<$BlogRSDUrl$> Impressões de um Boticário de Província
lTradutor Translator
Amanita muscaria

Impressões de um Boticário de Província

Desde 2003


quinta-feira, 30 de julho de 2015

Publicidade enganosa 

Desta vez estou de acordo com o habitualmente tendencioso e intelectualmente desonesto Bastonário da Ordem dos Médicos:

«É incrível a publicidade enganosa feita sobre produtos de saúde de venda livre, induzindo a população em gastos desnecessários em suplementos dietéticos e "medicamentos" alternativos cujos alegados efeitos benéficos não têm sustentação científica. A legislação sobre publicidade em Saúde tem de ser mais exigente. As pessoas não podem continuar a ser enganadas por publicidade ‘milagrosa’ e recomendações absurdas.
A falta de controlo de qualidade de muitos desses produtos é um verdadeiro crime económico e de saúde pública, pois não são submetidos ao mesmo rigoroso controlo dos medicamentos. (...)»

Peliteiro,   às  13:28

Comentários:

 

Pois é mas a publicidade a esses "milagrosos" e aos genéricos "de confiança" estão num semelhante patamar de desonestidade.

Mas sim, desta vez acertou no cravo.

 

 

 

Concordo com o bastonário da OM. No entanto ele só acertou no que disse desta vez. E estou certo que uma parte dos colegas que ele representa não concorda com ele. No entanto gostava muito de ter um bastonário da OF que tivesse 1/3 da garra que este tem.
Pelo menos o bastonário da OM defende a profissão e quando o ministério da saúde começa a apertar a torneira ele consegue forçar a que outra torneira se abra.O bastonário da OF anda mais preocupado com assuntos inconsequentes, e deixa a defesa da profissão para um sindicato que não tem representatividade e que é completamente manipulado pela ANF.

Falando como jovem farmacêutico que neste momento trabalha numa farmácia comunitária e tendo em conta a realidade na qual estou inserido, reparo que uma empresa de suplementos alimentares (SILFARMA),entre outras, fez uma propaganda tão grande (segundo consta, oferta de cartões com plafond de algumas superfícies comerciais bem conhecidas, algo semelhante ao caso recente da BIAL) que os médicos simplesmente só passam estes suplementos (talvez por não contarem para o registo de gastos que o médico faz ao prescrever), dizendo aos pacientes que são medicamentos.

Claro que esta situação também interessa ás farmácias porque nestes suplementos trabalham com margens de 27%, 29% até 30% (isto quando não encomendam directamente aos laboratórios... aí andam com margens que por vezes chegam aos 60%). Portanto não vai ser nas farmácias (que cada vez mais têm ao balcão pessoas não qualificadas para realizarem atendimentos*, que só querem é vender e que não têm conhecimentos mínimos de farmacologia) que este paradigma vai mudar.

Eu quando estou a aviar este tipo de suplementos, faço questão de dizer ao utente que não se trata de um medicamento mas sim de um suplemento (ao fazer isto fico sempre à espera que o espírito critico do utente se sobreponha ao conformismo do mesmo, mas raramente isto acontece).

O status quo mantêm-se, até que alguém se lembre de fazer alguma coisa...O que é feito do INFARMED? Não deveriam eles fazer alguma coisa? Eu sei que é suposto o Ministério da Agricultura controlar estes suplementos, mas se eles não conseguem controlar a carne de cavalo?! Andei eu a pensar que a carne de cavalo era saborosa e tenra e afinal era carne de vaca....

P.S.* -Alguém sabe quem pode ou não atender ao balcão de uma farmácia? É que a própria legislação não consegue definir muito bem... e se algum dia entrar a taxa de aconselhamento farmacêutico (que a ANF tanto publicitou na secção de "anúncios" do expresso de à 2 semanas) não será paradoxal cobrar-se a referida taxa e ser atendido por toda a gente menos um Farmacêutico ou Tecnico licenciado em farmácia?

Cumprimentos
# por Anonymous André : sexta-feira, julho 31, 2015

 

 

 

Ahhhhhhh, este Bastonário é mais um patusco. Fazer publicidade ao Biafine está mal, mas fazer Congressos científicos na Tailândia, está bem! Todos se venderam ao Grande Kapital. Apenas fingem que o seu preço é mais baixo do que o dos outros.
# por Anonymous Anónimo : sexta-feira, julho 31, 2015

 

 

 

Se ao comprar esses supostos "milagrosos" suplementos alimentares que estão sempre a aparecer em todos os canais as pessoas soubessem que o seu controlo é feito pelo Ministério da Agricultura, o mesmo que controla as rações dos animais...
# por Anonymous uma farmacêutica farta : sábado, agosto 01, 2015

 

 

 

Oh André falas que as farmácias têm interesse por causa de margens de 27%? Mas isso é suposto ser alguma coisa de especial? Mesmo 30%?
# por Anonymous Loladas : sábado, agosto 01, 2015

 

 

 

«Alguém sabe quem pode ou não atender ao balcão de uma farmácia?»

Todos podem, do analfabeto ao doutor.
# por Blogger Peliteiro : sábado, agosto 01, 2015

 

 

 

Todos mesmo todos ? ?
Ena Dr. Peliteiro, isto está uma bandalheira, mas até analfabetos!
Dr.calma lá com o andor!
A lei será omissa, mas outra virá e entretanto serve o bom senso.
Claro que se a O.F. fosse um ordem a sério isto já estava resolvido. O que a O.M. tem amais tem a dos F. a menos. É o destino...
=Josfo=
# por Anonymous Anónimo : domingo, agosto 02, 2015

 

 

 

Caro Loladas, quando falei nos 27 a 30% dei a entender que estas margens seriam o limite inferior, no entanto dependendo sempre da gestão de cada farmácia, estas margens podem ir facilmente até 50 a 60% no caso de compras directas ao laboratório.Como é fácil entender, as vendas destes produtos (que podem ir desde os 15 ao 25 euros por caixa) com estas margens,no panorama actual, têm todo o interesse para as farmácias visto que representam dinheiro em caixa.Penso que não é necessário estar agora a pintar o retrato actual de algumas farmácias para sublinhar a importância de se ter dinheiro em caixa.

Caro Peliteiro, eu compreendo a sua resposta. Esse é o panorama actual, que até poderia ser compreensível nos anos 80 em que havia uma manifesta falta de profissionais especializados, no entanto nessa altura havia muito capital(€€€). Actualmente não existe falta de profissionais (Farmacêuticos,Técnicos de Farmácia com licenciatura), o capital disponível é menor é certo mas se ainda é suficiente para ser esbanjado, será mais do que suficiente para cobrir a diferença de custo de um auxiliar técnico de farmácia ("Técnicos" ou até "doutores", como alguns mais convencidos gostam de ser chamados) para um farmacêutico ou Técnico licenciado em farmácia. Alias, conheço alguns casos em que o próprio auxiliar técnico de farmácia tem uma remuneração superior a farmacêuticos com 4/5 anos "de casa"(que pela tabela antiga é 1 398,14€ brutos), o que me deixa algo perplexo.

É verdade que a lei é omissa,mas não deveria a OF ver na implementação receita electrónica (e na aprovação do novo estatuto da OF e da Carreira farmacêutica) uma oportunidade para forçar alteração dessa lei? e que tal se a OF tentasse impor que cada receita electrónica fosse "verificada", "corrigida" (ou la o que lhe queiram chamar) por um farmacêutico? como? através de um reconhecimento electrónico como por exemplo a nova carteira profissional que até já vem preparada com chip e tudo. Ou então através do numero de registo no Infarmed, afinal de contas também foi atribuído um numero a cada farmacêutico e Técnico, portanto a base de dados está criada. Existem países europeus em que as farmácias comunitárias funcionam assim, em que o utente chega à farmácia com a sua receita (seja ela electrónica ou manual),o Técnico ou o Auxiliar Técnico recebe a receita (fazem questões relacionadas com alergias, outras patologias associadas, idade entre outras questões pertinentes), passa a um farmacêutico que analisa do ponto de vista farmacológico a prescrição (interacções/ dosagem) e em caso de duvidas entra em contacto como médico (que facilmente consegue aceder à receita porque está no sistema), de seguida a receita é passada a um Técnico ou outro Farmacêutico que vão aviar a medicação e fazer o aconselhamento Farmacêutico (que ai sim se quiserem podem implementar uma taxa, mas só quanto for um Tecnico ou um Farmacêutico fazerem o seu papel)... continua a haver espaço para todos os intervenientes actuais na farmácia, existirá porventura uma maior segurança no aviamento, e consegue-se garantir que o utente é esclarecido por um profissional qualificado à cerca da sua medicação, havendo por isso um ganho de qualidade para o utente.

Enfim o que em portugal é uma utopia, noutros países na Europa chamam progresso.




# por Anonymous André : segunda-feira, agosto 03, 2015

 

 

 

"Existem países europeus em que as farmácias comunitárias funcionam assim"

Pois existem. E existe um país europeu onde existe manifesto desinteresse do seu principal cliente em que isso aconteça. Nesse país a remuneração das farmácias é, coincidentemente, a mais baixa da Europa com excepção da roménia.
# por Blogger Azrael : segunda-feira, agosto 03, 2015

 

 

 

Portugal, Portugal, Portugal!!! ;-)
# por Anonymous Andre : segunda-feira, agosto 03, 2015

 

 

 

Nem mais! Mas o que eu quero dizer é que tudo isso tem custos. E não me parece sustentável exigir das farmácias níveis de serviço de primeiríssimo mundo quando se lhes exige, em simultâneo, que sejam remuneradas ao nível da Roménia.

Apesar disso, e havendo de tudo, o nível de serviço é considerado muito bom pelos portugueses.
# por Blogger Azrael : segunda-feira, agosto 03, 2015

 

 

 

Mas, para que querem os clientes das farmácias, ambientes de luxo? Para que vale gastarem 300.000 euros, para pôr uma farmácia velha numa farmácia de luxo? Evidentemente que a gastarem em luxos e em BMW, os 27% de margem não dá. É como o Metro de Lisboa versus o Metro de Paris. Para quê estações de Metro de luxo? Só na Tugolandia...
# por Anonymous Anónimo : sexta-feira, agosto 07, 2015

 

 

 

"Apesar disso, e havendo de tudo, o nível de serviço é considerado muito bom pelos portugueses."

A qualidade técnica no atendimento farmacêutico é pior que má. O doente só consegue dizer se a pessoa é simpática e prestável e se o espaço é bonito, de resto, não tem competência para determinar se o atendimento/aconselhamento tem qualidade técnica.
# por Anonymous Anónimo : sábado, agosto 08, 2015

 

 

 

Vamos lá a ver bem:
Claro que em regra o doente/cliente não sabe avaliar a qualidade técnica, nem do farmacêutico nem do médico.
Mas sabe e muito bem dizer se gostou de um e outro.
Basta que estes" percam" algum TEMPO no Aconselhamento.
E quem diz que este Aconselhamento não tem qualidade técnica?
O bom médico e farmacêutico distingue-se entre outras coisa pela qualidade de fazer aderir à terapêutica. (É meia cura)
E a prova da sua competência está nos resultados que obtem.
# por Anonymous Anónimo : sábado, agosto 08, 2015

 

 

 

"A qualidade técnica no atendimento farmacêutico é pior que má."

E chega a essa conclusão baseado/a em...?
# por Blogger Azrael : sábado, agosto 08, 2015

 

 

 

Baseado em dois estudos: um realizado independentemente, outro pela ANF que perante os resultados nunca foi divulgado por entre a profissão, mas que quem está por dentro sabe de que se trata. Tenho ainda a minha própria experiência anedótica.
# por Anonymous Anónimo : sábado, agosto 08, 2015

 

 

 

Estudos? Que estudos? Há estudos para todos os gostos!
Este anónimo que sabe tanto, está por dentro ou está por fora a colecionar anedotas?
Em todas as profissões há resmas de anedotas e não é isso que as deita abaixo.
Não será antes a sua anedótica experiencia?
-Flávio-
# por Anonymous Anónimo : domingo, agosto 09, 2015

 

 

 

Pode-me indicar esse tal estudo independente?
# por Blogger Azrael : domingo, agosto 09, 2015

 

 

 

"Estudos? Que estudos? Há estudos para todos os gostos!"

E isso é suposto significar o quê? Que os estudos não servem para nada? Que sempre que surge algum estudo contra algo em que acreditas (ou queres acreditar) ser verdade, pode ser descartado porque "há estudos para todos os gostos"? lol então bora exercer a profissão com base em diz-que-disse e instinto. Deves ser dos que aconselha vitamina C para a oxidação, osciloqualquercoisa para a constipação e pau de cabinda para a falta de tesão.
# por Anonymous Gaspacho com ovo : segunda-feira, agosto 10, 2015

 

 

 

Nem oito nem oitenta em relação aos estudos. Diria que esses "estudos" devem ser olhados com cepticismo sistemático, sempre, no mínimo, com atenção a quem os pagou.
Da minha experiência enquanto cliente as farmácias portuguesas atendem bastante mal, cada vez pior, com uma nítida preponderância da atitude vendilhona por parte de imberbes desqualificados. Mas é apenas mais uma impressão. Factos são, por exemplo, os anúncios farmacêutico/ técnico, tanto faz; cursos rápidos de balconistas; casos de fraude; índices de rupturas de stock; incapacidade de aprovação de boas práticas de farmácia desde 2001; quantidade de "estagiários"; etc., etc..
# por Anonymous Peliteiro : segunda-feira, agosto 10, 2015

 

 

 

Sobre o assunto do post, mais uma vez, o bastonário da OF remeteu-se ao seu papel de jarra. Nada a que não nos tenhamos habituado.
Partilho da opinião do colega Peliteiro. Como cliente das farmácias, fico pasmado com a falta de qualidade no atendimento. Pelo menos, eu espero mais do que aquilo que me é oferecido. Quando se fala em cobrar por este tipo de atendimento, eu como cidadão fico ofendido.
Parece que a profissão estagnou nestes últimos 7 anos, na falta de ideias, na falta de estratégia, e na inércia da maioria dos proprietários, estando à espera que um qualquer decreto venha a repor os preços dos medicamentos e as margens antigas. Ou que se institua um pagamento por atendimento, sem haver uma forma de assegurar a qualidade desse atendimento.
Uma das barreiras para mudança de paradigma na profissão de farmacêutico comunitário é a própria atitude dos farmacêuticos, além do já estafado tema da remuneração. Sobre isso, podem ler aqui: http://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/18998235

# por Blogger GreenMan : segunda-feira, agosto 10, 2015

 

 

 

Ó Gaspacho: Eu não acredito é em todos os estudos.
Quero saber da idoneidade desses estudos.
Mandar para o ar que há estudos e pronto, não me serve.
De resto concordo com o dr. Peliteiro, algumas farmácias atendem mal e cada vez pior.
E julgo que a liberalização da propriedade de F. tem muito a ver com isso e com a ganancia de alguns patrões desqualificados.
E olhe, não vendo banha da cobra nem nunca vendi nos tempos em que trabalhava numa farmácia comunitária.
Aflige-me é o desnorte que vai pelas farmácias.

~Flávio~



# por Anonymous Anónimo : segunda-feira, agosto 10, 2015

 

 

 

Mas qual é o problema do "mau serviço"? Quando tenho mau serviço numa farmácia, mudo logo. Felizmente, na região em que vivo, há várias farmácias. Há sempre uma que tem alguma qualidade no atendimento. É o chamado mercado. Há quem não goste da palavra, "mercado". Eu gosto. Associado a mercado, há a livre escolha. Assim se vão fechando farmácias. Estas serão compradas por gente mais competente.
# por Anonymous Anónimo : terça-feira, agosto 11, 2015

 

 

 

Mas qual é o problema do "mau serviço"? Quando tenho mau serviço numa cirurgia, mudo de cirurgião, logo. Peço ao novo para me por a perna que me foi amputada por engano.
# por Anonymous Anónimo : quarta-feira, agosto 12, 2015

 

 

 

O penúltimo anónimo não faz a mínima ideia do que está a dizer, é um teórico, logo pelo que muito bem explica o último anónimo e depois porque esta frase o denuncia «Assim se vão fechando farmácias. Estas serão compradas por gente mais competente» - nem as farmácias vão fechando, nem gente competente compra farmácias, só gente muito rica ou muito vigarista.


PS - O 25 já foi há tantos anos e ainda há tanta gente com medo de se identificar nos seus comentários?!
# por Blogger Peliteiro : quinta-feira, agosto 13, 2015

 

 

 

O penúltimo anónimo ignora duas realidades:
(1) A importância do bom serviço farmacêutico, que tal como o médico, quando mal prestado incorre em perdas em saúde para o doente. Para este anónimo o mau serviço farmacêutico não traz quaisquer problemas, apenas uma ligeira "maçada" corrigida pela mudança de farmácia.
(2) Os utentes não sabem avaliar a qualidade do serviço prestado.

As farmácias no geral não prestam um bom serviço, pela conjuntura actual bem como pela formação base dos seus profissionais (farmacêuticos e técnicos) que está a anos-luz da farmácia comunitária moderna.
# por Anonymous Gaspacho com ovo : quinta-feira, agosto 13, 2015

 

 

 

O que é um bom serviço? Comparado a quê? Que entidades prestam o bom serviço de saúde em portugal? Se as farmácias prestam um mau serviço é porque há de haver algum serviço que é bom pois o mau não existe se não existir também o bom para termo de comparação.
# por Blogger Azrael : sexta-feira, agosto 14, 2015

 

 

 

Quer comer merda? Não? Porquê? Porque é mau? Como? Já comparou, por acaso, a merda normal a merda boa? Então como pode dizer que toda a merda é má?

O Azrael, que comentário tão ... estúpido (tenho outros comentários como comparação).
# por Anonymous Gaspacho com ovo : sexta-feira, agosto 14, 2015

 

 

 

No caso das farmácias, temos de enquadrar o que é o "serviço". Até hoje, o serviço das farmácias é a dispensa de medicamentos (os restantes serviços são praticamente negligenciáveis, dado que ocorrem em muito menor quantidade). E a dispensa de medicamentos só é um bom serviço, de qualidade, se nesse momento se acrescentar algum tipo de valor. No caso, deve ser prestada informação sobre os medicamentos, fazer perguntas, avaliar a necessidade dos medicamentos, prescritos ou não, perceber se estes estão a ser eficazes e seguros, e registar essas informações de forma a fazer um acompanhamento adequado. O que acontece actualmente é que ninguém sabe se estas caracteristicas de um bom serviço são prestadas em todos os atendimentos, só em alguns, ou em nenhum de todo. Eu diria que são uma minoria os colegas que assim agem e que a procura de informação anda à volta de "quer mais alguma coisa" ou "quer o numero de contribuinte na factura", antes de dizerem "são X euros" e terminar por ali a conversa.
# por Blogger GreenMan : sexta-feira, agosto 14, 2015

 

 

 

Precisamente Greenman: ninguém sabe se estas características de um bom serviço são prestadas. Provavelmente, tal como o Greenman, conheço bons exemplos e maus exemplos. Pessoalmente suspeito que a quantidade de atendimentos bem prestados é superior à de mal prestados. Mas a nossa experiência individual e as minhas suspeitas são irrelevantes para o caso.

O facto é que, tanto quanto eu saiba, nunca ninguém comprovou de forma independente e com critérios técnicos se os atendimentos têm ou não qualidade. O estudo do qual pedi acesso uns comentários acima também nem vê-lo. O mais próximo que temos são inquéritos de opinião aos utentes que são positivos. Vale o que vale, mas vale mais do que a minha opinião ou suspeitas pessoais.

Se alguém achar que a maioria dos atendimentos não tem qualidade que faça o favor de o comprovar porque para bota abaixismo gratuito já chegam os debates políticos tão característicos desta época.
# por Blogger Azrael : sexta-feira, agosto 14, 2015

 

 

 

Os inquéritos de opinião aos utentes valem pouco, numa perspectiva de melhoria profissional. Os utentes não sabem se aquilo que recebem em termos de serviço é o que se qualifica como um serviço de qualidade, na perspetiva dos farmacêuticos. Mas também, se calhar, os utentes não querem receber muito mais do que informação resumida do que têm que fazer, prescindindo do acompanhamento. O que se calhar conta mais é a empatia, e isso ainda não é ensinado nas faculdades.
O problema que se coloca nesta situação é que é muito dificil avaliar a qualidade do atendimento através de uma metodologia científica - estudos observacionais serão os melhores para esta situação - sem vieses de observação ou questões éticas. Pode-se sempre recorrer à metodologia do "cliente mistério", mas para que as conclusões pudessem ser extrapoladas para todas as farmácias, implicavam uma volta a Portugal por parte do investigador, dado que a amostra exigiria perto de 400 farmácias (no minimo), dispersas pelo continente e ilhas. Além desta questão logística, há a parte do desenvolvimento de indicadores a observar, mas aí já há basta literatura científica por onde começar.
# por Blogger GreenMan : sexta-feira, agosto 14, 2015

 

 

 

Greenman, já foram conduzidos estudos com cliente mistério há muito com resultados capazes de envergonhar qualquer farmacêutico.
# por Anonymous Anónimo : sábado, agosto 15, 2015

 

 

 

Nem mais Greenman. Não diria melhor.

Mas onde é que estão esses estudos, anónimo?
# por Blogger Azrael : sábado, agosto 15, 2015

 

 

 

Que há estudos feitos com cliente mistério em Portugal sei eu bem. Creio que são alguns da DECO, Readers Digest e um ou outro feito em pequenas amostras, de cariz exploratório. Dificilmente os resultados são extrapoláveis para todas as farmácias, já que muitas vezes nem é claro se a amostragem foi feita com essa intenção. Já para não falar que também não é claro que parametros de qualidade se estão a avaliar.
# por Blogger GreenMan : sábado, agosto 15, 2015

 

 

Enviar um comentário


 

 

 

ARQUIVOS

Maio 2003      Junho 2003      Julho 2003      Agosto 2003      Setembro 2003      Outubro 2003      Novembro 2003      Dezembro 2003      Janeiro 2004      Fevereiro 2004      Março 2004      Abril 2004      Maio 2004      Junho 2004      Julho 2004      Agosto 2004      Setembro 2004      Outubro 2004      Novembro 2004      Dezembro 2004      Janeiro 2005      Fevereiro 2005      Março 2005      Abril 2005      Maio 2005      Junho 2005      Julho 2005      Agosto 2005      Setembro 2005      Outubro 2005      Novembro 2005      Dezembro 2005      Janeiro 2006      Fevereiro 2006      Março 2006      Abril 2006      Maio 2006      Junho 2006      Julho 2006      Agosto 2006      Setembro 2006      Outubro 2006      Novembro 2006      Dezembro 2006      Janeiro 2007      Fevereiro 2007      Março 2007      Abril 2007      Maio 2007      Junho 2007      Julho 2007      Agosto 2007      Setembro 2007      Outubro 2007      Novembro 2007      Dezembro 2007      Janeiro 2008      Fevereiro 2008      Março 2008      Abril 2008      Maio 2008      Junho 2008      Julho 2008      Agosto 2008      Setembro 2008      Outubro 2008      Novembro 2008      Dezembro 2008      Janeiro 2009      Fevereiro 2009      Março 2009      Abril 2009      Maio 2009      Junho 2009      Julho 2009      Agosto 2009      Setembro 2009      Outubro 2009      Novembro 2009      Dezembro 2009      Janeiro 2010      Fevereiro 2010      Março 2010      Abril 2010      Maio 2010      Junho 2010      Julho 2010      Agosto 2010      Setembro 2010      Outubro 2010      Novembro 2010      Dezembro 2010      Janeiro 2011      Fevereiro 2011      Março 2011      Abril 2011      Maio 2011      Junho 2011      Julho 2011      Agosto 2011      Setembro 2011      Outubro 2011      Novembro 2011      Dezembro 2011      Janeiro 2012      Fevereiro 2012      Março 2012      Abril 2012      Maio 2012      Junho 2012      Julho 2012      Agosto 2012      Setembro 2012      Outubro 2012      Novembro 2012      Dezembro 2012      Janeiro 2013      Fevereiro 2013      Março 2013      Abril 2013      Maio 2013      Junho 2013      Julho 2013      Agosto 2013      Setembro 2013      Outubro 2013      Novembro 2013      Dezembro 2013      Janeiro 2014      Fevereiro 2014      Março 2014      Abril 2014      Maio 2014      Junho 2014      Julho 2014      Setembro 2014      Outubro 2014      Novembro 2014      Dezembro 2014      Janeiro 2015      Fevereiro 2015      Março 2015      Abril 2015      Maio 2015      Junho 2015      Julho 2015      Agosto 2015      Setembro 2015      Outubro 2015      Novembro 2015      Dezembro 2015      Janeiro 2016      Fevereiro 2016      Março 2016      Abril 2016      Junho 2016      Julho 2016      Agosto 2016      Setembro 2016      Outubro 2016      Novembro 2016      Dezembro 2016      Janeiro 2017      Fevereiro 2017      Março 2017     

 

Perfil de J. Soares Peliteiro
J. Soares Peliteiro's Facebook Profile

 


Directórios de Blogues:


Os mais lidos


Add to Google

 

 

Contactos e perfil do autor

 

 

Portugal
Portuguese flag

Blogues favoritos:


Machado JA

Sezures

Culinária daqui e d'ali

Gravidade intermédia

Do Portugal profundo

Abrupto

Mar Salgado

ALLCARE-management

Entre coutos e coutadas

Médico explica

Pharmacia de serviço

Farmácia Central

Blasfémias

31 da Armada

Câmara Corporativa

O insurgente

Forte Apache

Peopleware

ma-shamba



Ligações:

D. G. Saúde

Portal da Saúde

EMEA

O M S

F D A

C D C

Nature

Science

The Lancet

National library medicine US

A N F

Universidade de Coimbra


Farmacêuticos sem fronteiras

Farmacêuticos mundi


This page is powered by Blogger. Isn't yours?

Creative Commons License
Licença Creative Commons.