<$BlogRSDUrl$> Impressões de um Boticário de Província
lTradutor Translator
Amanita muscaria

Impressões de um Boticário de Província

Desde 2003


terça-feira, 15 de novembro de 2011

Punheta de bacalhau genérico 

O Pós e Contras de ontem - ver aqui e aqui - brindou-nos com magníficos momentos científicos, tais como a brilhante explicação da superioridade dos medicamentos de marca sobre os genéricos através da descrição - sempre entremeada pelo repúdio à teoria, à moda do Bruxo de Fafe - da diferença entre bacalhau à Braz e punheta de bacalhau.
O programa procurou promover uma luta de galos entre o B.O.F e o B.O.M. e, na minha opinião, o primeiro, Maurício Barbosa, estava claramente melhor preparado e foi mais mais assertivo e convincente - aliás como seria de esperar, ou não fossem os farmacêuticos quem mais obrigação têm de saber de medicamentos.

Procurando ser isento - não vivo de medicamentos - concluí, uma vez mais, que esta estafada discussão se resume a uma luta de estatuto, poder, dinheiro e privilégios. O povo perceberá facilmente isto.

Peliteiro,   às  14:22

Comentários:

 

Devia ter ido para cozinheira a dita senhora do bacalhau. É que sobre fabrico de medicamentos sabe zero. Mas ainda bem que falou, ao menos demonstrou o quão (pouco) sabe a generalidade dos médicos sobre a tecnologia do medicamento. E também não têm de saber.

 

 

 

O Prós e Contras de ontem (que só consegui ver parcialmente) foi um penoso exercício de auto-flagelação. O bastonário da Ordem dos Médicos (BOM) expôs-se numa guerra que não poderia ganhar e da qual só poderia sair ferido. Mostrou falta de solidez científica, alguma desonestidade intelectual e não conseguiu descolar da imagem de associação aos interesses da indústria farmacêutica (IF). O bastonário da Ordem dos Farmacêuticos (BOF) aproveitou o tempo de antena para reivindicar uma medida que quando for aplicada será economicamente ruinosa para as farmácias, mostrou falta de urbanidade na forma pouco educada como conduziu o debate e reduziu os farmacêuticos, mais uma vez, a um grupo de profissionais essencialmente orientados para o lucro (pois todos sabem que os genéricos proporcionam margens muito superiores às dos restantes medicamentos - e a possibilidade de escolher o genérico ainda aumenta mais essa possibilidade).
No fundo, o BOM e o BOF perderam uma excelente oportunidade para estarem calados. Aliás, basta um olhar rápido pelo Facebook do Prós e Contras para perceber que, com a excepção dos comentários clubísticos, há um sentimento quase unânime de reprovação do triste espectáculo de ontem.
Ainda está para chegar o primeiro debate sobre genéricos que não me deixa irritado. Há apenas uma questão de base e à qual ainda ninguém me deu uma boa resposta: faz algum sentido exigirmos à IF níveis de rigor e modernização tecnológica elevadíssimos para no final dizermos que uma variação de 80% a 125% é perfeitamente aceitável e clinicamente irrelevante? Mesmo que o seja, não faz.
# por Anonymous Vladimiro Jorge Silva : terça-feira, novembro 15, 2011

 

 

 

Tudo inútil !
Os leigos só perceberam que se deve desconfiar dos genéricos.
Foi um bom serviço prestado ao país!
Para os farmacêuticos não serem acusados insidiosamente de "negócios" só há uma solução: Taxa fixa por cada receita.
Ao fim do mês contadas as receitas, entregar ao estado o excedente, (se houver) como o iva!
--Leigo--
# por Anonymous Anónimo : terça-feira, novembro 15, 2011

 

 

 

O Saul é que tinha razão. O bacalhau quer'alho.
# por Anonymous Anónimo : terça-feira, novembro 15, 2011

 

 

 

Com a liberalização adiada (não passa de 2013), as farmácias ganham folego com os genéricos.
# por Anonymous Anónimo : terça-feira, novembro 15, 2011

 

 

 

Não sejam Toinos!!!
Os genéricos, a sério,no futuro; não benificiarão as farmãcias.
Batam-se antes por medidas realistas como a remuneração das receitas sem olhar ao preço dos medicamentos!
Os médicos só são remunerados por consulta e não pelo número de doenças do doente,(às três pancadas,é certo, mas o médico é um ser superior dono da saúde de todos nós).
Abram os olhos.
O futuro não se compadeçe com capelinhas!
# por Anonymous Anónimo : terça-feira, novembro 15, 2011

 

 

 

«As 1001 maneiras de cozinhar bacalhau

No “Prós e Contras” dedicado à prescrição por denominação comum internacional, em vez do doente, o bacalhau veio a revelar-se o verdadeiro centro das atenções

Quem teve oportunidade de ver o debate não ficou certamente indiferente às declarações da Dr.a Teresa Rodrigues, médica internista, comparando medicamentos com “bacalhau à Brás”. A alguns pode ter feito crescer água na boca. A mim, ver uma profissional de saúde, com responsabilidades na adequada educação da população, fazer este tipo de comparação tirou-me o apetite.
Em circunstâncias normais, esta comparação seria, no mínimo, irresponsável. Tendo em conta o actual estado do país e das carteiras dos doentes que têm de escolher os medicamentos que podem comprar na farmácia, a declaração de que um medicamento de marca é feito com “ovos caseiros” e “batatinhas portuguesas” e um medicamento genérico é feito com “ovos em pó” e “batatas de supermercado” é criminosa.
Já o disse anteriormente e repito-o. Os medicamentos genéricos têm qualidade, são eficazes e são seguros. Em suma, são bons. Tão bons como os medicamentos “de marca”. A saúde não se compadece com “ovos em pó”. As autoridades de saúde nacionais e internacionais assim o garantem.
Pôr em causa a idoneidade e o funcionamento destas autoridades foi também prato do dia. Não deixa de ser interessante que se alegue que a relação médico-doente não pode ser questionada, mas acusar o Infarmed de não cumprir a sua missão de protecção da saúde do cidadão já se pode.
Permitam-me fazer aqui uma declaração eventualmente polémica: o doente não é de ninguém. O doente é de si próprio e merece que lhe reconheçamos o direito de decisão. Após ter sido devidamente informado. Por todos os profissionais de saúde em uníssono. Ou pelo menos por quem saiba a diferença entre medicamentos e alimentos.
Os médicos precisam de formação e deve ser o seu empregador (na maior parte dos casos o SNS) a providenciar os meios para que se cumpra este seu mais que legítimo direito. Caso contrário, o Estado demite-se de um dever e arcamos todos nós com as consequências.
Não é altura para mensagens contraditórias em relação à qualidade dos medicamentos – genéricos ou de marca. A legislação que prevê a prescrição por DCI tem claras vantagens, nomeadamente económicas. A despesa com medicamentos nas farmácias da Região Autónoma da Madeira baixou 40,5% em Setembro face ao mesmo mês de 2010, após aprovação de legislação semelhante.
Também envolve riscos, é certo. A duplicação da toma de medicamentos por terem caixas e formas diferentes é um deles. Já com a legislação actual acontece. Há que reconhecê-lo e adoptar estratégias integradas de redução dos riscos já identificados.
Façamo-lo, mas não tenhamos quaisquer dúvidas: o país e os doentes precisam de poupar para ter pão para a boca.
# por Anonymous Ema Paulino : quinta-feira, novembro 17, 2011

 

 

Enviar um comentário


 

 

 

ARQUIVOS

Maio 2003      Junho 2003      Julho 2003      Agosto 2003      Setembro 2003      Outubro 2003      Novembro 2003      Dezembro 2003      Janeiro 2004      Fevereiro 2004      Março 2004      Abril 2004      Maio 2004      Junho 2004      Julho 2004      Agosto 2004      Setembro 2004      Outubro 2004      Novembro 2004      Dezembro 2004      Janeiro 2005      Fevereiro 2005      Março 2005      Abril 2005      Maio 2005      Junho 2005      Julho 2005      Agosto 2005      Setembro 2005      Outubro 2005      Novembro 2005      Dezembro 2005      Janeiro 2006      Fevereiro 2006      Março 2006      Abril 2006      Maio 2006      Junho 2006      Julho 2006      Agosto 2006      Setembro 2006      Outubro 2006      Novembro 2006      Dezembro 2006      Janeiro 2007      Fevereiro 2007      Março 2007      Abril 2007      Maio 2007      Junho 2007      Julho 2007      Agosto 2007      Setembro 2007      Outubro 2007      Novembro 2007      Dezembro 2007      Janeiro 2008      Fevereiro 2008      Março 2008      Abril 2008      Maio 2008      Junho 2008      Julho 2008      Agosto 2008      Setembro 2008      Outubro 2008      Novembro 2008      Dezembro 2008      Janeiro 2009      Fevereiro 2009      Março 2009      Abril 2009      Maio 2009      Junho 2009      Julho 2009      Agosto 2009      Setembro 2009      Outubro 2009      Novembro 2009      Dezembro 2009      Janeiro 2010      Fevereiro 2010      Março 2010      Abril 2010      Maio 2010      Junho 2010      Julho 2010      Agosto 2010      Setembro 2010      Outubro 2010      Novembro 2010      Dezembro 2010      Janeiro 2011      Fevereiro 2011      Março 2011      Abril 2011      Maio 2011      Junho 2011      Julho 2011      Agosto 2011      Setembro 2011      Outubro 2011      Novembro 2011      Dezembro 2011      Janeiro 2012      Fevereiro 2012      Março 2012      Abril 2012      Maio 2012      Junho 2012      Julho 2012      Agosto 2012      Setembro 2012      Outubro 2012      Novembro 2012      Dezembro 2012      Janeiro 2013      Fevereiro 2013      Março 2013      Abril 2013      Maio 2013      Junho 2013      Julho 2013      Agosto 2013      Setembro 2013      Outubro 2013      Novembro 2013      Dezembro 2013      Janeiro 2014      Fevereiro 2014      Março 2014      Abril 2014      Maio 2014      Junho 2014      Julho 2014      Setembro 2014      Outubro 2014      Novembro 2014      Dezembro 2014      Janeiro 2015      Fevereiro 2015      Março 2015      Abril 2015      Maio 2015      Junho 2015      Julho 2015      Agosto 2015      Setembro 2015      Outubro 2015      Novembro 2015      Dezembro 2015      Janeiro 2016      Fevereiro 2016      Março 2016      Abril 2016      Junho 2016      Julho 2016      Agosto 2016      Setembro 2016      Outubro 2016      Novembro 2016      Dezembro 2016      Janeiro 2017      Fevereiro 2017      Março 2017      Maio 2017     

 

Perfil de J. Soares Peliteiro
J. Soares Peliteiro's Facebook Profile

 


Directórios de Blogues:


Os mais lidos


Add to Google

 

 

Contactos e perfil do autor

 

 

Portugal
Portuguese flag

Blogues favoritos:


Machado JA

Sezures

Culinária daqui e d'ali

Gravidade intermédia

Do Portugal profundo

Abrupto

Mar Salgado

ALLCARE-management

Entre coutos e coutadas

Médico explica

Pharmacia de serviço

Farmácia Central

Blasfémias

31 da Armada

Câmara Corporativa

O insurgente

Forte Apache

Peopleware

ma-shamba



Ligações:

D. G. Saúde

Portal da Saúde

EMEA

O M S

F D A

C D C

Nature

Science

The Lancet

National library medicine US

A N F

Universidade de Coimbra


Farmacêuticos sem fronteiras

Farmacêuticos mundi


This page is powered by Blogger. Isn't yours?

Creative Commons License
Licença Creative Commons.