<$BlogRSDUrl$> Impressões de um Boticário de Província
lTradutor Translator
Amanita muscaria

Impressões de um Boticário de Província

Desde 2003


terça-feira, 27 de março de 2012

Pela limitação da propriedade de farmácia 

Os "investidores" são uma consequência imediata da socialista liberalização da propriedade de farmácia, em 2007. Em favor dessa liberalização muitos argumentaram não ser lógico esperar que os proprietários não farmacêuticos fossem mais honestos ou mais éticos que os farmacêuticos.
Pois não será, mas agora, passados 5 anos, dêem-me uma única vantagem trazida pelo novo regime de liberalização. Uma.
Os jornais tem apresentado muitas desvantagens, por exemplo esta:

«Operação anti-fraude em farmácias apreendeu um iate e 14 carros de luxo.
O processo iniciava-se com a aquisição de farmácias, nalguns casos mais do que as 4 permitidas por lei, através de «testas de ferro»


Etiquetas:


Peliteiro,   às  21:42

Comentários:

 

PS- Os armazenistas andam mesmo a dormir na forma.

 

 

 

Também a constante queda dos preços deu para acentuar as trafulhices.

Mas creio que o problema apareceu de outro lado.

As farmácias eram e ainda continuam na sua grande parte a ser, negócios familiares. Ora a saúde das farmácias era do interesse das próprias famílias e não de alguém que vinha de "fora" com o sentimento de máximo lucro possível.

Claro que posso estar enganado.

No entanto a formação farmacêutica nas faculdades e o constante apelo ao serviço para o utente também poderão minimizar a ganância das pessoas, neste caso farmacêuticos.
# por Anonymous Who Cares : terça-feira, março 27, 2012

 

 

 

«Também a constante queda dos preços deu para acentuar as trafulhices.»

Aí usa-se o argumento: Então acha que ganhar menos induz a roubar mais?
Eu, que ganho pouco, acho isso insultuoso!
# por Blogger O Peliteiro : terça-feira, março 27, 2012

 

 

 

Caso não fosse um cidadao em pleno das minhas capacidades, tanto nos direitos, como nos deveres, hoje estaria a rir como um perdido. Eu e mais quantos companheiros da luta pela indivisibilidade da propriedade e direção técnica da farmácia, onde se inclui o Jorge Peliteiro, o Paulo Aguiar, a Piedade, a Narcisa, a Isabel Apolinario, o Pedro Amaro e tantos outros que não caberiam neste espaço. Também os grandes amigos da causa, Profs. Mario Frota e Pinho Brojo, este ultimo já falecido.
Infelizmente o povo portugues só sabe aquilo que é fácil de entender ou aquilo que dá jeito saber. Caso contrario perceberia que associar a direção tecnica à propriedade, garante uma melhor qualidade na prestação de cuidados farmaceuticos, mas não menos importante, garante que a atividade profissional não pode resvalar para o inadmissivel do ponto de vista etico, como é o caso presente. Caso isto tivesse acontecido(muito pouco provavel) com a direção tecnica, o epilogo seria deixarem de exercer a profissão, que ninguem arrisca, como é obvio.
É verdade que o Estado, atraves de decisores populistas e por consequencia irresponsaveis, tambem promove a fraude ao colocar produtos gratuitos à disposição de grupos de cidadaos, que sem controlo da sua utilização, permite que pessoas sem escrupulos(de todas as profissoes e estratos sociais, diga-se)os usem fraudulentamente.
# por Anonymous Carlos F : quarta-feira, março 28, 2012

 

 

 

Pacífico. Hoje, com proprietários não farmacêuticos, "pintam-se" 14 carros de luxo a meia dúzia de palonços; antigamente, com proprietários farmacêuticos, xulava-se o estado e milhares de doentes. É lícito.

Por mais que apregoe os seus argumentos racionais...
# por Anonymous Anónimo : quarta-feira, março 28, 2012

 

 

 

De acordo, no essencial com os comentadores anteriores, nomeadamente Who Cares, Peliteiro e Carlos F.
Quanto ao "Palonço", imediatamente acima, será que quis dizer que se forem proprietários farmacêuticos a "chular" o Estado é lícito; se forem proprietários não farmacêuticos é tudo "pintado" ?
Um Palonço com muita "pinta", pelo vernáculo...
# por Anonymous Anónimo : quarta-feira, março 28, 2012

 

 

 

Percebeu mal onde queria chegar caro Peliteiro.

Não estava a associar a quantidade de ganhos a trafulhices.

Estava a associar a perda de rentabilidade a trafulhices. À que manter um certo nível socioeconómico que foi alcançado e quem tem pouca ética é compelido a fazê-lo quando tem perda de rendimento. Entram numa situação em que pouco têm a perder.


Claro que não estou a generalizar, isto são casos pontuais, felizmente.

Mas também é verdade desde que liberalizaram a propriedade de farmácia que passou a acorrer actos pouco éticos e morais regularmente.
# por Anonymous Who Cares : quarta-feira, março 28, 2012

 

 

 

Conversa... os actos pouco
eticos já existiam antes. Podem continuar a tapar o sol com a peneira, mas falsas propriedades já existiam antes, usando o mesmo esquema dos testas de ferro. E também isto só acontece porque existem farmacêuticos que não se importam em participar em trafulhices. Onde anda a Ordem quando é preciso aplicar os dinheiros das quotas?
# por Blogger GreenMan : quarta-feira, março 28, 2012

 

 

 

Meus caros, o tipo por detrás disto é FARMACÊUTICO! Antes da liberalização já coisas semelhantes sucediam...
# por Anonymous Anónimo : quarta-feira, março 28, 2012

 

 

 

Meus caros, o tipo por detrás disto é FARMACÊUTICO! Antes da liberalização já coisas semelhantes sucediam... A trafulhice sempre abundou no sector da farmácia, e muito provavelmente por serem os tais "negócios familiares" que os caríssimos tanto amam.
# por Anonymous Estagiário : quarta-feira, março 28, 2012

 

 

 

Touché, Estagiário, touché....
# por Blogger GreenMan : quarta-feira, março 28, 2012

 

 

 

Sr. Carlos F.

"associar a direção tecnica à propriedade, garante uma melhor qualidade na prestação de cuidados farmaceuticos" - não, não garante.
Pelos estudos que existem (e que já aqui coloquei), esta associação só tem uma vantagem: com farmácias mais pequenas e mais próximas, cria-se uma sensação de maior proximidade com a população e é por isso mais respeitada do que a opção "farmácia de supermercado". De resto, é uma opção menos eficiente. Para a pessoa que visita a pequena farmácia do bairro, pouco importa que o dono seja ou não farmacêutico, desde que seja atendida com qualidade.
Falando em qualidade, seria importante não confundir as coisas. Esta depende muito da política do proprietário, e tendo em conta que a larga maioria das farmácias ainda pertencem a farmacêuticos, se realmente isso fosse verdade, seria uma coisa que nem se discutia. O facto de se discutir revela por si só que a qualidade pode não ser tão boa como se pensa.
# por Blogger GreenMan : quarta-feira, março 28, 2012

 

 

 

Tudo isto tem um remédio: Liberalização de instalação.
# por Anonymous Anónimo : quarta-feira, março 28, 2012

 

 

 

Fraudes destas não eram noticiadas antes da liberalização, portanto atirarem isso para o ar a ver se pega é Wishful thinking.

Pode colocar aqui outras vez esses seus estudos para ver a credibilidade dos argumentos, GreenMan?

Do resto dos comentários continua-se a perceber que o tal anónimo, estagiário (Que vai variando consoante quer) não é farmacêutico. Está bastante patente nas suas palavras.
# por Anonymous Who Cares : quarta-feira, março 28, 2012

 

 

 

E só para farmacêuticos, é escusado dizer.
# por Anonymous Anónimo : quarta-feira, março 28, 2012

 

 

 

Por acaso até já sou farmacêutico, ó WhoCares, apesar de ainda assinar Estagiário. Mas lá por ser não tenho de razar na mesma capelinha que vossa excelência.
# por Anonymous Estagiário : quarta-feira, março 28, 2012

 

 

 

Em relação à propriedade de farmácia:

Almarsdottir AB, Morgall JM, Bjornsdottir I. A question of emphasis: efficiency or equality in the provision of pharmaceuticals. Int J Health Plann Manage. 2000 Apr-Jun;15(2):149-61.

LLUCH, M. 2009. Are regulations of community pharmacies in Europe questioning our pro-competitive policies? Eurohealth, 15, 3.

LLUCH, M. & KANAVOS, P. 2010. Impact of regulation of Community Pharmacies on efficiency, access and equity. Evidence from the UK and Spain. Health Policy, 95, 245-54.

MORGALL, J. M. & ALMARSDOTTIR, A. B. 1999. No struggle, no strength: how pharmacists lost their monopoly. Soc Sci Med, 48, 1247-58.

A discussão anda sempre em torno da eficiência/equidade de acesso/qualidade do serviço. E claro do poder que se perde quando um monopólio profissional é derrubado.
Temo que se tenha andado a perder tempo desde há uns bons 20 anos com esta discussão, quando se calhar importava mais discutir como é que se faz a transição para um modelo baseado na remuneração por serviços. Isto assumindo que é isso que queremos do nosso futuro, e não apenas ser vendedores de produtos de saúde diversos.

Sobre isto da remuneração dos serviços encontrei este artigo:

Hong SH, Spadaro D, West D, Tak SH.2005. Patient valuation of pharmacist services for self care with OTC medications.J Clin Pharm Ther. 2005 Jun;30(3):193-9.

Citando: "Grocery drug store (e.g.
Kroger) patrons were most willing to pay (68,75%),
closely followed by chain drug store (e.g. Walgreens)
patrons. Patrons of independent community
pharmacy were ranked distant third (53,13%)."
Feito nos Estados Unidos, onde sabemos como são as questões da propriedade, levanta uma pista interessante: aparentemente, os clientes de farmácias de cadeias estão mais disponíveis para pagar por serviços de aconselhamento do que os clientes de farmácias independentes.

Devemos reflectir nisto ou é mais importante continuar a discutir o dr. Guerreiro e o seu iate, 14 carros de luxo e a manutenção de um certo status quo por parte de uma cada vez mais minoritária parte da profissão?
# por Blogger GreenMan : quarta-feira, março 28, 2012

 

 

 

O problema está na posição de monopólio privado e não na diversificação da propriedade!
Acho até que aquilo que tanto diz respeito à vida humana não deveria ser objecto de comércio... particular!
# por Blogger mfc : quarta-feira, março 28, 2012

 

 

 

O greenman tanto leu que tresleu.
Como os governos :estudos e maís estudos. Cada um para seu gosto.
Concordo com a liberdade de instalação só para farmacêuticos.
Depois, quem tem unhas toca guitarra!
# por Anonymous Anónimo : quarta-feira, março 28, 2012

 

 

 

GreenMan, gabo-lhe o esforço por utilizar argumentos cientificos mas olhe que são perolas para porcos.
# por Anonymous Anónimo : quarta-feira, março 28, 2012

 

 

 

As farmácias já não têm ponta por onde se pegue.
A desregulação é total e as inspeções para inglês ver.
Isto não vai lá com pérolas a porcos.
Porca é a falta de ideias e de vontade.
A Ordem e a ANF mergulharam em apatia e impotência.
Faz falta uma revolução nas farmácias.
# por Anonymous Anónimo : quarta-feira, março 28, 2012

 

 

 

«GreenMan, gabo-lhe o esforço por utilizar argumentos cientificos mas olhe que são perolas para porcos.»

Então eu sou um porco! ;)
Estudos em ciências não exactas e pareceres de direito são para todos os gostos e dependem de quem pagar mais. (A AdC também pagou um estudo à Católica...). O que é certo é que a liberal CE reconheceu já - baseado noutros estudos, por certo - que a propriedade de farmácia pode ser mantida em exclusividade por farmacêuticos por razões de saúde pública em 2008* e em 2009**, «com o objectivo de "assegurar um fornecimento seguro e de qualidade de medicamentos à população".»

De qualquer dos modos, julgo que as conversas não se centram na questão que pretendi abordar: Que balanço das vantagens para o país da liberalização da propriedade de farmácia, nestes 5 anos? Conhecem algum caso antes de 2007 da dimensão deste e daqueloutros que têm vindo a lume recentemente? Factos, se faz favor e não estudos de treta.

_____________
* http://www.peliteiro.com/2008/12/legtimo-que-s-os-farmacuticos-possam.html
** http://www.peliteiro.com/2009/05/propriedade-de-farmacia-pode-ser.html
# por Blogger O Peliteiro : quarta-feira, março 28, 2012

 

 

 

Estou à procura do meu primeiro emprego, e das PARCAS propostas que existem para farmácia comunitária, eis o tipo de linguagem que, invariavelmente, surge:

"Farmácia em Queluz (linha de Sintra), admite Farmacêutica(o), com experiência de Balcão, forte componente comercial, conhecimentos em Sifarma 2000 e com disponibilidade para rotação de horários, incluindo Sábados e Domingos.
Valoriza-se experiência de Vendas em Farmácia. Disponibilidade Imediata (admissão até 15 de Março). Agradecemos resposta APENAS de Farmacêuticas/os com Experiência (Balcão/Vendas)"

Já nem se fala em dispensar, aconselhar, prestar cuidados. É VENDER. Já antes da liberalização assim o era. Que tipo de formação esta gente?! Profissional de saúde OU vendedor? Decepcionante.
# por Anonymous Estagiário : quarta-feira, março 28, 2012

 

 

 

E quando antes da liberalização as farmácias eram propriedade de famílias de não farmacêuticos que utilizavam testas de ferro e a gestão danosa destas mesmas famílias levou farmácias às ruínas e o farmacêutico proprietário enterrado em dívidas de milhões?

Infelizmente as ilegalidades escondidas sempre cá estiveram.

Há uns anos tinha opinião contrária, mas agora defendo uma liberalização de abertura. Sinceramente, a farmácia comunitária em Portugal é uma anedota e a melhor decisão que tomei foi deixar de ser farmacêutico comunitário e empregar o meu know how numa área onde não sou desrespeitado.
# por Anonymous Anónimo : quinta-feira, março 29, 2012

 

 

 

Não achincalhemos as ciências sociais, que a Economia também é uma delas...

Se tivesse lido o artigo de 2010, onde se compara o sistema do UK com Espanha, teria percebido que esse reconhecimento da CE já foi tido em conta. E em nenhum artigo se advoga que um sistema é melhor que o outro, apenas os comparam em termos de pontos fortes e fracos, vantagens e desvantagens. Quem decide que sistema quer são os políticos, e já percebemos que esta é uma área em que os interesses falam sempre muito alto.

As vantagens da liberalização como foi feita não foram muitas, tirando o facto de ter baixado os preços dos MNSRM e ter permitido poupanças nas compras de medicamentos por grosso para aquelas farmácias que passaram a ter o mesmo proprietário. Poupanças que podiam ser em "géneros" ou descontos, que podiam chegar ao utente ou ficar no bolso do proprietário dependendo do nível de concorrência das farmácias da zona... No fundo, a principal vantagem que houve foi para os utentes, na possível diminuição suas facturas mensais. A mim, como cidadão, parece-me uma vantagem importante.
Desvantagens também houve, desde ter feito disparar o preço das farmácias até ao facilitismo de casos como este.
Outros há, como o caso daquele ajudante-técnico que era proprietário de farmácia antes de 2007 e tinha de recorrer ao mesmo esquema de contratar farmacêuticos como fachada, até que teve o filho a estudar numa privada. Mas claro, tudo rumores...que não passam de rumores até a PJ chegar ao fim dos casos, passando (ou não) a factos.
Como casos destes escapam ao INFARMED e a outras autoridades durante anos, é que é uma coisa que nos devia preocupar.
# por Blogger GreenMan : quinta-feira, março 29, 2012

 

 

 

"é aí que entra Bruno Lourenço, também constituído arguido e alvo de buscas. Nos últimos meses ele e um grupo de INVESTIDORES assumiram o controlo da maioria das farmácias, através de contratos de exploração."
# por Anonymous pITTA bARROS : quinta-feira, março 29, 2012

 

 

 

O Dr. Peliteiro tem razão, quem anda a gerir os armazenistas???

«As instalações de Lisboa e Porto da distribuidora Alliance Healthcare foram terça-feira alvo de buscas da PJ no âmbito da fraude que envolve farmácias»

Que nabos!
# por Anonymous Síncope : quinta-feira, março 29, 2012

 

 

 

A Alliance? Mas a ANF não tinha lá uma quota?

Acho que toda a gente sabe quem anda a gerir os armazenistas, e pelos vistos, a PJ também.
# por Blogger GreenMan : quinta-feira, março 29, 2012

 

 

Enviar um comentário


 

 

 

ARQUIVOS

Maio 2003      Junho 2003      Julho 2003      Agosto 2003      Setembro 2003      Outubro 2003      Novembro 2003      Dezembro 2003      Janeiro 2004      Fevereiro 2004      Março 2004      Abril 2004      Maio 2004      Junho 2004      Julho 2004      Agosto 2004      Setembro 2004      Outubro 2004      Novembro 2004      Dezembro 2004      Janeiro 2005      Fevereiro 2005      Março 2005      Abril 2005      Maio 2005      Junho 2005      Julho 2005      Agosto 2005      Setembro 2005      Outubro 2005      Novembro 2005      Dezembro 2005      Janeiro 2006      Fevereiro 2006      Março 2006      Abril 2006      Maio 2006      Junho 2006      Julho 2006      Agosto 2006      Setembro 2006      Outubro 2006      Novembro 2006      Dezembro 2006      Janeiro 2007      Fevereiro 2007      Março 2007      Abril 2007      Maio 2007      Junho 2007      Julho 2007      Agosto 2007      Setembro 2007      Outubro 2007      Novembro 2007      Dezembro 2007      Janeiro 2008      Fevereiro 2008      Março 2008      Abril 2008      Maio 2008      Junho 2008      Julho 2008      Agosto 2008      Setembro 2008      Outubro 2008      Novembro 2008      Dezembro 2008      Janeiro 2009      Fevereiro 2009      Março 2009      Abril 2009      Maio 2009      Junho 2009      Julho 2009      Agosto 2009      Setembro 2009      Outubro 2009      Novembro 2009      Dezembro 2009      Janeiro 2010      Fevereiro 2010      Março 2010      Abril 2010      Maio 2010      Junho 2010      Julho 2010      Agosto 2010      Setembro 2010      Outubro 2010      Novembro 2010      Dezembro 2010      Janeiro 2011      Fevereiro 2011      Março 2011      Abril 2011      Maio 2011      Junho 2011      Julho 2011      Agosto 2011      Setembro 2011      Outubro 2011      Novembro 2011      Dezembro 2011      Janeiro 2012      Fevereiro 2012      Março 2012      Abril 2012      Maio 2012      Junho 2012      Julho 2012      Agosto 2012      Setembro 2012      Outubro 2012      Novembro 2012      Dezembro 2012      Janeiro 2013      Fevereiro 2013      Março 2013      Abril 2013      Maio 2013      Junho 2013      Julho 2013      Agosto 2013      Setembro 2013      Outubro 2013      Novembro 2013      Dezembro 2013      Janeiro 2014      Fevereiro 2014      Março 2014      Abril 2014      Maio 2014      Junho 2014      Julho 2014      Setembro 2014      Outubro 2014      Novembro 2014      Dezembro 2014      Janeiro 2015      Fevereiro 2015      Março 2015      Abril 2015      Maio 2015      Junho 2015      Julho 2015      Agosto 2015      Setembro 2015      Outubro 2015      Novembro 2015      Dezembro 2015      Janeiro 2016      Fevereiro 2016      Março 2016      Abril 2016      Junho 2016      Julho 2016      Agosto 2016      Setembro 2016      Outubro 2016      Novembro 2016      Dezembro 2016      Janeiro 2017      Fevereiro 2017      Março 2017      Maio 2017      Setembro 2017      Outubro 2017     

 

Perfil de J. Soares Peliteiro
J. Soares Peliteiro's Facebook Profile

 


Directórios de Blogues:


Os mais lidos


Add to Google

 

 

Contactos e perfil do autor

 

 

Portugal
Portuguese flag

Blogues favoritos:


Machado JA

Sezures

Culinária daqui e d'ali

Gravidade intermédia

Do Portugal profundo

Abrupto

Mar Salgado

ALLCARE-management

Entre coutos e coutadas

Médico explica

Pharmacia de serviço

Farmácia Central

Blasfémias

31 da Armada

Câmara Corporativa

O insurgente

Forte Apache

Peopleware

ma-shamba



Ligações:

D. G. Saúde

Portal da Saúde

EMEA

O M S

F D A

C D C

Nature

Science

The Lancet

National library medicine US

A N F

Universidade de Coimbra


Farmacêuticos sem fronteiras

Farmacêuticos mundi


This page is powered by Blogger. Isn't yours?

Creative Commons License
Licença Creative Commons.