<$BlogRSDUrl$> Impressões de um Boticário de Província
lTradutor Translator
Amanita muscaria

Impressões de um Boticário de Província

Desde 2003


terça-feira, 2 de outubro de 2012

Racionamento no SNS... Por acaso é algo de novo? 

Mauro Germano no Saúde em Portugal:

No seguimento dum post anterior onde se abordou a relação entre a capacidade de satisfazer as expectativas dos cidadãos relativamente ao Sistema de Saúde face aos recursos limitados e possíveis implicações dum parecer do CNECV que suscitou reacções de escárnio, maledicência e espanto, gostaria de alertar que isto não é nada de novo e que sempre existiu e existirá... pois as necessidades de saúde são ilimitadas... Tivéssemos 100 biliões de euros para gastar em Saúde e seriam poucos e como é óbvio é impossível desviar todo o dinheiro do Orçamento de Estado e o "orçamento pessoal" para este tipo de necessidade...

Mas para aqueles que se disseram escandalizados eu pergunto?
 
O que são critérios para prescrição de antibióticos?
Em que se escolhe o que tem a melhor relação custo-efectividade e onde se "guardam" os antibióticos mais poderosos para a última "linha" evitando resistências evitáveis...

O que são as listas de espera para Cirurgias?
Senão métodos de racionar o acesso a cuidados dispendiosos, em tempo útil, mantendo uma procura artificialmente alta?
 
O que são os sistemas de triagem em Urgência?
Onde se aplicam critérios de racionamento de procura e oferta face à incapacidade de atender todos os utentes ao mesmo tempo, aumentando a prioridade dos doentes que ganham mais em serem atendidos rapidamente face aos que podem esperar mais um pouco...
 
O que são critérios de admissão em Cuidados Intensivos?
Onde sabendo-se que cada doente tem um elevado custo, onde a tendência será permitir mais intervenções geradoras de sofrimento e potencial obstinação terapêutica , onde artificialmente se pode induzir um caminho mais fácil e menos esforçado para evitar a admissão em Unidades de Cuidados Intensivos e existindo escassez de camas se força automaticamente a um racionamento da oferta de cuidados aos doentes que maiores benefícios podem obter sem pôr em risco um eventual fim de vida caracterizado por acções desmesuradamente "interventivas"?
 
O que são decisões de não reanimação?
Onde se estima ou decide o limite para a intervenção no esforço de prolongar ou salvar uma vida humana ou a própria definição de vida Humana?
 
O que são as medidas de "planeamento familiar" como aborto ou um qualquer método contraceptivo?
Onde se raciona a capacidade do(s) pai e/ou mãe ser capaz de continuar a sua vida não tendo o "estorvo" de mais uma boca para alimentar ou uma cara não desejada para onde olhar... ( este é um exemplo deliberadamente exagerado)

O que são as políticas de recursos humanos do SNS?
Onde se restringe o acesso a vários tipos de cuidados limitando o número de profissionais empregados para os prestar, por exemplo enfermeiros, fazendo com que vários doentes não tenham acesso a cuidados tão básicos como alguém alimentá-los sem por em risco a sua segurança, a não ter enfermeiros em número suficiente para ajudar um doente na sua própria higiene pessoal, tendo este de esperar vários minutos ou horas para que haja alguém disponível para impedir que a presença de urina ou fezes provoquem mais lesões (por sua vez bem mais caras que a solução original) ou ainda que se aumente em larga escala a possibilidade de serem vítimas dum erro terapêutico face à carga de trabalho excessiva?
 
É que se falamos de equidade e justiça... tem de ser para todos... E como diz a velha máxima... Ou há moral ou comem todos...
Não é isto tudo racionar?
Por isso não entendo o porquê de tanta indignação quando nos deveríamos centrar em saber se podemos fazer mais com menos que basicamente o caminho que estamos a percorrer... Quanto mais tempo adiarmos este modo de ver o problema... mais difícil será a sua resolução.
 
PS: Do que li do parecer, entendi que se pretendia focar o custo efectividade das intervenções, garantindo que o argumento moral de que a Saúde não tem preço não seja usado mas sim, com menos fazer o mesmo ou melhor e que apesar de todo o compromisso ético dos profissionais de saúde, é preciso que estes sejam ajudados a decidir o correcto...

Peliteiro,   às  21:47

Comentários:

Enviar um comentário


 

 

 

ARQUIVOS

Maio 2003      Junho 2003      Julho 2003      Agosto 2003      Setembro 2003      Outubro 2003      Novembro 2003      Dezembro 2003      Janeiro 2004      Fevereiro 2004      Março 2004      Abril 2004      Maio 2004      Junho 2004      Julho 2004      Agosto 2004      Setembro 2004      Outubro 2004      Novembro 2004      Dezembro 2004      Janeiro 2005      Fevereiro 2005      Março 2005      Abril 2005      Maio 2005      Junho 2005      Julho 2005      Agosto 2005      Setembro 2005      Outubro 2005      Novembro 2005      Dezembro 2005      Janeiro 2006      Fevereiro 2006      Março 2006      Abril 2006      Maio 2006      Junho 2006      Julho 2006      Agosto 2006      Setembro 2006      Outubro 2006      Novembro 2006      Dezembro 2006      Janeiro 2007      Fevereiro 2007      Março 2007      Abril 2007      Maio 2007      Junho 2007      Julho 2007      Agosto 2007      Setembro 2007      Outubro 2007      Novembro 2007      Dezembro 2007      Janeiro 2008      Fevereiro 2008      Março 2008      Abril 2008      Maio 2008      Junho 2008      Julho 2008      Agosto 2008      Setembro 2008      Outubro 2008      Novembro 2008      Dezembro 2008      Janeiro 2009      Fevereiro 2009      Março 2009      Abril 2009      Maio 2009      Junho 2009      Julho 2009      Agosto 2009      Setembro 2009      Outubro 2009      Novembro 2009      Dezembro 2009      Janeiro 2010      Fevereiro 2010      Março 2010      Abril 2010      Maio 2010      Junho 2010      Julho 2010      Agosto 2010      Setembro 2010      Outubro 2010      Novembro 2010      Dezembro 2010      Janeiro 2011      Fevereiro 2011      Março 2011      Abril 2011      Maio 2011      Junho 2011      Julho 2011      Agosto 2011      Setembro 2011      Outubro 2011      Novembro 2011      Dezembro 2011      Janeiro 2012      Fevereiro 2012      Março 2012      Abril 2012      Maio 2012      Junho 2012      Julho 2012      Agosto 2012      Setembro 2012      Outubro 2012      Novembro 2012      Dezembro 2012      Janeiro 2013      Fevereiro 2013      Março 2013      Abril 2013      Maio 2013      Junho 2013      Julho 2013      Agosto 2013      Setembro 2013      Outubro 2013      Novembro 2013      Dezembro 2013      Janeiro 2014      Fevereiro 2014      Março 2014      Abril 2014      Maio 2014      Junho 2014      Julho 2014      Setembro 2014      Outubro 2014      Novembro 2014      Dezembro 2014      Janeiro 2015      Fevereiro 2015      Março 2015      Abril 2015      Maio 2015      Junho 2015      Julho 2015      Agosto 2015      Setembro 2015      Outubro 2015      Novembro 2015      Dezembro 2015      Janeiro 2016      Fevereiro 2016      Março 2016      Abril 2016      Junho 2016      Julho 2016      Agosto 2016      Setembro 2016      Outubro 2016      Novembro 2016      Dezembro 2016      Janeiro 2017      Fevereiro 2017      Março 2017      Maio 2017     

 

Perfil de J. Soares Peliteiro
J. Soares Peliteiro's Facebook Profile

 


Directórios de Blogues:


Os mais lidos


Add to Google

 

 

Contactos e perfil do autor

 

 

Portugal
Portuguese flag

Blogues favoritos:


Machado JA

Sezures

Culinária daqui e d'ali

Gravidade intermédia

Do Portugal profundo

Abrupto

Mar Salgado

ALLCARE-management

Entre coutos e coutadas

Médico explica

Pharmacia de serviço

Farmácia Central

Blasfémias

31 da Armada

Câmara Corporativa

O insurgente

Forte Apache

Peopleware

ma-shamba



Ligações:

D. G. Saúde

Portal da Saúde

EMEA

O M S

F D A

C D C

Nature

Science

The Lancet

National library medicine US

A N F

Universidade de Coimbra


Farmacêuticos sem fronteiras

Farmacêuticos mundi


This page is powered by Blogger. Isn't yours?

Creative Commons License
Licença Creative Commons.