<$BlogRSDUrl$> Impressões de um Boticário de Província
lTradutor Translator
Amanita muscaria

Impressões de um Boticário de Província

Desde 2003


quarta-feira, 4 de julho de 2012

Vai uma aposta 

que ninguém vai efectivamente preso ou até que alguém terá alguma suspensão da sua carteira profissional?

"Dois médicos, cinco delegados de informação médica e dois armazenistas entre os detidos" (link)

Pior ainda é que, seguramente nenhum dos envolvidos vai devolver nem de perto nem de longe aquilo que roubaram a todos nós. Os valores aqui envolvidos são escandalosos.
Em 2009, fiz um post " Delegados de Propaganda Médica - Um Imposto* que todos pagamos!" que deu que falar (ou comentar). A mensagem intrínseca desse post era exactamente isto que foi agora descoberto. Que os DIMs* são apenas os pivots de toda a promiscuidade e da corrupção no sistema de saúde. Para que mais serviria uma profissão destas?

* Mais uma vez reitero que a culpa não é do DIM, como pessoa individual que quer ganhar o seu e que apenas segue ordens. Muito mais culpa que eles têm a indústria farmacêutica, os médicos e farmacêuticos que deveriam ter outros padrões de ética.


Em jeito de contraste fica aqui este exemplo que aconteceu por estas bandas:

Pharmacist suspended for dishonest use of Tesco Clubcard

Adoro ver o rigor e eficiência com que a ordem dos farmacêuticos Britânica disciplina os seus profissionais. Toda a santa semana há farmacêuticos suspensos ou expulsos a título definitivo da profissão. E para isso não é necessário muito. Por exemplo basta ser apanhado a conduzir com excesso de álcool para ser suspenso da profissão.
Um farmacêutico com quem trabalhava uma vez por semana foi suspenso por 12 meses após ter levado "acidentalmente" para casa uma caixa de diazepam da farmácia onde era proprietário!Além de uma suspensão de 12 meses que ainda decorre e que poderá ser prolongada, viu-se obrigado e vender a sua parte da farmácia aos outros sócios.

O caso sobre o qual meti o link acima mostra bem o rigor e a autoridade do organismo regulador da profissão, Nesse caso o farmacêutico usou o cartão pessoal de pontos do supermercado (tipo cartão do continente) para acumular pontos em vendas de produtos da farmácia aos seus clientes. Estima-se que terá ganho um valor na ordem dos 25£ (!! uma fortuna portanto), o que lhe valeu uma suspensão da ordem dos farmacêuticos (e provavelmente danos posteriores para a carreira).

O moral desta história (e olhando ao nome desta farmacêutica) é que a chico-espertice portuguesa é uma estratégia que apenas compensa se aplicada dentro de fronteiras.

£25 vs €100,000,000. Vamos ver em qual dos casos a suspensão da carteira profissional será maior.

___________________________
Texto do Eugénio no migrant_script

Peliteiro,   às  23:09

Comentários:

 

Compreendo a mensagem que tentou veicular e concordo que de facto a regulação da profissão em Portugal, bem como a supervisão dos diferentes players do sector do medicamento em Portugal deixam muito a desejar. Não será culpa da maioria dos Farmacêuticos portugueses decerto.

No entanto, a bacoquice da figura do que vem de fora é que é bom, enquanto Português, causa me alguma espécie. Especialmente, sendo as justificações e os exemplos apresentadas como os mais correctos, justos ou detentores da verdade absoluta.

Em primeiro lugar, conforme é possível verificar na caixa de comentários da notícia da Tesco, a medida de coacção aplicada é largamente repudiada pela maioria. Duvido que representem a minoria silenciosa dos Farmacêuticos do GPhC, dada a injustiça e falta de bom senso. Não lhe chamaria autoridade e rigor, mas sim autoritarismo e excesso de zelo.

Em segundo lugar, a punição de actos ilicítos, contrários à ética profissional ou criminosos no contexto de trabalho devem ser adequadamente punidos (e sublinho adequadamente)e é de salutar. Congratular-se com a intromissão na esfera da vida privada é triste, nomeadamente no caso da condução com excesso de álcool (contra-ordenação ou crime que será julgado em causa e sede própria, parte do direito civil) e considerar que isso se deve reflectir de modo tão dramático (suspensão) na vida profissional do individuo vai contra os seus direitos naturais. A punição adequada deve sempre reflectir-se no contexto onde foi cometido o ilícito (ou seja na prática de condução). In extremis, deve-se aceitar que alguém que cometa homicídio qualificado, cumpra a pena imposta pela sociedade, e regresse à vida activa, não possa exercer profissionalmente mais que o cargo de pedreiro ou lixeiro (com o devido respeito para as profissões em causa)?

Em terceiro, irrita-me um emigrante falar de chico-espertice portuguesa, quando a chico-espertice britânica também grassa pelas farmácias britânicas, e muitas vezes são também os farmacêuticos britânicos que as sofrem na pele, principalmente nas grandes cadeias. Por isso deixe lá os moralismos, ou informe-se melhor do que se passa no seu país e no contexto da sua profissão. Como se fosse muito difícil retirar MSRM/POM (se esse colega foi apanhado ou é burro ou alguém "bufou", se calhar os mesmos que agora são sócios) de uma farmácia britânica sem receita, fazer exportação paralela ou utilizar esquemas de sobrefacturação de receituário. Mas se não conhece chico-espertos britânicos veja quem são alguns dos arguidos do caso Freeport por exemplo.

Por último, gosto especialmente da demogogia barata da frase final "£25 vs 100 000 000 €". Carvalho da Silva ou Louçã não teriam dito melhor.

 

 

 

Espero sinceramente que Portugal começe a adotar medidas punitivas celeres e exemplares, mas a todos os cidadaos.
Para mim, p.e. alegar doença para faltar ao trabalho voluntariamente também é fraude e deve ser punida celere e exemplarmente.
O nacional-porreirismo ou os brandos costumes dos portugueses sempre me incomodou.
Um terrorista em Portugal que tire a vida a uma multidão, de 10, 100 ou 1000 pessoas, tem uma pena maxima de 25 anos.
Proporcionalmente a fraude não deveria sequer incluir prisao efetiva. Deve haver coerencia e proporcionalidade.
# por Anonymous Carlos F : quinta-feira, julho 05, 2012

 

 

 

«veja quem são alguns dos arguidos do caso Freeport por exemplo.»

Caramba Austríaco, que mau exemplo para sustentar a sua tese; o caso Freeport ilustra precisamente a impunidade dos vigaristas portugueses: neste caso há corruptores mas não há corruptos!
# por Blogger Peliteiro : quinta-feira, julho 05, 2012

 

 

 

"Pharmacist Sofia Silva Brito Leonardo Rosa..."

Vejam bem, vejam bem. Típica chico-espertice 'tuga... Tramou-se! LOL!
# por Anonymous Anónimo : quinta-feira, julho 05, 2012

 

 

 

Aceito que o exemplo não seja o melhor,mas isso não retira validade à tese. Quem praticou a corrupção activa é um chico-esperto britânico. Pode ter sido dos ares do ALLgarve :)
# por Anonymous Austríaco : quinta-feira, julho 05, 2012

 

 

Enviar um comentário


 

 

 

ARQUIVOS

Maio 2003      Junho 2003      Julho 2003      Agosto 2003      Setembro 2003      Outubro 2003      Novembro 2003      Dezembro 2003      Janeiro 2004      Fevereiro 2004      Março 2004      Abril 2004      Maio 2004      Junho 2004      Julho 2004      Agosto 2004      Setembro 2004      Outubro 2004      Novembro 2004      Dezembro 2004      Janeiro 2005      Fevereiro 2005      Março 2005      Abril 2005      Maio 2005      Junho 2005      Julho 2005      Agosto 2005      Setembro 2005      Outubro 2005      Novembro 2005      Dezembro 2005      Janeiro 2006      Fevereiro 2006      Março 2006      Abril 2006      Maio 2006      Junho 2006      Julho 2006      Agosto 2006      Setembro 2006      Outubro 2006      Novembro 2006      Dezembro 2006      Janeiro 2007      Fevereiro 2007      Março 2007      Abril 2007      Maio 2007      Junho 2007      Julho 2007      Agosto 2007      Setembro 2007      Outubro 2007      Novembro 2007      Dezembro 2007      Janeiro 2008      Fevereiro 2008      Março 2008      Abril 2008      Maio 2008      Junho 2008      Julho 2008      Agosto 2008      Setembro 2008      Outubro 2008      Novembro 2008      Dezembro 2008      Janeiro 2009      Fevereiro 2009      Março 2009      Abril 2009      Maio 2009      Junho 2009      Julho 2009      Agosto 2009      Setembro 2009      Outubro 2009      Novembro 2009      Dezembro 2009      Janeiro 2010      Fevereiro 2010      Março 2010      Abril 2010      Maio 2010      Junho 2010      Julho 2010      Agosto 2010      Setembro 2010      Outubro 2010      Novembro 2010      Dezembro 2010      Janeiro 2011      Fevereiro 2011      Março 2011      Abril 2011      Maio 2011      Junho 2011      Julho 2011      Agosto 2011      Setembro 2011      Outubro 2011      Novembro 2011      Dezembro 2011      Janeiro 2012      Fevereiro 2012      Março 2012      Abril 2012      Maio 2012      Junho 2012      Julho 2012      Agosto 2012      Setembro 2012      Outubro 2012      Novembro 2012      Dezembro 2012      Janeiro 2013      Fevereiro 2013      Março 2013      Abril 2013      Maio 2013      Junho 2013      Julho 2013      Agosto 2013      Setembro 2013      Outubro 2013      Novembro 2013      Dezembro 2013      Janeiro 2014      Fevereiro 2014      Março 2014      Abril 2014      Maio 2014      Junho 2014      Julho 2014      Setembro 2014      Outubro 2014      Novembro 2014      Dezembro 2014      Janeiro 2015      Fevereiro 2015      Março 2015      Abril 2015      Maio 2015      Junho 2015      Julho 2015      Agosto 2015      Setembro 2015      Outubro 2015      Novembro 2015      Dezembro 2015      Janeiro 2016      Fevereiro 2016      Março 2016      Abril 2016      Junho 2016      Julho 2016      Agosto 2016      Setembro 2016      Outubro 2016      Novembro 2016      Dezembro 2016      Janeiro 2017      Fevereiro 2017      Março 2017      Maio 2017      Setembro 2017      Outubro 2017     

 

Perfil de J. Soares Peliteiro
J. Soares Peliteiro's Facebook Profile

 


Directórios de Blogues:


Os mais lidos


Add to Google

 

 

Contactos e perfil do autor

 

 

Portugal
Portuguese flag

Blogues favoritos:


Machado JA

Sezures

Culinária daqui e d'ali

Gravidade intermédia

Do Portugal profundo

Abrupto

Mar Salgado

ALLCARE-management

Entre coutos e coutadas

Médico explica

Pharmacia de serviço

Farmácia Central

Blasfémias

31 da Armada

Câmara Corporativa

O insurgente

Forte Apache

Peopleware

ma-shamba



Ligações:

D. G. Saúde

Portal da Saúde

EMEA

O M S

F D A

C D C

Nature

Science

The Lancet

National library medicine US

A N F

Universidade de Coimbra


Farmacêuticos sem fronteiras

Farmacêuticos mundi


This page is powered by Blogger. Isn't yours?

Creative Commons License
Licença Creative Commons.