<$BlogRSDUrl$> Impressões de um Boticário de Província
lTradutor Translator
Amanita muscaria

Impressões de um Boticário de Província

Desde 2003


quinta-feira, 22 de novembro de 2012

Ouve-se que o nosso Governo também pondera "nacionalizar": 

Sanidad planea una reforma del sistema farmacéutico valenciano que supondría que los hospitales y los centros de salud dispensaran directamente las medicinas más recetadas por el sistema público de salud.

Peliteiro,   às  19:16

Comentários:

 

Pois, se as farmácias lá fazem greve...

 

 

 

E se resultar? E se o Estado efectivamente poupar nos custos associados aos medicamentos, mesmo gastando uns milhões a contratar farmacêuticos? E se esses farmacêuticos puderem desenvolver melhores programas de gestão de terapêutica e doença do que nas boticas de bairro? Poderá ser mau para as farmácias, mas será assim tão mau para os farmacêuticos?
# por Blogger GreenMan : sexta-feira, novembro 23, 2012

 

 

 

Este comentário foi removido por um gestor do blogue.
# por Anonymous Anónimo : sexta-feira, novembro 23, 2012

 

 

 

Ainda bem que há pessoas sensatas como o GreenMan.

Sim à nacionalização, ao acto farmacêutico a sério.

# por Anonymous Anónimo : sexta-feira, novembro 23, 2012

 

 

 

E se? E se? E se não gerar poupança como a generalidade de tudo aquilo em que o estado mete o bedelho?

Azar, não é?

As experiências comunistas que já conhecemos não serviram de nada. Faça-se de novo por favor que eu também quero ser funcionário público.
# por Blogger Azrael : sexta-feira, novembro 23, 2012

 

 

 

A apologia do caloteiro.
Se não paga a quem deve também não é capaz de prestar serviços com qualidade.
Quando for grande também quero ser funcionário público. É o grande objectivo da minha vida.
Lenine, Staline, Cunhal, Companheiro Vasco, voltem por favor, estão perdoados.

BlueMan


# por Anonymous blueMan : sexta-feira, novembro 23, 2012

 

 

 

"E se não gerar poupança como a generalidade de tudo aquilo em que o estado mete o bedelho" - Generalidades baseadas em dogmas ideológicos. E eu que pensava que já tinhamos ultrapassado a fase de insistir na mentira para ver se se torna verdade...

No que toca a saúde, veja lá bem quais são os países que gastam mais em saúde e qual o seu mix publico/privado versus resultados em saúde, e qual o papel que o farmacêutico desempenha nos sistemas de saúde desses países. Depois, quando a realidade o desmentir, pode continuar a repetir o seu mantra à vontade, mas respeite quem prefere evidências a dogmas.
"eu também quero ser funcionário público" - caso não tenha reparado, mais de 85% das receitas das farmácias vêm das comparticipações do estado. Só lhe falta um bocadinho para ser funcionário publico...

Mas o ponto principal em discussão no post é um modelo alternativo de organizar os cuidados de saúde, e mais especificamente, os cuidados farmacêuticos. Como cientista que sou, experimentar não me incomoda. Acho que experimentar para ver quais as mais valias, quais os impactos positivos e negativos deveria ser a regra na definição de políticas de saúde, em vez de termos cada grupo profissional a definir o que quer fazer, segundo o que mais convém àqueles que têm o poder dentro de cada profissão (todas, sem excepção). Quanto aos farmacêuticos, se nos quisermos fechar nas boticas, num ultrapassado papel de vendedor, e não assumirmos o nosso papel de profissional de saúde na comunidade, seja na farmácia ou nas USFs (pague o Estado directa ou indirectamente), seremos cada vez mais irrelevantes na equipa de saúde.
# por Blogger GreenMan : sexta-feira, novembro 23, 2012

 

 

 

E blá e blá e blá...
A Grécia vai sar do euro e pelo menos Portugal e Espanha acompanham a derrocada.
Depois sim, é baralhar e dar de novo a miséria da um país pobre.

# por Anonymous Anónimo : sexta-feira, novembro 23, 2012

 

 

 

"mais de 85% das receitas das farmácias vêm das comparticipações do estado"
Não sei em que farmácias já andou, mas deve ficar a saber que, na generalidade das farmácias, esse valor anda nos 35% da receitas totais das farmácias.
# por Anonymous Anónimo : sexta-feira, novembro 23, 2012

 

 

 

Ok, erro meu.
Os 85% é a contribuição para as receitas da farmácias que vêm dos medicamentos receitados. Desta receita total, o estado tem sido responsável por cerca de 70% do valor (aproximadamente). Logo as receitas provenientes do estado têm um peso aproximado de 60% nas receitas totais da farmácia média. Ou não?
# por Blogger GreenMan : sexta-feira, novembro 23, 2012

 

 

 

E 85 é um valor de há vários anos atrás. Hoje está mais próximo de 75 devido à diminuição dos preços dos medicamentos.

Também nada tenho contra a experimentação desde que não seja em mim e que não hajam interesses ocultos envolvidos, como julgo que pensa a generalidade dos cientistas.
# por Blogger Azrael : sábado, novembro 24, 2012

 

 

 

De facto os 85% constam do ultimo relatório da estatística do medicamento do INFARMED, de 2010. O problema da diminuição dos preços, é que diminui o valor total dessa receita, mas em proporção continuará a ser a mesma ou muito semelhante. O que é problemático, porque em tempos de crise, as receitas que não provêem dos medicamentos comparticipados também diminuem. Aliás, parece-me que o luto das farmácias deve ter origem neste problema.

Quanto ao experimentar, dá-me a sensação que a sua abordagem do "experimenta nos outros, mas não em mim" (que me fez lembrar o dito popular "pimenta no cu dos outros, para mim é refresco"), é uma das causas de não haver o conhecimento necessário do mercado e do funcionamento das profissões de saúde em Portugal. O facto de se experimentar, não significa que se venha adoptar. Não há que ter medo. A generalidade dos cientistas experimenta sem medo de chegar a conclusões que não seriam propriamente as que esperava ou de afrontar/beneficiar interesses ocultos. Também nós temos de começar a ter essa atitude, na parte que nos toca: experimentar novas formas de trabalhar, na comunidade, em solo ou em equipas multiprofissionais, fazer estudos sólidos e apresentar os resultados. Não custa assim tanto, e creio que até seríamos mais respeitados por isso. Com a grande vantagem de termos evidência nacional do que funciona ou não funciona na vez de tentarmos definir políticas de saúde através dos amiguismos e compadrios clássicos, que outros usam para manipular os políticos e a opinião publica. Neste campo, estamos em clara desvantagem face aos médicos.
# por Blogger GreenMan : sábado, novembro 24, 2012

 

 

 

Resta saber se o estado consegue ser mais eficiente a distribuir medicamentos à população do que a actual rede de farmácias. Penso que não. Comparticipar é uma coisa, dispensar é outra. Mesmo que fosse 100% pago pelo estado, não têm a estrutura (as +2800 farmácias em Portugal) para garantir uma cobertura adequada).

O que vai acontecer por cá é a legalização e formação de redes.
É a única estratégia viável de saída para os actuais proprietários (associados da ANF); vender os alvarás à grande distribuição ou associarem-se a novas redes (num quasi-franchising).

Como está é que não vai continuar a dar. Basta ver a farmácia do colombo que já fechou.

Se houver uma liberalização total (abertura livre), será a desgraça financeira para muitos dos actuais proprietários.

A direcção da ANF deveria, para bem dos associados, iniciar já negociações com o governo para permitir redes sem liberalização da abertura.
# por Anonymous Anónimo : domingo, novembro 25, 2012

 

 

 

O valor dos MNSRM e dos restantes produtos de saúde não baixou. Logo a proporção não é a mesma. Está mais próxima de 75 - 25 como já disse.
# por Blogger Azrael : segunda-feira, novembro 26, 2012

 

 

 

GreenMan opina, questionando :

"E se resultar? E se o Estado poupar nos custos..."
Claro que poupa trabalho aos "aparelhos" das agências de empregos (há quem lhes chame partidos políticos).
Sempre são mais uma caterva de "tachos", à mão de semear, administradores, directores, assessores, assessores dos assessores, mais as respectivas ninhadas, sobrinhadas, etc, etc...
E pasto para "grupos de advogados" e para as "Consultoras amigas" (dos gajos da Distrital e dos ex- jotas) sacarem aos milhares em estudos disto e daquilo, "formação", "avaliação" e outras tretas do costume.
As Tecnoformas S.A. desse mundo sabujo, meu Caro.
E os doentes que não venham chatear... o que é preciso é sac(que)ar e engordar o "monstro".
Tenha Juízo !...

# por Anonymous Zé Pacato : segunda-feira, novembro 26, 2012

 

 

 

Zé Pacato - se houver poupanças para os contribuintes, queria ver qual a posição do Paulinho dos submarinos sobre esta matéria. Tachos? Há assim tantos farmacêuticos inscritos nesses aparelhos partidários? Desconhecia essa realidade...

Eu só lancei as questões, porque dogmas a mim não me assistem.
Quanto à minha posição, também sou da opinião que desperdiçar a rede de farmácias instalada é absurdo. Mas estamos a chegar a uma situação em que é preciso assegurar por todas as vias necessárias o abastecimento à população de medicamentos essenciais. Mantenho que é preciso fazer mais, acrescentar valor à dispensa de medicamentos. Estas ideias de transferir alguns medicamentos para as USFs também têm origem na percepção de que "pouco mais se faz numa farmácia" do que vendas. È triste, mas foi esta imagem que conseguimos criar na generalidade da opinião publica.
Igualmente importante para esta discussão: não deveríamos estar a defender a existência de um farmacêutico onde existam medicamentos a ser dispensados ao público, desde a USF à parafarmácia mais recondita? Não seria mais uma oportunidade para nos afirmarmos como especialistas do medicamento e da sua utilização? Ou isso não interessa nada, é mais importante defendermos certos negócios?
# por Blogger GreenMan : segunda-feira, novembro 26, 2012

 

 

 

Este comentário foi removido por um gestor do blogue.
# por Anonymous Anónimo : segunda-feira, novembro 26, 2012

 

 

 

A situação actual é engraçada. Muito engraçada. Quando se vendiam alvarás por 5 milhões de euros, era tudo flores. As farmácias eram santuários de luxo. Merchandising. Design. Horários 24 horas. Orientação para o cliente. Afinal, e como já se via, o Estado é que pagava toda a luxúria.

Venha a completa liberalização do sector. Negoceiem com o Estado, com a força do mercado, e não com a força do lobby partidário.

Por falar em lobby partidário, onde está aquele Senhor que era sócio do Senhor Cordeiro, e que preferiu ir-se para ao pé da Dra. Beleza? Que saudades que deve haver do Senhor Freire!!!
# por Anonymous Anónimo : terça-feira, novembro 27, 2012

 

 

 

Parece que na madeira era para haver dispensa dos medicamentos directamente pelos centros de saúde como retaliação do AJJ à greve das farmácias. Achava que assim se pouparia dinheiro.

Até agora nem vê-los. I wonder why
# por Blogger Azrael : domingo, dezembro 02, 2012

 

 

 

As farmácias estão bem e recomendam-se.
# por Anonymous GUGO : quarta-feira, dezembro 05, 2012

 

 

Enviar um comentário


 

 

 

ARQUIVOS

Maio 2003      Junho 2003      Julho 2003      Agosto 2003      Setembro 2003      Outubro 2003      Novembro 2003      Dezembro 2003      Janeiro 2004      Fevereiro 2004      Março 2004      Abril 2004      Maio 2004      Junho 2004      Julho 2004      Agosto 2004      Setembro 2004      Outubro 2004      Novembro 2004      Dezembro 2004      Janeiro 2005      Fevereiro 2005      Março 2005      Abril 2005      Maio 2005      Junho 2005      Julho 2005      Agosto 2005      Setembro 2005      Outubro 2005      Novembro 2005      Dezembro 2005      Janeiro 2006      Fevereiro 2006      Março 2006      Abril 2006      Maio 2006      Junho 2006      Julho 2006      Agosto 2006      Setembro 2006      Outubro 2006      Novembro 2006      Dezembro 2006      Janeiro 2007      Fevereiro 2007      Março 2007      Abril 2007      Maio 2007      Junho 2007      Julho 2007      Agosto 2007      Setembro 2007      Outubro 2007      Novembro 2007      Dezembro 2007      Janeiro 2008      Fevereiro 2008      Março 2008      Abril 2008      Maio 2008      Junho 2008      Julho 2008      Agosto 2008      Setembro 2008      Outubro 2008      Novembro 2008      Dezembro 2008      Janeiro 2009      Fevereiro 2009      Março 2009      Abril 2009      Maio 2009      Junho 2009      Julho 2009      Agosto 2009      Setembro 2009      Outubro 2009      Novembro 2009      Dezembro 2009      Janeiro 2010      Fevereiro 2010      Março 2010      Abril 2010      Maio 2010      Junho 2010      Julho 2010      Agosto 2010      Setembro 2010      Outubro 2010      Novembro 2010      Dezembro 2010      Janeiro 2011      Fevereiro 2011      Março 2011      Abril 2011      Maio 2011      Junho 2011      Julho 2011      Agosto 2011      Setembro 2011      Outubro 2011      Novembro 2011      Dezembro 2011      Janeiro 2012      Fevereiro 2012      Março 2012      Abril 2012      Maio 2012      Junho 2012      Julho 2012      Agosto 2012      Setembro 2012      Outubro 2012      Novembro 2012      Dezembro 2012      Janeiro 2013      Fevereiro 2013      Março 2013      Abril 2013      Maio 2013      Junho 2013      Julho 2013      Agosto 2013      Setembro 2013      Outubro 2013      Novembro 2013      Dezembro 2013      Janeiro 2014      Fevereiro 2014      Março 2014      Abril 2014      Maio 2014      Junho 2014      Julho 2014      Setembro 2014      Outubro 2014      Novembro 2014      Dezembro 2014      Janeiro 2015      Fevereiro 2015      Março 2015      Abril 2015      Maio 2015      Junho 2015      Julho 2015      Agosto 2015      Setembro 2015      Outubro 2015      Novembro 2015      Dezembro 2015      Janeiro 2016      Fevereiro 2016      Março 2016      Abril 2016      Junho 2016      Julho 2016      Agosto 2016      Setembro 2016      Outubro 2016      Novembro 2016      Dezembro 2016      Janeiro 2017      Fevereiro 2017      Março 2017      Maio 2017      Setembro 2017      Outubro 2017     

 

Perfil de J. Soares Peliteiro
J. Soares Peliteiro's Facebook Profile

 


Directórios de Blogues:


Os mais lidos


Add to Google

 

 

Contactos e perfil do autor

 

 

Portugal
Portuguese flag

Blogues favoritos:


Machado JA

Sezures

Culinária daqui e d'ali

Gravidade intermédia

Do Portugal profundo

Abrupto

Mar Salgado

ALLCARE-management

Entre coutos e coutadas

Médico explica

Pharmacia de serviço

Farmácia Central

Blasfémias

31 da Armada

Câmara Corporativa

O insurgente

Forte Apache

Peopleware

ma-shamba



Ligações:

D. G. Saúde

Portal da Saúde

EMEA

O M S

F D A

C D C

Nature

Science

The Lancet

National library medicine US

A N F

Universidade de Coimbra


Farmacêuticos sem fronteiras

Farmacêuticos mundi


This page is powered by Blogger. Isn't yours?

Creative Commons License
Licença Creative Commons.