<$BlogRSDUrl$> Impressões de um Boticário de Província
lTradutor Translator
Amanita muscaria

Impressões de um Boticário de Província

Desde 2003


quarta-feira, 1 de agosto de 2012

Mixórdia de leis 

É inevitável. A legislação portuguesa é sempre uma manta de retalhos que permite todo o tipo de maroscas e interpretações "a jeito". A legislação "genial" produzida por Correia de Campos em 2007 não é excepção e, como não podia deixar de ser, continua a verborreia legal: Decreto-Lei n.º 171/2012 que altera o regime jurídico farmacêutico e Decreto-Lei n.º 172/2012 que altera a regulação do horário de funcionamento das farmácias.
De destacar a possibilidade de diminuição dos padrões de qualidade dos serviços prestados nas farmácias que vendam pouco (art. 57.º-A), o sublinhar da proibição de exportar medicamentos (art.º 33) e de fazer recoveiragem (art.º 9 -4), o aumento dos inexplicáveis e absurdos postos farmacêuticos móveis (art.º 44), a exigência de um parecer - ó meu Deus! - da câmara municipal para transferências de farmácias (art.º 26) e qualquer coisa que não entendi sobre a abertura de farmácias a distância superior a 2 km (norma revogatória) e farmácias do sector social (art.º 59 -A); inevitavelmente, eventuais outras manigâncias ocultas estarão naturamente contempladas.
Inexplicavelmente, mantém-se os engraçados e enganadores princípio da liberdade de abertura de farmácias (art.º 3) e obrigatoriedade de implementação de um sistema de gestão da qualidade (art.º 13).

Enfim, isto deve depender dos ventos...

Etiquetas:


Peliteiro,   às  13:14

Comentários:

 

A margem consumida pelos encargos financeiros (compras de alvarás ao triplo, obras faraónicas) e custos com pessoal (ordenados antigos, chorudos) de muitas farmácias é insustentável com os novos preços, pelo que a única solução é substituir essas farmácias, que fecharão, por novas farmácias, livres de encargos desajustados: liberalização é o caminho, dr. Macedo.

 

 

 

Quem teve mais olhos que barriga só tem o que merece.
Quem comprou farmácias por valores mirabolantes, gulosos, iludidos pela árvore das patacas, convencidos que os "comiam" a todos, idem, idem...
Não sabia era que os salários de licenciados e técnicos nas farmácias são "chorudos"...
Basta comparar com outros sectores de actividade, nomeadamente da função pública.
Na farmácia, como em qualquer outra actividade, a moderação, o equilíbrio, o esforço de actualização permanente e constante, a gestão prudente, enfim, o bom senso, têm de imperar.
Não, meu Caro, a liberalização da miséria não é, não pode ser o caminho, Sr Barros...

BlueMan
# por Anonymous BlueMan : quinta-feira, agosto 02, 2012

 

 

 

O Estado chulou-se a ele próprio até entrar em falência e agora quer chular os privados até ao tutano.
Aplicando o raciocinio de Otelo...este país vai ser um oásis de igualdade...todos pobres.
# por Anonymous Anónimo : quinta-feira, agosto 02, 2012

 

 

 

Para mim, mero obervador informado, nada de novo trazem estes remendos de leis.
O sector das farmácias com as leis do C.C. e com os gulosos que vieram ao engano está falido.
Os bancos emprestaram o dinheiro,os empregados trabalham e os donos, que nada fazem, andam de farmácia em farmácia a fazer as caixas e a pensar nos lucros do dinheiro que não é deles.
Quem quer peixe molha o cú.
Remédio: baralhar e dar outra vez!
# por Anonymous Anónimo : quinta-feira, agosto 02, 2012

 

 

 

Fizeram a papinha ao Cordeiro e companhia. É ver ainda menos farmacêuticos nas farmácias, ao invés de serem os proprietários a cortarem nos luxos pessoais/familiares a que se habituaram e que a realidade actual já não permite continuar. A ORDEM DOS FARMACÊUTICOS não se pronuncia sobre esta alteração que lesa os farmacêuticos comunitários assalariados (ou seja, a maioria dos farmacêuticos)? Não contesta? Afinal pagam-se quotas só para as aparências? Tudo isto me mete muito, muito nojo.




"Artigo 57.º -A
Regime excecional de funcionamento
1 — As farmácias cujo valor de faturação ao Serviço
Nacional de Saúde (SNS) seja igual ou inferior a 60 %
do valor da faturação média anual por farmácia ao SNS,
no ano civil anterior, podem beneficiar de exceções que
viabilizem a assistência e cobertura farmacêutica da população.
2 — As farmácias nas condições previstas no número
anterior podem beneficiar cumulativamente de:
a) Dispensa da obrigatoriedade do segundo farmacêutico
previsto no n.º 1 do artigo 23.º;
b) Redução de áreas mínimas definidas nos termos do
n.º 4 do artigo 29.º;
c) Redução do horário de funcionamento definido nos
termos do artigo 30.º"
# por Anonymous Farmacêutico : quinta-feira, agosto 02, 2012

 

 

 

Eu ainda me pergunto se essa medida aí em cima será realmente necessária, porque ao "preço" a que os farmacêuticos adjuntos/substitutos já estão (700EUR/800EUR a tempo inteiro) ou menos ainda em tempo parcial, não devem ser de todo os responsáveis pelo caos financeiro das farmácias (as megalomanias dos proprietários, insustentáveis com a baixa dos preços dos medicamentos e com os genérios, isso talvez sim). Toda a gente sabe que a tabela salarial acordada com o SNF é apenas fogo de vista.
# por Anonymous Farmacêutico : quinta-feira, agosto 02, 2012

 

 

 

Não há volta a dar-lhe: a liberalização é a única solução para manter uma rede de distribuição capaz.
# por Anonymous Barros : quinta-feira, agosto 02, 2012

 

 

 

A liberalização tem um só destinatário, a grande distribuição, com verdadeiros monopólios, salários miseráveis, despedimentos em massa de pessoal qualificado, etc. Cada um pensa no país que quer, é totalmente legítimo.
# por Anonymous Fino : sexta-feira, agosto 03, 2012

 

 

 

A cada farmácia um dono e de preferênçia farmacêutico.
As leis C.C estragaram tudo e de propósito para arruinar o sector.
Os novos farmacêuticos já não podem aspirar a ter farmácia.
A liberalização só teria algum sussesso se fosse só dirigida a farmacêuticos e só uma.
O problema são as muitas farmácias de um só dono.
Está tudo irremediavelmente comprometido.Não há volta a dar!
É agradecer ao C.C. e ao sócrates.
Muitos estados não foram na cantiga
libertina e bem.
# por Anonymous Anónimo : sexta-feira, agosto 03, 2012

 

 

 

Essencialmente há 4 tipos de donos de farmácia: 1) velhos, 2) filhos de papá, 3) patos bravos 4) sortudos dos concursos de há 1 década.
Nenhum destes está preparado para gerir farmácias em tempos de crise.
# por Anonymous Jovem turco : sábado, agosto 04, 2012

 

 

 

E quem são os prerarados e como vão tomar conta das farm. senhor turco?
Essas especulações são bonitas, mas não resolvem nem ajudam nada.

J.P.- Portimão
# por Anonymous Anónimo : sábado, agosto 04, 2012

 

 

 

Presunção e água benta cada um toma a que quer.
Jovem turco ?
Ou muito me engano ou é mais um jovem de truques, maroscas, manigâncias e outras traficâncias.
Filhos das jotas, (de)formados nessas escolas de delinquência onde aprendem a intriga, a traição, a luta pelo tacho, o tráfico, a corrupção e a roubalheira...
Foram estas altas "competências" que nos colocaram sob o jugo da ocupação estrangeira, às mãos de uns caras de cú a que chamam troika, que mais não são que esbirros da agiotagem mafiosa.
Preparado para gerir farmácias em tempos de crise ?
Não me faças rir !...
Tratava era de a passar logo a patacos, por tuta e meia, tal como faz a corja que nos desgoverna.

Tugatento
# por Anonymous Tugatento : sábado, agosto 04, 2012

 

 

 

A liberalização será apresentada mais cedo do que tarde como a alternativa para viabilizar a rede de distribuição que este (des)governo - devidamente apoiado pelo Memorandum of Understanding e pela sua vontade de ir mais além - se tem entretido a inviabilizar. Se foi assim nos outros países "ajudados" pelo FMI, não será diferente por cá, pelo menos enquanto esta ideologia se mantiver e formos governados por chico-espertos.
Mas a liberalização em si não é um problema nem bicho papão. Enquanto se assegurar a presença de um farmacêutico na farmácia, a coisa até poderá melhorar, assim nos saibamos adaptar aos novos tempos. Só que esta adaptação, na cabeça dos mais altos responsáveis da profissão, implica tornar o farmacêutico no especialista da venda de produtos diversos (da homopatetice à oftalmologia, da cosmética ao calçado, etc...), "oferecendo" a OF uma formação para a venda destes produtos. E isso preocupa muito mais do que qualquer alteração e mixórdia de leis. A ausência de uma estratégia por parte da Ordem, navegando à vista, sem alianças com os outros profissionais de saúde em defesa do SNS sair-nos-á muito mais cara do que qualquer liberalização.
A profissão tem de discutir o que quer ser no futuro, com ou sem liberalização: o profissional de saúde especialista do medicamento focado na sua correcta utilização, ou o simpático vendedor de medicamentos, sapatos, óculos, pilhas e bugigangas diversas. Neste momento, a tendência tende para a última hipótese e, a meu ver, será o fim da profissão de farmacêutico comunitário.
# por Blogger GreenMan : segunda-feira, agosto 06, 2012

 

 

 

Concordo:
A liberalização bem planeada não é
um bicho de 7 cabeças.
Irritam-me especialmente os simpáticos e carraças vendedores de óculos e lunetas,babuchas,pulseiras milagrosas, massagens manhosas e banha da cobra elevada a estatuto de cosmética.
J.P. - Portimão
# por Anonymous Anónimo : segunda-feira, agosto 06, 2012

 

 

 

"E quem são os prerarados e como vão tomar conta das farm. senhor turco?"

São aqueles que resistirão à concorrência livre, como em qualquer outro sector.
# por Anonymous Jovem Turco : segunda-feira, agosto 06, 2012

 

 

 

A farmácia, por muito que a cartilha liberal diga o contrário, não é um sector como os outros.
Se liberalizarem, haja os cuidados que houver, vai dar origem a um sector muito pior do que temos hoje, onde vai ser impossível encontrar gente bem remunerada (ao contrário do que temos hoje).
Num primeiro momento, irão abrir às centenas, dinamizando o sector das empresas de obras e remodelações de farmácias... Num 2º momento, tal como sucedeu com as parafarmácias, irão encerrar a grande maioria por falta de viabilidade. Claro que, entretanto o Continente, o Jumbo e Pingo-Doce já abriram as suas boticas nos seus centros comerciais e aí sim, meus amigos, vão estar as boas farmácias deste país.
Desengane-se pois quem vê na liberalização a luz que espera para que, no futuro possa ser um bem sucedido proprietário de farmácia. Proprietário sim, agora o sucesso será para muito muito poucos.
# por Blogger Farmasa : segunda-feira, agosto 06, 2012

 

 

 

Gente bem remunerada ó Farmas? De certeza que não se está a referir à geração que tem agora 23-28 anos.
# por Anonymous Anónimo : segunda-feira, agosto 06, 2012

 

 

 

acho piada mas para os donos de farmácia o verdadeiro belzebu é a livre abertura de farmácias. podem descer os preço, descer as margens, acontecer tudo e mais alguma coisa, mas, ai, tudo menos livre abertura de farmácias.
porque será???
# por Anonymous Afonso : terça-feira, agosto 07, 2012

 

 

 

Penso que uma "liberalização" controlada e bem planeada que atribua a propriedade a só uma farmácia por proprietário deixa os "hiperer" de fora.
A questão a resolver será passar esta ideia e serão as muitas farmácias na mão de poucos.
As parafarmácias? Não se confunda alguidares com porcelanas.
De resto, quem não estudar o meio com muito cuidado e não trabalhar assiduamente no que é seu (e ser farmacâutico), merece fechar.
O tempo da árvora das patacas acabou.A coisa agora é só para os bem preparados.
# por Anonymous Anónimo : terça-feira, agosto 07, 2012

 

 

 

Não percebo a aversão a hipers. As mercearias antigas serviam-nos melhor e a mais baixo preço? E as antigas policlínicas melhor que o Hospital da Luz?
# por Anonymous Jovem Turco : terça-feira, agosto 07, 2012

 

 

 

Falando em parafarmácias: aquelas que se estão a safar, estão também a começar saídas importantes em termos de emprego para os profissionais. Pelo menos a avaliar pelos portais de emprego. Haverá aqui uma nova oportunidade para desenvolver a profissão?
Quanto aos decretos em si, dá de facto a impressão de terem sido feitos pelo relvas, doutorado em ventos e mudanças de ares...
# por Blogger GreenMan : terça-feira, agosto 07, 2012

 

 

 

Jovem Turco:
Eu sou contra a concentração de monopólios,e outros poderes.
A pequena farmácia ao pé da porta
serve tão bem como a grande e rica longe, cujo dono tem 4.
A pequena mercearia na minha rua serve-me bem e não gasto gasolina para ir a esses centros de consumo faraónicos que não me conhecem e não me ajudam com um conselho bom e barato.
O pequeno comércio também dá emprego e é factor de vitalidade e união dos locais de habitação.
Vou tomar café na porta ao lado e não ao belmiro a cascos de rolha.
# por Anonymous Anónimo : terça-feira, agosto 07, 2012

 

 

 

1º) Gente bem remunerada sim! Claro que a nova geração não se inclui neste grupo, pois como toda a gente já percebeu o poço de petróleo secou.

2º) @Afonso: A liberalização da abertura de farmácias seria obviamente muito negativa para quem já tem farmácia e, portanto, é normal que não a defendam. Está enganado no entanto quando refere que está tudo bem se os preços descem e a margem desce. O problema começou aí: O negócio em si, já não é sustentável se se mantiver a estrutura de custos que foi constituída. E goste-se ou não, a grande fatia desses custos fixos vem dos custos com pessoal. Como resolver? Despedir? Em muitos casos é caríssimo. Baixar ordenados? Em muitos casos é ilegal. Então? Ah, pronto, resolve-se da maneira mais fácil: Deixem-nas falir que logo ali vêm os salvadores da pátria e criam farmácias ainda melhores. Creio que já ninguém acredita que o D. Sebastião aí vem...

Concordo com quem defende que quem trabalha é que merece o sucesso. Sempre fui um defensor da meritocracia. O problema é que, no actual momento, não chega ser-se muito bom e estar-se muito bem preparado. Mesmo assim a falência pode estar logo ali ao virar da esquina.
# por Blogger Farmasa : terça-feira, agosto 07, 2012

 

 

 

Já agora, liberalização controlada? O que é isso?
Deve ser como o mesmo que "saída controlada do euro"!
Ou é ou não é!
Ou bem que se limita por motivos de saúde pública ou, se se começa a desregular porque se acha que esse bem é menos importante que a liberdade económica, porquê ficar nas meias-tintas?

Se houver liberalização será como mandam as regras. Para tudo e para todos.

A felicidade que por aqui vai haver nesse dia...
# por Blogger Farmasa : terça-feira, agosto 07, 2012

 

 

 

Farmasa:
Há muitas maneiras de matar pulgas.
O que falta por cá são leis a meias tintas.
A "troica" não tem o monopólio da verdade.
Até o sr. Hollande, esse democrata, de promessas vãs,já pressiona Espanha e Itália para salvar a pele.
# por Anonymous Anónimo : terça-feira, agosto 07, 2012

 

 

 

http://cogitare.forumenfermagem.org/2012/08/estudante-de-enfermagem-conquista-medalha-de-prata-nos-jogos-olimpicos-de-londres/
# por Blogger Sérgio Sousa : quarta-feira, agosto 08, 2012

 

 

 

Farmasa já devia estar habituado ao contante apelo à liberalização de farmácia neste blog. Mas aprecio o seu esforço e argumentos.

Mas será que leram o estudo do Pedro Pita Barros?

O engraçado é que os tais liberais políticos mais influentes normalmente não defendem a liberalização deste sector.

E para quem está a trabalhar no sector sabe bem que se trabalha mais e ganha-se menos.

Mas é preferível mandar uns bitaites.
# por Anonymous Who Cares : quinta-feira, agosto 09, 2012

 

 

 

Mas este dr. Peliteiro, priviligeado do sistema, nunca mais acaba as férias?
Alguém tem que trabalhar neste País!
Já chega de mordomia.
A crise...cuidado com a crise... Falam bem mas praticam mal.


# por Anonymous Anónimo : sexta-feira, agosto 17, 2012

 

 

 

Eu há 15 anos que não tenho férias.
Trabalho de dia e de noite como farmácia única para 1800 habitantes,
Maldita a hora em que me meti nisto, a contar com o ovo no cu da galinha!
Há leis inúteis para as aldeias com um farnacêutico a tempo inteiro
respeitador da ética e das boas práticas.
_Cantigas alentejanas-
# por Anonymous Anónimo : sexta-feira, agosto 17, 2012

 

 

 

Caro colega das cantigas alentejanas:
Como o percebo.. Sou o feliz proprietário de 2 parafarmacias e sei o que é trabalhar 6/7 dias por semana. As farmácias nao sao viaveis pq se vive acima do que se pode! Se parafarmacias sao viaveis pq nao serao farmacias? O problema é q sai do corpo e os donos das farmacias nao gostam de trabalhar...
Querem combater o desemprego no sector? Liberalizem a abertura de farmacias limitadas a uma por farmaceutico e verão como não há novamente desemprego na classe! A OF nao defende os interesses dos farmaceuticos mas sim dos donos das farmacias... O dr. Mauricio até me inspirava confiança mas desiludiu-me profundamente...
# por Anonymous Anónimo : terça-feira, setembro 11, 2012

 

 

Enviar um comentário


 

 

 

ARQUIVOS

Maio 2003      Junho 2003      Julho 2003      Agosto 2003      Setembro 2003      Outubro 2003      Novembro 2003      Dezembro 2003      Janeiro 2004      Fevereiro 2004      Março 2004      Abril 2004      Maio 2004      Junho 2004      Julho 2004      Agosto 2004      Setembro 2004      Outubro 2004      Novembro 2004      Dezembro 2004      Janeiro 2005      Fevereiro 2005      Março 2005      Abril 2005      Maio 2005      Junho 2005      Julho 2005      Agosto 2005      Setembro 2005      Outubro 2005      Novembro 2005      Dezembro 2005      Janeiro 2006      Fevereiro 2006      Março 2006      Abril 2006      Maio 2006      Junho 2006      Julho 2006      Agosto 2006      Setembro 2006      Outubro 2006      Novembro 2006      Dezembro 2006      Janeiro 2007      Fevereiro 2007      Março 2007      Abril 2007      Maio 2007      Junho 2007      Julho 2007      Agosto 2007      Setembro 2007      Outubro 2007      Novembro 2007      Dezembro 2007      Janeiro 2008      Fevereiro 2008      Março 2008      Abril 2008      Maio 2008      Junho 2008      Julho 2008      Agosto 2008      Setembro 2008      Outubro 2008      Novembro 2008      Dezembro 2008      Janeiro 2009      Fevereiro 2009      Março 2009      Abril 2009      Maio 2009      Junho 2009      Julho 2009      Agosto 2009      Setembro 2009      Outubro 2009      Novembro 2009      Dezembro 2009      Janeiro 2010      Fevereiro 2010      Março 2010      Abril 2010      Maio 2010      Junho 2010      Julho 2010      Agosto 2010      Setembro 2010      Outubro 2010      Novembro 2010      Dezembro 2010      Janeiro 2011      Fevereiro 2011      Março 2011      Abril 2011      Maio 2011      Junho 2011      Julho 2011      Agosto 2011      Setembro 2011      Outubro 2011      Novembro 2011      Dezembro 2011      Janeiro 2012      Fevereiro 2012      Março 2012      Abril 2012      Maio 2012      Junho 2012      Julho 2012      Agosto 2012      Setembro 2012      Outubro 2012      Novembro 2012      Dezembro 2012      Janeiro 2013      Fevereiro 2013      Março 2013      Abril 2013      Maio 2013      Junho 2013      Julho 2013      Agosto 2013      Setembro 2013      Outubro 2013      Novembro 2013      Dezembro 2013      Janeiro 2014      Fevereiro 2014      Março 2014      Abril 2014      Maio 2014      Junho 2014      Julho 2014      Setembro 2014      Outubro 2014      Novembro 2014      Dezembro 2014      Janeiro 2015      Fevereiro 2015      Março 2015      Abril 2015      Maio 2015      Junho 2015      Julho 2015      Agosto 2015      Setembro 2015      Outubro 2015      Novembro 2015      Dezembro 2015      Janeiro 2016      Fevereiro 2016      Março 2016      Abril 2016      Junho 2016      Julho 2016      Agosto 2016      Setembro 2016      Outubro 2016      Novembro 2016      Dezembro 2016      Janeiro 2017      Fevereiro 2017      Março 2017      Maio 2017      Setembro 2017      Outubro 2017      Dezembro 2017     

 

Perfil de J. Soares Peliteiro
J. Soares Peliteiro's Facebook Profile

 


Directórios de Blogues:


Os mais lidos


Add to Google

 

 

Contactos e perfil do autor

 

 

Portugal
Portuguese flag

Blogues favoritos:


Machado JA

Sezures

Culinária daqui e d'ali

Gravidade intermédia

Do Portugal profundo

Abrupto

Mar Salgado

ALLCARE-management

Entre coutos e coutadas

Médico explica

Pharmacia de serviço

Farmácia Central

Blasfémias

31 da Armada

Câmara Corporativa

O insurgente

Forte Apache

Peopleware

ma-shamba



Ligações:

D. G. Saúde

Portal da Saúde

EMEA

O M S

F D A

C D C

Nature

Science

The Lancet

National library medicine US

A N F

Universidade de Coimbra


Farmacêuticos sem fronteiras

Farmacêuticos mundi


This page is powered by Blogger. Isn't yours?

Creative Commons License
Licença Creative Commons.