<$BlogRSDUrl$> Impressões de um Boticário de Província
lTradutor Translator
Amanita muscaria

Impressões de um Boticário de Província

Desde 2003


quinta-feira, 28 de dezembro de 2006

Iguais a nascer, iguais a morrer 

Tenho escrito que três atributos definem bem o executivo da Câmara da Póvoa: são parolos e autoritáriozinhos. Esta notícia demonstra bem isto :

Novo cemitério da Póvoa de Varzim muda paradigma no culto dos mortos
Câmara impõe minimalismo estético, com jazigos estilizados para acabar com "decorações excessivas", assume o vereador
O novo cemitério municipal vai provocar uma alteração radical à forma como os habitantes da Póvoa de Varzim manifestam o seu culto pelos mortos, uma vez que os jazigos vão deixar de ser decorados de acordo com o gosto dos familiares do falecido. Por imposição da câmara, todos serão cobertos de forma idêntica "estilizada" - uma lápide com a menção ao morto e um jarro para flores - variando apenas a possibilidade, para os enterramentos católicos, de ser colocada uma cruz à cabeceira.

Quem passa no IC1/A28 depara, a nascente da via, e já bem perto do acesso à cidade, com um novo espaço pontuado de lajes de pedra entre espaços verdes, um sóbrio edifício de apoio e algumas árvores à espera de crescer. Um olhar mais atento permite adivinhar um cemitério.
O vereador com o pelouro das Obras Municipais, Aires Pereira, explicou ao PÚBLICO que o conceito que a autarquia quis que estivesse presente no novo equipamento foi baseado numa frase: «Iguais a nascer, iguais a morrer». A partir deste pressuposto, o desenho do espaço teve em conta a «sobriedade que um cemitério deve ter», defende Aires Pereira, que, no entanto, tem consciência de que a exigência da câmara quanto ao tipo de decoração poderá, no início, gerar alguma controvérsia. O autarca está convencido, porém, que «as pessoas vão compreender o alcance» da medida, até porque, no cemitério actual, há casos de ocupação excessiva do topo das campas com artefactos de todas as cores e feitios.
Aires Pereira adiantou que o grosso do empreendimento (nesta primeira fase), que custou 1,9 milhões de euros, «está pronto», devendo entrar em funcionamento no início de Fevereiro. Até lá, serão completadas as áreas ajardinadas e um espelho de água, colocados bancos e iluminação apropriada, peças que «são essenciais» para fazer do espaço um «local de recolhimento e de reflexão, para além da sua função natural», os enterramentos.»


Helena Matos, diz bem:
Esta notícia do caderno Local Lisboa do PÚBLICO é um caso que merece estudo. Em primeiro lugar temos aquela extraordinária presunção de que o culto dos morto muda por disposição camarária, em segundo o ódio aos gostos populares e em terceiro esta totalitarissima concepção da vida e da morte. De facto não somos iguais, não temos gostos iguais, não temos vidas iguais. Existem campas que são verdadeiros festivais de quinquilharia, existem campas abandonadas, existem campas com inscrições extraordinárias, existem jazigos lindissimos e outros horrendos... Mas tudo será melhor do que esta visão tipo «Querido Líder» de como nos devemos comportar. Também vão medir as lágrimas? Os choros? O número de acompanhantes? As flores?... Enfim se é para se ser rigorosamente igual há que pensar em tudo.

João Miranda remata assim:
A interferência do estado na forma como as pessoas tratam os seus mortos começou com a Maria da Fonte.

Peliteiro,   às  14:10

Comentários:

 

Caro Boticário,

Fico curioso em saber qual o terceiro «atributo», para além de «parolos» e «autoritariozinhos», com que V. mimoseia o actual Executivo poveiro.

Esta notícia dá mais uma ideia do grande déficit de comunicação existente na Câmara. Com os munícipes, naturalmente. E de alguma falta de hábito na transmissão de ideias cá para fora. Daí as blagues. Esta do «iguais a nascer...» é apenas mais uma a juntar a um imenso rol. Relembra uma outra de Aires Pereira, no Verão passado. Quando, ante os protestos do excesso de bytes fora-de-horas das festarolas camarárias, respondeu que quem não gostásse deveria procurar outro destino para férias. Portanto, em matéria de comunicação, o melhor será o actual Executivo contratar um gago.

Já estou de acordo quanto à necessidade de uma menor exuberância nos cemiterios, que não apenas na Póvoa de Varzim. Prezo as diferenças, como outras coisas, mas prioritariamente em vida. No resto, já tenho as minhas dúvidas. Principalmente quando, ao velar pelos meus, dou com um Pai Natal a subir a cabeceira da sepultura vizinha...

 

 

 

Caro Boticário,

Confesso que do ponto de vista do gosto pessoal me apaixona a ideia dos cemitérios tal como são propostos pela câmara da Póvoa.
Mas admito outros gostos!
# por Anonymous Anónimo : sábado, dezembro 30, 2006

 

 

 

De facto a única revolução genuinamente popular ( embora alguns digam que foi obra subversiva do clero)soi a da Póvoa de Lanhoso com a Patuleia. uma revolta "espontãnea" liderada Por Maria da Fonte - e cujo rastilho se iniciou com aproibição de enterrar os mortos nas igrejas...

A questão dos cemitérios e o "culto aos mortos" tem muito que se diga...No que refere à regulamentação dos cemitérios creio que as Juntas de freguesia e a Câmara da Póvoa está a ir longe de mais... Claro que já não estamos na época da Patuleia, mas exigir uma certa arquitectónica, que tem por base não o interesse geral mas o sistema construtivo instalado ( incluindo os Patos bravos) , onde prolifera o cinzentismo ( vulgarmente conhecido por Formiga Branca - ou o lobby da construção)... e da venda de materiais "well made and with mesure" (marmores, granitos, etc...) em detrimento de outros materiais e objectos decorativos de menor custo e melhor gosto, e de mão de obra bem mais popular e criativa...A título de exemplo recomendo aos interessados avizitarem cemitérios antigos e vejam as maravilhas que existem em "ferro forjado" obras de "cantaria" em "estuque" e até em ciment, e diversas outras pedras portuguesas...
# por Blogger CÁ FICO : segunda-feira, janeiro 01, 2007

 

 

 

Uma questão, se alguem souber esclarecer : Diz-se que o novo cemitério da Póvoa vai abrir brevemente. Existirão trabalhos nocturnos ? Ou já estará aberto, e pela noite dentro? é que desde há já pelo menos um mês, nas 5 ou 6 vezes que passei na A28, cerca das 24h, toda a iluminação do cemitério estava ligada a 100%. Era um festival de luz, só comparado com os relvados do parque municipal!
# por Anonymous paulo filipe : terça-feira, janeiro 02, 2007

 

 

Enviar um comentário


 

 

 

ARQUIVOS

Maio 2003      Junho 2003      Julho 2003      Agosto 2003      Setembro 2003      Outubro 2003      Novembro 2003      Dezembro 2003      Janeiro 2004      Fevereiro 2004      Março 2004      Abril 2004      Maio 2004      Junho 2004      Julho 2004      Agosto 2004      Setembro 2004      Outubro 2004      Novembro 2004      Dezembro 2004      Janeiro 2005      Fevereiro 2005      Março 2005      Abril 2005      Maio 2005      Junho 2005      Julho 2005      Agosto 2005      Setembro 2005      Outubro 2005      Novembro 2005      Dezembro 2005      Janeiro 2006      Fevereiro 2006      Março 2006      Abril 2006      Maio 2006      Junho 2006      Julho 2006      Agosto 2006      Setembro 2006      Outubro 2006      Novembro 2006      Dezembro 2006      Janeiro 2007      Fevereiro 2007      Março 2007      Abril 2007      Maio 2007      Junho 2007      Julho 2007      Agosto 2007      Setembro 2007      Outubro 2007      Novembro 2007      Dezembro 2007      Janeiro 2008      Fevereiro 2008      Março 2008      Abril 2008      Maio 2008      Junho 2008      Julho 2008      Agosto 2008      Setembro 2008      Outubro 2008      Novembro 2008      Dezembro 2008      Janeiro 2009      Fevereiro 2009      Março 2009      Abril 2009      Maio 2009      Junho 2009      Julho 2009      Agosto 2009      Setembro 2009      Outubro 2009      Novembro 2009      Dezembro 2009      Janeiro 2010      Fevereiro 2010      Março 2010      Abril 2010      Maio 2010      Junho 2010      Julho 2010      Agosto 2010      Setembro 2010      Outubro 2010      Novembro 2010      Dezembro 2010      Janeiro 2011      Fevereiro 2011      Março 2011      Abril 2011      Maio 2011      Junho 2011      Julho 2011      Agosto 2011      Setembro 2011      Outubro 2011      Novembro 2011      Dezembro 2011      Janeiro 2012      Fevereiro 2012      Março 2012      Abril 2012      Maio 2012      Junho 2012      Julho 2012      Agosto 2012      Setembro 2012      Outubro 2012      Novembro 2012      Dezembro 2012      Janeiro 2013      Fevereiro 2013      Março 2013      Abril 2013      Maio 2013      Junho 2013      Julho 2013      Agosto 2013      Setembro 2013      Outubro 2013      Novembro 2013      Dezembro 2013      Janeiro 2014      Fevereiro 2014      Março 2014      Abril 2014      Maio 2014      Junho 2014      Julho 2014      Setembro 2014      Outubro 2014      Novembro 2014      Dezembro 2014      Janeiro 2015      Fevereiro 2015      Março 2015      Abril 2015      Maio 2015      Junho 2015      Julho 2015      Agosto 2015      Setembro 2015      Outubro 2015      Novembro 2015      Dezembro 2015      Janeiro 2016      Fevereiro 2016      Março 2016      Abril 2016      Junho 2016      Julho 2016      Agosto 2016      Setembro 2016      Outubro 2016      Novembro 2016      Dezembro 2016      Janeiro 2017      Fevereiro 2017      Março 2017      Maio 2017      Setembro 2017      Outubro 2017      Dezembro 2017      Abril 2018      Maio 2018     

 

Perfil de J. Soares Peliteiro
J. Soares Peliteiro's Facebook Profile

 


Directórios de Blogues:


Os mais lidos


Add to Google

 

 

Contactos e perfil do autor

 

 

Portugal
Portuguese flag

Blogues favoritos:


Machado JA

Sezures

Culinária daqui e d'ali

Gravidade intermédia

Do Portugal profundo

Abrupto

Mar Salgado

ALLCARE-management

Entre coutos e coutadas

Médico explica

Pharmacia de serviço

Farmácia Central

Blasfémias

31 da Armada

Câmara Corporativa

O insurgente

Forte Apache

Peopleware

ma-shamba



Ligações:

D. G. Saúde

Portal da Saúde

EMEA

O M S

F D A

C D C

Nature

Science

The Lancet

National library medicine US

A N F

Universidade de Coimbra


Farmacêuticos sem fronteiras

Farmacêuticos mundi


This page is powered by Blogger. Isn't yours?

Creative Commons License
Licença Creative Commons.