha-se uma roupagem diáfana a desembrulhar-se no ar.
E a gente, mesmo sem querer, entra no estabelecimento
e compra -- louvado seja o Senhor! -- o que nunca tinha pensado comprar.

Mas a maior felicidade é a da gente pequena.
Naquela véspera santa
a sua comoção é tanta, tanta, tanta,
que nem dorme serena.

Cada menino
abre um olhinho
na noite incerta
para ver se a aurora
já está desperta.
De manhãzinha,
salta da cama,
corre à cozinha
mesmo em pijama.

Ah!!!!!!!!!!

Na branda macieza
da matutina luz
aguarda-o a surpresa
do Menino Jesus.

Jesus,
o doce Jesus,
o mesmo que nasceu na manjedoura,
veio pôr no sapatinho
do Pedrinho
uma metralhadora.

Que alegria
reinou naquela casa em todo o santo dia!
O Pedrinho, estrategicamente escondido atrás das portas,
fuzilava tudo com devastadoras rajadas
e obrigava as criadas
a caírem no chão como se fossem mortas:
Tá-tá-tá-tá-tá-tá-tá-tá-tá-tá-tá-tá-tá.
Já está!
E fazia-as erguer para de novo matá-las.
E até mesmo a mamã e o sisudo papá
fingiam
que caíam
crivados de balas.

Dia de Confraternização Universal,
Dia de Amor, de Paz, de Felicidade,
de Sonhos e Venturas.
É dia de Natal.
Paz na Terra aos Homens de Boa Vontade.
Glória a Deus nas Alturas.


António Gedeão

Marx,   às  20:47
0  Comentários pertinentes e devidamente fundamentados          Enviar este texto por mail:

 

 

 

Operação Furacão 

No Porto a investigação desta quinta-feira incidiu em Laboratórios Médicos e de Análises Clínicas.
Parece lógico perguntar: na Operação Furacão quem ainda não foi investigado?
Por falar em Furacão, está uma grande ventania, vou para o Gerês, bom fim-de-semana...

Peliteiro,   às  12:23
2  Comentários pertinentes e devidamente fundamentados          Enviar este texto por mail:

 

 

 

quinta-feira, 7 de dezembro de 2006

Fusão 

Cooperativas farmacêuticas avançam para fusão


«As três cooperativas de distribuição farmacêutica da Zona Centro - Farbeira, Cofarbel e Farcentro - anunciaram ontem a fusão numa única empresa. O volume de negócios consolidado da empresa será de 215 milhões de euros em 2006

Boa notícia. O futuro pertence aos que se adaptam e os Farmacêuticos, como sempre, saberão transformar ameaças em oportunidades.

Peliteiro,   às  14:09
5  Comentários pertinentes e devidamente fundamentados          Enviar este texto por mail:

 

 

 

Freeware 

Enquanto Sócrates patrocina os planos tecnológicos de Bill Gates, nós preferimos o freeware. Eis uma super-mega-hiper lista de utilidades, via Basfémias.

Peliteiro,   às  14:06
0  Comentários pertinentes e devidamente fundamentados          Enviar este texto por mail:

 

 

 

Farmácias nos Hospitais 


Foi publicado o Decreto-Lei que possibilita a abertura de Farmácias em Hospitais do SNS.
A abertura é feita por concessão de até 5 anos, tendo os proprietários de Farmácia do concelho preferência (João Cordeiro é grande!). Estarão abertas 365 dias por ano, 24 horas por dia.

Uma excelente fonte de receitas para os Hospitais, que só por excesso de incompetência não abrirão concurso de imediato. Se a entidade onde se prescreve ganha com o que se prescreve... parecendo que não... pode ser perverso!

O serviço aos doentes é uma incógnita. O critério único do concurso é o preço. Nunca se pode esperar muito quando o preço baixo é o mais importante - veremos.

Amanhã lerei com mais atenção e logo vos digo de minha justiça.

Etiquetas:


Peliteiro,   às  00:21
3  Comentários pertinentes e devidamente fundamentados          Enviar este texto por mail:

 

 

 

Mourinho
Quem sabe de futebol, quem é?

Peliteiro,   às  00:09
7  Comentários pertinentes e devidamente fundamentados          Enviar este texto por mail:

 

 

 

terça-feira, 5 de dezembro de 2006

No mercy for Benfica 




O que interessa mesmo é que o Benfica perca. Quanto ao Porto, lá estarei amanhã, no Dragóm ceteidium, a saborear mais uma vitória certa.

Peliteiro,   às  23:19
16  Comentários pertinentes e devidamente fundamentados          Enviar este texto por mail:

 

 

 

Salário mínimo 

O Governo fixou o meu salário mínimo em 25.000 euros mensais. Julgo que o meu destino será, assim, o desemprego.

Peliteiro,   às  22:34
1  Comentários pertinentes e devidamente fundamentados          Enviar este texto por mail:

 

 

 

Chimico 



O Chimico! O portal do Chimico era pouso de namoro e abrigo de chuvadas nas vindas das cantinas. Belo edifício. Boas recordações. Sempre gostei do Chimico. Fico então muito satisfeito quando sei:

Laboratório Chimico abre hoje como museu de ciência


«Na frontaria, sobressai a luminosidade de um edifício acabado de recuperar, além do nome antigo bem lá no alto, "Laboratório Chimico".
O edifício, construído entre 1773 e 1775 a mando do Marquês de Pombal: "É o mais antigo laboratório químico do mundo que resistiu até hoje." É provável até que seja o primeiro laboratório construído de raiz para o ensino da química". "É contemporâneo do nascimento da química moderna".
Até 1998, o edifício, de estilo neoclássico, esteve ocupado com laboratórios e aulas.
Depois, a Universidade de Coimbra começou a pensar na criação de um grande museu de ciência, com os mais de 200 mil objectos que possui. O Laboratório Chimico é só a primeira fase desse projecto ambicioso, que passará pela transformação em museu dos mais de 12 mil metros quadrados do antigo Colégio de Jesus, que alberga as colecções de física (ricas em instrumentos do século XVIII e XIX) e de zoologia, geologia e mineralogia e ainda está a ser utilizado em aulas. As colecções antropológicas e de botânica também integrarão o museu.
»

Se estiver aberto ao fim-de-semana, como espero, serei um dos próximos visitantes.
Um projecto interessantíssimo. A não perder.

Peliteiro,   às  22:23
0  Comentários pertinentes e devidamente fundamentados          Enviar este texto por mail:

 

 

 

Canções de embalar 

Em Abril:
O ministro revelou a possibilidade de avançar com um programa conjunto com o ministério da Ciência, através do qual serão admitidas candidaturas a projectos de investigação clínica que venham de universidades, hospitais ou centros de saúde.«Para isso, dispomos de 2,5 milhões de euros da parte do Ministério da Saúde e possivelmente de outro tanto por parte do Ministério da Ciência. Estamos a preparar os termos de referência desse concurso para o lançarmos», acrescentou Correia de Campos.
Dito e não feito.

Em Dezembro:
Médicos poderão fazer internato e doutoramento em simultâneo.
O ministro da Saúde anunciou esta segunda-feira, no Porto, que vai apresentar em Conselho de Ministros, nas próximas semanas, legislação que cria um programa de doutoramento em Medicina Clínica integrado no internato de especialidade.

Palavras vãs, leva-os o vento (e que ventania está...)

Peliteiro,   às  14:23
1  Comentários pertinentes e devidamente fundamentados          Enviar este texto por mail:

 

 

 

domingo, 3 de dezembro de 2006

Diz que é uma espécie de Autoridade 


«A multinacional alemã Fresenius, que inicialmente fornecia apenas material de diálise, entrou no mercado português do tratamento em 1982. Desde então, foi montando e comprando centros até que, em 1996, comprou as clínicas da concorrente americana NMC. Entretanto, adquiriu outros centros e continua a promover clínicas de raiz.
A concentração da hemodiálise nas mãos da NMC/Fresenius configura uma situação de quase monopólio. Neste momento, calculado em 70% do mercado, em termos de centros de diálise
e fornecimento dos respectivos produtos. Isto, num sector de tratamentos totalmente comparticipado pelo Estado, com "clientela" crescente e uma fatia do orçamento da saúde próxima dos 4%. A negociação dos preços pode resultar comprometida, como já alertaram as autoridades da concorrência.» JN






2006:

Saúde: congelamento da despesa não inclui diálise

«Na área de diálise, a "situação vai ficar exactamente na mesma", uma vez que a associação do sector representa empresas com mais de 90 por cento mercado e "o Estado não tem capacidade de resposta" se for reduzido o atendimento a novos doentes em 2007.»

Etiquetas:


Peliteiro,   às  23:31
0  Comentários pertinentes e devidamente fundamentados          Enviar este texto por mail:

 

 

 

Diz que é uma espécie de privilégio 

Mais de mil jornalistas assinaram, em menos de cinco dias, o Manifesto em defesa da sua Caixa de Previdência, o que revela o profundo desagrado com que foi recebida a intenção do Governo em encerrar a instituição.

Caixa de Previdência e Abono de Família dos Jornalistas«A Caixa de Previdência e Abono de Família dos Jornalistas (CPAFJ) faz parte do património dos jornalistas, não como um privilégio de classe, mas como um patamar de qualidade e de direitos que, não sendo o melhor que se poderia desejar, deveria constituir uma referência para todos os trabalhadores, pois a qualidade no apoio social e na saúde deve nivelar-se sempre por cima e nunca por baixo.
...
A CPAFJ tem constituído, há décadas, um factor de coesão, estabilidade e estímulo para uma classe que desempenha um papel social insubstituível.
...
O facto de os jornalistas disporem de um subsistema de Saúde significa que o Estado tem em conta, há décadas, as especificidades da nossa profissão, designadamente jornadas intensas e prolongadas e informalidade de horários, com fortes impactos na saúde e na qualidade de vida destes profissionais, como demonstra a significativa prevalência de stress e de doenças do foro cardíaco, desgaste rápido e até morte precoce. Esta situação agravou-se nos últimos anos, com a crescente precariedade, um extraordinário aumento dos níveis de exigência, polivalência e de disponibilidade.
»

Pimenta nos olhos dos outros é refresco...
Veremos se Sócrates sacrifica o prolongado estado de graça às "especificidades" desta mui nobre e leal profissão.

Peliteiro,   às  23:22
1  Comentários pertinentes e devidamente fundamentados          Enviar este texto por mail:

 

 

 

ARQUIVOS

Maio 2003      Junho 2003      Julho 2003      Agosto 2003      Setembro 2003      Outubro 2003      Novembro 2003      Dezembro 2003      Janeiro 2004      Fevereiro 2004      Março 2004      Abril 2004      Maio 2004      Junho 2004      Julho 2004      Agosto 2004      Setembro 2004      Outubro 2004      Novembro 2004      Dezembro 2004      Janeiro 2005      Fevereiro 2005      Março 2005      Abril 2005      Maio 2005      Junho 2005      Julho 2005      Agosto 2005      Setembro 2005      Outubro 2005      Novembro 2005      Dezembro 2005      Janeiro 2006      Fevereiro 2006      Março 2006      Abril 2006      Maio 2006      Junho 2006      Julho 2006      Agosto 2006      Setembro 2006      Outubro 2006      Novembro 2006      Dezembro 2006      Janeiro 2007      Fevereiro 2007      Março 2007      Abril 2007      Maio 2007      Junho 2007      Julho 2007      Agosto 2007      Setembro 2007      Outubro 2007      Novembro 2007      Dezembro 2007      Janeiro 2008      Fevereiro 2008      Março 2008      Abril 2008      Maio 2008      Junho 2008      Julho 2008      Agosto 2008      Setembro 2008      Outubro 2008      Novembro 2008      Dezembro 2008      Janeiro 2009      Fevereiro 2009      Março 2009      Abril 2009      Maio 2009      Junho 2009      Julho 2009      Agosto 2009      Setembro 2009      Outubro 2009      Novembro 2009      Dezembro 2009      Janeiro 2010      Fevereiro 2010      Março 2010      Abril 2010      Maio 2010      Junho 2010      Julho 2010      Agosto 2010      Setembro 2010      Outubro 2010      Novembro 2010      Dezembro 2010      Janeiro 2011      Fevereiro 2011      Março 2011      Abril 2011      Maio 2011      Junho 2011      Julho 2011      Agosto 2011      Setembro 2011      Outubro 2011      Novembro 2011      Dezembro 2011      Janeiro 2012      Fevereiro 2012      Março 2012      Abril 2012      Maio 2012      Junho 2012      Julho 2012      Agosto 2012      Setembro 2012      Outubro 2012      Novembro 2012      Dezembro 2012      Janeiro 2013      Fevereiro 2013      Março 2013      Abril 2013      Maio 2013      Junho 2013      Julho 2013      Agosto 2013      Setembro 2013      Outubro 2013      Novembro 2013      Dezembro 2013      Janeiro 2014      Fevereiro 2014      Março 2014      Abril 2014      Maio 2014      Junho 2014      Julho 2014      Setembro 2014      Outubro 2014      Novembro 2014      Dezembro 2014      Janeiro 2015      Fevereiro 2015      Março 2015      Abril 2015      Maio 2015      Junho 2015      Julho 2015      Agosto 2015      Setembro 2015      Outubro 2015      Novembro 2015      Dezembro 2015      Janeiro 2016      Fevereiro 2016      Março 2016      Abril 2016      Junho 2016      Julho 2016      Agosto 2016      Setembro 2016      Outubro 2016      Novembro 2016      Dezembro 2016      Janeiro 2017      Fevereiro 2017      Março 2017      Maio 2017     

 

Perfil de J. Soares Peliteiro
J. Soares Peliteiro's Facebook Profile

 


Directórios de Blogues:


Os mais lidos


Add to Google

 

 

Contactos e perfil do autor

 

 

Portugal
Portuguese flag

Blogues favoritos:


Machado JA

Sezures

Culinária daqui e d'ali

Gravidade intermédia

Do Portugal profundo

Abrupto

Mar Salgado

ALLCARE-management

Entre coutos e coutadas

Médico explica

Pharmacia de serviço

Farmácia Central

Blasfémias

31 da Armada

Câmara Corporativa

O insurgente

Forte Apache

Peopleware

ma-shamba



Ligações:

D. G. Saúde

Portal da Saúde

EMEA

O M S

F D A

C D C

Nature

Science

The Lancet

National library medicine US

A N F

Universidade de Coimbra


Farmacêuticos sem fronteiras

Farmacêuticos mundi


This page is powered by Blogger. Isn't yours?

Creative Commons License
Licença Creative Commons.