<$BlogRSDUrl$> Impressões de um Boticário de Província
lTradutor Translator
Amanita muscaria

Impressões de um Boticário de Província

Desde 2003


segunda-feira, 5 de fevereiro de 2007

Basto eu ! 

Conta a lenda - para explicar a denominação das terras de Basto, a coragem e a honradez das suas gentes - que ao aproximar dos Mouros, comandados por Tarik, D. Gelmiro postado junto à ponte que dava acesso ao Mosteiro de S. Miguel de Refojos, estendeu a mão possante assegurando: «Até ali, por S. Miguel, até ali Basto eu». E bastou! Três vezes arremeteram os Mouros, três vezes foram repelidos.




São recorrentes as notícias dando conta dos milhões que desperdiçamos - poluindo - em medicamentos.

Uma parte deste desperdício é inevitável e inerente ao uso, à adesão, ao sucesso ou insucesso das terapias.
Outra grande parte é desperdício evitável. Facilmente evitável!

E como?
Não recorrendo ao processo obsoleto, caro, pouco seguro e higiénico (mas populista) da dispensa em unidose.
Recorrendo simplesmente ao dimensionamento das embalagens, adequando-as aos fins terapêuticos a que se destinam. Fácil.
Fácil sobretudo porque boa parte dessa tarefa está há muito realizada, existindo autorizações de introdução no mercado (AIM) para embalagens de 1, 2, 3, 7, 14... unidades.

O problema é que as presentações estão registadas mas não são utilizadas!

Estão registadas, não são utilizadas, a culpa morre solteira e temos então uma clássica pescadinha de rabo na boca: no início do ciclo diz-se que não se produz porque não há procura; no fim do ciclo diz-se que não se prescreve porque não estão no mercado. Isto há anos!

Pois houvesse vontade política.
Basto eu para resolver o problema, para poupar milhões ao erário público e aos bolsos dos doentes, para diminuir os custos de tratamentos dos resíduos e da contaminação do ambiente. Basto eu ou outro meco qualquer que conheça o circuito dos medicamentos e os medicamentos.
Apenas com as estruturas e os meios actualmente disponíveis e com a autoridade necessária para fiscalizar e punir.

O ciclo do medicamento está completamente documentado e quase completamente informatizado.
É possível saber em qualquer momento se determinada apresentação de um medicamento é ou não produzida pela Indústria, se é ou não aprovisionada pelo Distribuidor, se é ou não aprovisionada e dispensada pela Farmácia, se é ou não prescrita pelo médico; e vice-versa.
Não acredito na bondade do sistema em todo este circuito; ele deve ser fiscalizado e os prevaricadores devem ser severamente punidos.

Enquanto tal não se fizer, a espaços, teremos reportagens com as anteriores e resultados de estudos proibidos pelo Ministério da Saúde ocultando a feia e velha realidade.

Etiquetas:


Peliteiro,   às  22:22

Comentários:

 

Excelente.
Este blog e o "que raio de saúde a nossa" são o que de melhor se pode ler sobre saúde em Portugal.

Um par de blogs íntegros.

Um par de bofetadas na mediocridade mal disfarçada dessa intelectualite promíscua que nos governa.

 

 

 

Obrigado
# por Blogger Mário de Sá Peliteiro : segunda-feira, fevereiro 05, 2007

 

 

 

Saudações caro Mario Sa Peliteiro,

Hoje dei ca um saltinho para saber a sua opinião sobre a condecoração do ex-PGR. Esperava também encontrar algum post sobre os 5 milhoes do Alberto Joao para democratizar o imprensa madeirense...

Mas hoje o tema é Saude!
Já agora um grande apoio ás UNIDOSES!!! Era um proveito economico, ambiental e de saude publica!

Volto cá então para saber a sua opinião sobre os temas supracitados!
# por Anonymous vasco boga duarte : terça-feira, fevereiro 06, 2007

 

 

 

Tocas ao de leve no grande problema de Portugal, que não é saúde, educação ou o aborto, mas sim a "merda" da justiça que temos.

A velha situação nacional, tudo é proibido mas tudo é permitido, há legislação para tudo, mas não se cumpre e por isso temos um Médico que prescreve um medicamento em absurdo, um Farmacêutico que mete no sistema facturas falsas, um Autarca que faz favores a Empreiteiros, uma Escola que resolve exames nacionais no quadro, um Engenheiro que entrega processos na câmara que depois constroe (ou valida) algo diferente, um Juiz, que sobre um determinado assunto, hoje decide uma coisa e amanhã decide ao contrario, etc. etc.

Claro que estas situações não são a generalidade, nem de longe nem de perto, mas são as "maças podres" que contaminam as restantes, e só com um sistema de justiça verdadeiramente eficaz se pode fazer essa segregação e apuramento da verdade.

Mas o que também não deixa de ser curioso, é a postura de nós todos que quando vemos um caso a ser abordado/investigado, e tendo nós alguma admiração pela pessoa em causa, questionar o porquê de ser ele com a tradicional pergunta. Se há tantos, porquê ele?

Falava eu, com um amigo de Braga este fim-de-semana, sobre o caso Bragaparques e dizia ele, só está este caso a ser investigado porque é uma empresa de braga, se fosse de Lisboa não se passava nada... Este é o "nosso" sentimento em vez de "que bom já está a ser uma investigada, esperemos que não fique por aqui".

P.S. Só mais uma coisa e "como anda o processo do acordo de regime entre o PS e o PSD" não tem sido falado. Será que acordaram não fazer nada?...
# por Blogger Nuno Pimentel : terça-feira, fevereiro 06, 2007

 

 

 

Esta Quarta feira à noite, dia 07 Fevereiro às 21.30 horas, no bar Plastic (Av. dos Descobrimentos - Porto de Pesca) não faltem a uma conversa descontraída com os escritores Rui Zink e Inês Pedrosa, a propósito do referendo à IVG.

http://cidadaniapelosim.pvz.googlepages.com/
# por Anonymous Anónimo : terça-feira, fevereiro 06, 2007

 

 

 

Caro MSP
O sistema de "unidose" (utilizado há já alguns anos nas instituições hospitalares) significa (como bem o sabe)o fornecimento pelas farmácias hospitalares de medicação diária, "individualizada" ao doente e à patologia ou patologias em tratamento.
Em regime ambulatório, não é aplicável o conceito de fornecimento diário mas será de todo o interesse que a quantidade a dispensar ao doente (e que ele e o Estado irão pagar) seja a adequada e a suficiente para completar o tratamento.

Se o sistema a adoptar deve ser pelo dispensar duma embalagem previamente adequada pela indústria farmaceutica ou pela "contagem", a realizar pelo Farmaceutico, do número de doses necessárias para o efeito, opte-se pela mais "segura e higiénica" como bem refere.

Mas como também diz quer com um sistema ou com o outro sempre "haverá peritos em lhes dar a volta".

Quantas vezes se esgotam, nas Farmácias, as embalagens pequenas...
Um abraço.
# por Blogger J.F : quarta-feira, fevereiro 07, 2007

 

 

 

Esgotam-se tantas vezes quanto se esgotarão as "unidoses".

Esgotam-se, quase, tantas vezes quantas as vezes que se esgotam nos distribuidores e nos produtores, alegadamente por escassez de procura do mercado. O quase entre vírgulas porque não descarto a parte da "culpa" das Farmácias.

E para si, qual dos intervenientes (indústria, distribuidores, farmácias, médicos) tem a maior fatia de "culpa" na pescadinha de rabo na boca?
# por Blogger Mário de Sá Peliteiro : quinta-feira, fevereiro 08, 2007

 

 

 

Caro MSP
Sem querer defender nenhuma das "damas" parece-me que nenhuma "desculpa" de se ter esgotado o stock (por parte das farmácias), de não fornecimento atempado (por parte das distribuidoras) ou de não compensação económica a sua produção (por parte da indústria) terá razão de existir se competir ao prescritor (médico) a indicação da posologia, frequência e tempo de tratamento e ao dispensador (Farmacêutico) o dispensar ao doente a quantidade, por ex. de “blisters” ou de fracção destes para completar o tratamento preconizado.
“Vida mais facilitada” teria com este sistema o prescritor.
Mais complicada o dispensador…

Se acompanhado da necessária bula e da inviolabilidade do medicamento em “blister”, não vejo onde possa existir falta de segurança ou de higiene.

Mas acima de tudo, independentemente do método, o que mais faz sentido é o fornecimento da quantidade de medicamento estritamente necessária (ou perto da estritamente necessária), para bem do doente e dos gastos/desperdícios… e neste aspecto, modéstia à parte, o médico tem a principal responsabilidade…
Um abraço.
# por Blogger J.F : quinta-feira, fevereiro 08, 2007

 

 

 

Desculpe a demora na resposta mas tive uns dias muito atarefados.

Talvez estejamos a argumentar com base em modelos de unidose diferentes.
É claro que «o médico tem a principal responsabilidade no fornecimento da quantidade de medicamento estritamente necessária (ou perto da estritamente necessária)». Não tenha medo que lhes retirem responsabilidades. Escusa de dizer "modéstia à parte", eu diria mesmo que têm TODA a responsabilidade.
Repare que não sou completamente contra o sistema "unidose", aliás uma das vantagens que antevejo é a de imputar TODA a responsabilidade a um só interveniente no processo.

O que eu digo é que a unidose seria desnecessária num sistema onde houvesse controlo, onde a responsabilidade pelo desperdício fosse vigiada e punida. Tanto mais que a unidose tem desvantagens: higiene (inferior claro se as formas farmacêuticas de base forem fornecidas em embalagens primárias e não em granel; mesmo assim, se visitar uma fábrica de medicamentos vê que a embalagem secundária é efectuada em ambiente controlado e asséptico, como mandam as GMP), segurança (maior taxa de erros de dispensa na farmácia, maior taxa de erros na toma pelo doente, maior facilidade de contrafacção, de controlo de PV...) e preço (o fraccionamento manual é mais caro que o automático, em série). Por outro lado a sua implementação será necessariamente demorada, teremos que aguardar portarias e despachos respectivos. Ainda, não é seguro que as receitas continuem a fazer "ricochete" - é que o sistema além de ser teoricamente eficaz terá que ser na prática eficiente, ou seja, exemplificando, muito terra a terra: se espera que eu abra uma caixa de 60 comprimidos de Solexa (no que presumo ser o seu sistema) que custa 56 euros para vender 2 cáps. por 2 euros e ficar à espera que vença o PV (multiplicando isto por milhares e milhares de referências, genéricos e genéricos de genéricos)... Bom, eu assumo já que não o faria. E julgo que se compreende.

Tudo isto para dizer o quê, que o desperdício tem que ser combatido, que tem que haver responsabilização, fiscalização e punição, que o sistema das embalagens reduzidas é o ideal, haja vontade política, que esta história das unidoses é areia para os nossos olhos.


Parabéns pelo blogue. Está cada vez melhor. Havemos de pensar numa fusão, agora que cada vez mais big is beautiful.
# por Blogger Mário de Sá Peliteiro : quarta-feira, fevereiro 14, 2007

 

 

Enviar um comentário


 

 

 

ARQUIVOS

Maio 2003      Junho 2003      Julho 2003      Agosto 2003      Setembro 2003      Outubro 2003      Novembro 2003      Dezembro 2003      Janeiro 2004      Fevereiro 2004      Março 2004      Abril 2004      Maio 2004      Junho 2004      Julho 2004      Agosto 2004      Setembro 2004      Outubro 2004      Novembro 2004      Dezembro 2004      Janeiro 2005      Fevereiro 2005      Março 2005      Abril 2005      Maio 2005      Junho 2005      Julho 2005      Agosto 2005      Setembro 2005      Outubro 2005      Novembro 2005      Dezembro 2005      Janeiro 2006      Fevereiro 2006      Março 2006      Abril 2006      Maio 2006      Junho 2006      Julho 2006      Agosto 2006      Setembro 2006      Outubro 2006      Novembro 2006      Dezembro 2006      Janeiro 2007      Fevereiro 2007      Março 2007      Abril 2007      Maio 2007      Junho 2007      Julho 2007      Agosto 2007      Setembro 2007      Outubro 2007      Novembro 2007      Dezembro 2007      Janeiro 2008      Fevereiro 2008      Março 2008      Abril 2008      Maio 2008      Junho 2008      Julho 2008      Agosto 2008      Setembro 2008      Outubro 2008      Novembro 2008      Dezembro 2008      Janeiro 2009      Fevereiro 2009      Março 2009      Abril 2009      Maio 2009      Junho 2009      Julho 2009      Agosto 2009      Setembro 2009      Outubro 2009      Novembro 2009      Dezembro 2009      Janeiro 2010      Fevereiro 2010      Março 2010      Abril 2010      Maio 2010      Junho 2010      Julho 2010      Agosto 2010      Setembro 2010      Outubro 2010      Novembro 2010      Dezembro 2010      Janeiro 2011      Fevereiro 2011      Março 2011      Abril 2011      Maio 2011      Junho 2011      Julho 2011      Agosto 2011      Setembro 2011      Outubro 2011      Novembro 2011      Dezembro 2011      Janeiro 2012      Fevereiro 2012      Março 2012      Abril 2012      Maio 2012      Junho 2012      Julho 2012      Agosto 2012      Setembro 2012      Outubro 2012      Novembro 2012      Dezembro 2012      Janeiro 2013      Fevereiro 2013      Março 2013      Abril 2013      Maio 2013      Junho 2013      Julho 2013      Agosto 2013      Setembro 2013      Outubro 2013      Novembro 2013      Dezembro 2013      Janeiro 2014      Fevereiro 2014      Março 2014      Abril 2014      Maio 2014      Junho 2014      Julho 2014      Setembro 2014      Outubro 2014      Novembro 2014      Dezembro 2014      Janeiro 2015      Fevereiro 2015      Março 2015      Abril 2015      Maio 2015      Junho 2015      Julho 2015      Agosto 2015      Setembro 2015      Outubro 2015      Novembro 2015      Dezembro 2015      Janeiro 2016      Fevereiro 2016      Março 2016      Abril 2016      Junho 2016      Julho 2016      Agosto 2016      Setembro 2016      Outubro 2016      Novembro 2016      Dezembro 2016      Janeiro 2017      Fevereiro 2017      Março 2017      Maio 2017      Setembro 2017      Outubro 2017      Dezembro 2017     

 

Perfil de J. Soares Peliteiro
J. Soares Peliteiro's Facebook Profile

 


Directórios de Blogues:


Os mais lidos


Add to Google

 

 

Contactos e perfil do autor

 

 

Portugal
Portuguese flag

Blogues favoritos:


Machado JA

Sezures

Culinária daqui e d'ali

Gravidade intermédia

Do Portugal profundo

Abrupto

Mar Salgado

ALLCARE-management

Entre coutos e coutadas

Médico explica

Pharmacia de serviço

Farmácia Central

Blasfémias

31 da Armada

Câmara Corporativa

O insurgente

Forte Apache

Peopleware

ma-shamba



Ligações:

D. G. Saúde

Portal da Saúde

EMEA

O M S

F D A

C D C

Nature

Science

The Lancet

National library medicine US

A N F

Universidade de Coimbra


Farmacêuticos sem fronteiras

Farmacêuticos mundi


This page is powered by Blogger. Isn't yours?

Creative Commons License
Licença Creative Commons.