<$BlogRSDUrl$> Impressões de um Boticário de Província
lTradutor Translator
Amanita muscaria

Impressões de um Boticário de Província

Desde 2003


domingo, 31 de janeiro de 2010

Nação valente 

31 de Janeiro
No 31 de Janeiro de 1891 já se pode ter a percepção de alguns dos traços fundamentais do português contemporâneo e dos actuais valores republicanos:

«Os revoltosos subiram depois pela rua de S. António, em direcção ao quartel general. Quando a Guarda Municipal, na praça da Batalha, respondeu a tiro, a revolta desfez-se. Os sublevados, na sua debandada, deixaram um rasto de sapatos e de chapéus pela rua abaixo. Às dez da manhã, renderam-se, apesar de terem o dobro dos efectivos da Guarda.
(...)

Sobre a revolta no Porto, Teófilo Braga dizia ter sido feita com "dinheirinho da polícia".»
Rui Ramos, historiador.

Peliteiro,   às  20:08

Comentários:

 

Nada tenho contra a républica actual ou anteriores, em certa medida partilho dos valores republicanos só não estou de acordo que a simbologia republicana tenha sido imposta como sendo a nacional, como acontece com a actual bandeira com as cores republicanas (verde/rubro) impostas como sendo as nacionais.

As cores de Portugal sempre foram o azul e o branco e a beleza/ elegância daquela bandeira com mais de 800 anos de existência, desde os tempos do condado portucalense é inquestionavel e contrariamente ao que os republicanos tentam passar esta bandeira não é a bandeira da monarquia mas sim a verdadeira bandeira de Portugal, a bandeira verde e vermelha é que não é a bandeira de Portugal mas sim a bandeira da républica.

Espanha, França, Italia, Brasil e praticamente todos os demais paises onde houve monarquia e agora existe républica (ou vice-versa)sempre mantiveram as suas cores originais porque elas são a identidade de uma nação e não a identidade de um regime politico, quem confunde as cores partidarias com as da nação são os comunistas e alguns portugueses fanáticos.
jlv

 

 

 

Ao anterior anónimo.
Pode haver aí muita boa vontade mas abunda a ignorância.
As cores nacionais nem sempre foram o azul e o branco. O verde e o vermelho já fizeram parte do estandarte nacional, embora separadamente (realmente o vermelho e o verde não combinam muito bem)
Na Espanha, a bandeira da curta República (é assim que se escreve!) era muito diferente da da Monarquia, inclusive nas cores.
Diga-me quais os países que tiveram regimes comunistas que mudaram as cores das bandeiras nacionais? Além da União Soviética, que trocou o estandarte imperial por uma nova bandeira que representava uma União de Repúblicas, e da China, que trocou a bandeira sabe-se lá por quê? (nunca entendi os chineses maoistas, talvez o Durão Barroso, o Pacheco Pereira ou a Celeste Cardona possam elucidar sobre o assunto).
A título de exemplo os alemães também trocaram as cores da bandeira com o final do Império Alemão, em 1918, não consta que houvesse aí dedo de comunistas ou de alguns portugueses.
Arre que os comunistas ainda fazem cada comichão.
Dr. Peliteiro! O que há para os pruridos?
# por Anonymous Anónimo : segunda-feira, fevereiro 01, 2010

 

 

 

Realmente o estandarte azul e branco foi o primeiro símbolo nacional. Foi trazido por D. Henrique da sua terra natal: França. Ao que parece, D. Henrique não terá dedicado muito tempo ao seu Condado Portucalense, tendo inclusive morrido em Castela.
Felizmente, houve uma época em que os habitantes deste pedacinho de terra ainda tinham alguma imaginação. Não comiam tudo o que vinha de fora e logo começaram a acrescentar os coloridos típicos do Minho, das Beiras, do Algarve, etc. aos símbolos nacionais.
E nasceu uma bandeira. A nossa!
Já agora, não houve nenhum país no Hemisfério Ocidental, tirando a excepção que confirma a regra da URSS, em que a transição para um regime socialista (nunca conheci nenhum país comunista) implicasse uma mudança das cores nacionais! Desde TODOS os países do Leste da Europa até à América Latina - incluíndo Cuba, Nicarágua e mais recentemente Venezuela e Bolívia - nenhum governo de inspiração socialista trocou as cores do seu país.
Deve ser mesmo "defeito" exclusivo de "alguns" (a maioria) dos portugueses.
PS: Se Manuel Buíça fosse Norte-Americano ou Britânico sería mundialmente conhecido, com direito a meia dúzia de Best-Sellers e adaptações ao cinema dignas de Oscars.
# por Anonymous Anónimo : segunda-feira, fevereiro 01, 2010

 

 

 

o problema da nossa republica é que há muitos republicanos, alguns até são laicos e socialistas, que se comportam com autênticos reizinhos...e há uma especie rara desses burgueses com titulo nobiliárquico adrede obtidos que querem ser até presidentes da república...
# por Blogger RENATOGOMESPEREIRA : segunda-feira, fevereiro 01, 2010

 

 

 

Lamentável este insulto aos revoltosos do 31 de Janeiro, à República, aos Portuenses e aos Portugueses. Uma infâmia!
Vá chamar cobarde à sua avó!
# por Anonymous Antero : segunda-feira, fevereiro 01, 2010

 

 

 

Que mais querem que a Russia (ou URSS) e a China? não são esses os grandes paises do comunismo?, não é verdade que confundiram as cores nacionais com as do regime politico?, onde está a ignorância?

Se outros comunistas souberam preservar as suas cores nacionais, ainda bem que tiveram lucidez para o fazer!...

Estou farto de falsos sabichões que por tudo e por nada se sentem atacados e reagem logo chamando ignorantes aos demais, só revelam facciosa ignorancia, a pior de todas, a da pura cegueira, porque lhes falta a visão isenta sobre a realidade, e esta é como é, inequivoca!...

Em Espanha a bandeira sempre teve as cores que hoje tem, mesmo no tempo do Franco o vermelho e o amarelo eram e são as cores espanholas, em França, Italia, Inglaterra, Almanha, Austria, Holanda, Belgica, Polonia, paises nordicos, etc., por todo o lado foram respeitadas as cores da nação tanto em periodos republicanos como em monarquicos, só em Portugal meia duzia de fanáticos haviam de impor à força a bandeira republicana, sim a republicana, ou não é verdade que o vermelho e verde são as cores republicanas?

As verdadeiras cores de Portugal, gostem ou não alguns, sempre foram, são e serão o azul e o branco, claro que ao longo do tempo a bandeira azul e branca teve várias nuances (mais branca ou mais azul, nunca saiu dessas cores por mais que inventem), foi com ela que os nossos antepassados fizeram a nossa gloriosa história de «heróis do mar, nobre povo, nação valente e imortal!...» e não com a vermelha e verde, nos mastros das caravelas ia desfraldada ao vento a bandeira azul e branca de Portugal.

Foi o fanatismo republicano quem em 5 de Outubro impôs as cores subsaarianas que hoje nos representam, foi depois Salazar quem nos obrigou a aprender na escola primária, para nos convencerem a aceitarmos pacificamente tão berrantes cores,
que o verde passava a representar
a terra, o chão pátreo e as colonias conquistadas e que o vermelho representava o sangue derramado em defesa e conquista desse chão pátreo e dessas colónias, omitindo que na realidade elas representam tão só o ideal republicano.

100 anos depois de nos terem imposta esta bandeira, aliás muito contestada então como consta nos relatos da época, chegou o momento
de ser constituido um movimento cultural e civico para reposição das cores originais na nossa bandeira nacional, por isso faço aqui um apelo para que este ano se aproveitem as comemorações republicanas para exigir a correcção e a reposição da nossa bandeira nacional.

jlv
# por Anonymous Anónimo : segunda-feira, fevereiro 01, 2010

 

 

 

Tanta verborreira para algo tão simples. Portugal é uma merda por isso devia ter uma bandeira da cor da merda!!! Assim tipo entre o castanho-diarreia e o castanho-fezes sanguinolentas. Boa?
# por Anonymous Anónimo : segunda-feira, fevereiro 01, 2010

 

 

 

Esta devia ser a bandeira de Portugal: http://upload.wikimedia.org/wikipedia/commons/0/0d/PortugueseFlag1095.svg
# por Anonymous Anónimo : segunda-feira, fevereiro 01, 2010

 

 

 

Até que podia ser essa perfeitamente, acrescida do escudo com a esfera armilar da verde e rubra estaria bem melhor que esta, embora eu goste mais da que foi substituida pela dos republicanos, (sem coroa real, claro!)
# por Anonymous Anónimo : segunda-feira, fevereiro 01, 2010

 

 

 

Ó JLV!
Cá vamos nós…
Vamos lá repetir a lição:
Eu disse que a REPÚBLICA espanhola, referia-me naturalmente à segunda e legítima república espanhola, adoptou uma bandeira diferente da monárquica. Uma bandeira tricolor vermelha amarela e azul/grana. O Franco recuperou a bandeira da Espanha monárquica quando esmagou a república pela força.
Saiba também que a Alemanha, no período do Segundo Reich (também conhecido por Império Alemão), que terminou com a I Grande Guerra, tinha uma bandeira tricolor preta, branca e vermelha.
E o verde e o vermelho são cores subsaarianas?
Já olhou para outras bandeiras europeias onde sobressaem estas cores?
A referência subsaariana pretende ser sinal de desprezo?
Olhe para a bandeira da Costa do Marfim. Qualquer distraído pode confundi-la com a bandeira da República da Irlanda ou mesmo com a bandeira italiana.
E a bandeira do Chade? Igualzinha à romena…
E que tal reflectir sobre o exemplo da nova bandeira da África do Sul multicultural?
Não é muito mais linda e sóbria do que a “sopa de bandeiras” do anterior regime dominado pela ascendência europeia? Aquela bandeira mais parecia a porta de um frigorífico…
Depois acho hilariante a sua repulsa aos símbolos da república enquanto se vai socorrendo da letra do hino republicano.
Finalmente, a fundação da União Soviética liderada por Lenine, um homem internacionalista, adoptou a bandeira vermelha como símbolo unificador para todas as nações que compunham a União das Repúblicas Soviéticas. A bandeira vermelha não foi invenção comunista. Era um símbolo de todo o proletariado que lutava por melhores condições de vida desde a revolução industrial. Era um símbolo de comunistas, socialista, sociais-democratas, sindicalista, anarquistas, etc. De Moscovo a Chicago.
Sobre o caso da República Popular da China não escrevo, pois sou ignorante sobre essa questão. Enfim, tenho o hábito de não falar sobre o que não conheço.
# por Anonymous Anónimo : terça-feira, fevereiro 02, 2010

 

 

 

Parece-me ter ficado bem claro o meu ponto de vista e, já agora, recapitulemos também a lição:

a) Nada tenho contra a república nem os seus princípios (foi o que eu disse e reafirmo) nem contra os monárquicos; Coloco a questão num plano superior, supra partidário, nacional.

b) Portugal ao longo dos tempos, desde o condado portucalense teve várias bandeiras mas todas elas baseadas nas cores e simbologia original, ou seja na sua grande maioria predomina o branco e o azul, ao qual se acrescentou uma bordadura vermelha na 2ª dinastia, mas sem dúvida que ao longo dos tempos Portugal sempre se identificou fundamentalmente através das cores branca e azul.

c) Considero um abuso por parte dos republicanos terem trocados a bandeira nacional de então (azul e branca) pela bandeira com as cores dos republicanos (verde e rubra e algum amarelo) que acho feia, berrante, subsaariana, terceiro mundista, de pretos e não dos grandes portugueses.

d) Lamento e acho abusivo que as cores partidárias se confundam com as cores nacionais, tanto em Portugal, como na Rússia, na China ou na Cochinchina e digo mais, mesmo no que se refere aos ideais republicanos não me parece nada democrática a imposição das suas cores a quem não o é.

e) A grande maioria das nações tem sabido preservar as suas cores ao longo dos tempos, sendo o pais de onde os ideais republicanos são originários o melhor exemplo disso, A França.

f) Só consigo encontrar explicação para a troca das cores atrás referida pelo fanatismo ideológico e político.

g) Acho que nós portugueses devemos defender o que é nosso e, neste caso, estamos a falar das nossas cores, o branco e azul e sendo 2010 ano de comemoração dos 100 anos da républica é também uma boa altura para exigir a reposição da verdadeira bandeira nacional.

jlv
# por Anonymous Anónimo : terça-feira, fevereiro 02, 2010

 

 

 

OK JLV!

era escusado tanto discuro.
Basta o ponto c) para entender as suas posições.
# por Anonymous Anónimo : terça-feira, fevereiro 02, 2010

 

 

 

Tolerância zero para comentários 1) com linguagem imprópria,
2) com acusações sem provas,
3) impertinentes ou infudamentados.
Serão impiedosamente apagados.

"feia, berrante, subsaariana, terceiro mundista, de pretos e não dos grandes portugueses."

Eis um exemplo de uma linguagem própria, bem provada, pertinente e fundamentada...
Segundo a óptica do Dr. Mário de Sá Peliteiro!
Será?...
# por Anonymous Anónimo : quarta-feira, fevereiro 03, 2010

 

 

 

«Benditos os pobres de espirito porque deles é o reino dos céus»; Só mesmo os pobres de espirito ou os mal intensionados não conseguem entender (ou conseguem mas fazem de conta que não!) o contexto enfático das palavras, designadamente a expressão "de pretos", não sou racista, nada tenho contra os pretos, mas reafirmo que em Africa o verde, o vermelho e o amarelo são as cores dominantes nas bandeiras nacionais, daí a expressão «de pretos», Aliás também detesto gente preconceituosa e complexada!...
# por Anonymous Anónimo : quarta-feira, fevereiro 03, 2010

 

 

 

Vejam só come eles são "democratas", quando alguém não concorda com os seus pontos de vista pedem loga a intervenção da censura!...
# por Anonymous Anónimo : quarta-feira, fevereiro 03, 2010

 

 

 

para aqueles que nao sabem
# por Anonymous Anónimo : segunda-feira, abril 19, 2010

 

 

 

A actual bandeira foi aprovada
pelos republicanos apenas por 1 voto de diferênça, Guerra junqueiro
poeta da altura e republicano era contra a mudança das cores da bandeira segundo ele o azul e branco eram as cores originais da fundaçao de portugal.
somos uma naçao livre,ou contrario
dos galegos,bascos ao catalãs.PORTUGAL SEMPRE
# por Anonymous Anónimo : segunda-feira, abril 19, 2010

 

 

 

Sei que já lá vai muito tempo depois desta discussão. Não vos conheço mas só vinha dizer que a actual bandeira é praticamente igual à da Carbonária portuguesa, que para quem não sabe foi uma organização terrorista e que teve um papel importante no Regicídio de 1908, que independentemente das opiniões políticas(eu sou republicano) foi um atentado terrosrista que assassinou o rei da altura(D. Carlos) e ainda o principe herdeiro(D.Luís Filipe). Ora será normal uma organização deste tipo dar as cores da bandeira nacional? Não é mas apesar de aceitar a actual bandeira, digo que não representam as cores portuguesas mas sim as cores da Carbonária. Eu pessoalmente acho que a implantação da república não devia ter interferido nas cores da bandeira, sinceramente poderiam tirar a coroa, mas também não acho que seja de bom tom cortar com toda a história. Aliás o nosso fundador D, Afonso Henriques incutiu o azul e prata como nossas cores.

Deixo um a pergunta, imaginem lá que agora o PS(partido no poder) queria impor o rosa(cor do partido) como cor nacional?
# por Anonymous David (19 anos) : quinta-feira, outubro 07, 2010

 

 

Enviar um comentário


 

 

 

ARQUIVOS

Maio 2003      Junho 2003      Julho 2003      Agosto 2003      Setembro 2003      Outubro 2003      Novembro 2003      Dezembro 2003      Janeiro 2004      Fevereiro 2004      Março 2004      Abril 2004      Maio 2004      Junho 2004      Julho 2004      Agosto 2004      Setembro 2004      Outubro 2004      Novembro 2004      Dezembro 2004      Janeiro 2005      Fevereiro 2005      Março 2005      Abril 2005      Maio 2005      Junho 2005      Julho 2005      Agosto 2005      Setembro 2005      Outubro 2005      Novembro 2005      Dezembro 2005      Janeiro 2006      Fevereiro 2006      Março 2006      Abril 2006      Maio 2006      Junho 2006      Julho 2006      Agosto 2006      Setembro 2006      Outubro 2006      Novembro 2006      Dezembro 2006      Janeiro 2007      Fevereiro 2007      Março 2007      Abril 2007      Maio 2007      Junho 2007      Julho 2007      Agosto 2007      Setembro 2007      Outubro 2007      Novembro 2007      Dezembro 2007      Janeiro 2008      Fevereiro 2008      Março 2008      Abril 2008      Maio 2008      Junho 2008      Julho 2008      Agosto 2008      Setembro 2008      Outubro 2008      Novembro 2008      Dezembro 2008      Janeiro 2009      Fevereiro 2009      Março 2009      Abril 2009      Maio 2009      Junho 2009      Julho 2009      Agosto 2009      Setembro 2009      Outubro 2009      Novembro 2009      Dezembro 2009      Janeiro 2010      Fevereiro 2010      Março 2010      Abril 2010      Maio 2010      Junho 2010      Julho 2010      Agosto 2010      Setembro 2010      Outubro 2010      Novembro 2010      Dezembro 2010      Janeiro 2011      Fevereiro 2011      Março 2011      Abril 2011      Maio 2011      Junho 2011      Julho 2011      Agosto 2011      Setembro 2011      Outubro 2011      Novembro 2011      Dezembro 2011      Janeiro 2012      Fevereiro 2012      Março 2012      Abril 2012      Maio 2012      Junho 2012      Julho 2012      Agosto 2012      Setembro 2012      Outubro 2012      Novembro 2012      Dezembro 2012      Janeiro 2013      Fevereiro 2013      Março 2013      Abril 2013      Maio 2013      Junho 2013      Julho 2013      Agosto 2013      Setembro 2013      Outubro 2013      Novembro 2013      Dezembro 2013      Janeiro 2014      Fevereiro 2014      Março 2014      Abril 2014      Maio 2014      Junho 2014      Julho 2014      Setembro 2014      Outubro 2014      Novembro 2014      Dezembro 2014      Janeiro 2015      Fevereiro 2015      Março 2015      Abril 2015      Maio 2015      Junho 2015      Julho 2015      Agosto 2015      Setembro 2015      Outubro 2015      Novembro 2015      Dezembro 2015      Janeiro 2016      Fevereiro 2016      Março 2016      Abril 2016      Junho 2016      Julho 2016      Agosto 2016      Setembro 2016      Outubro 2016      Novembro 2016      Dezembro 2016      Janeiro 2017      Fevereiro 2017      Março 2017      Maio 2017      Setembro 2017      Outubro 2017      Dezembro 2017     

 

Perfil de J. Soares Peliteiro
J. Soares Peliteiro's Facebook Profile

 


Directórios de Blogues:


Os mais lidos


Add to Google

 

 

Contactos e perfil do autor

 

 

Portugal
Portuguese flag

Blogues favoritos:


Machado JA

Sezures

Culinária daqui e d'ali

Gravidade intermédia

Do Portugal profundo

Abrupto

Mar Salgado

ALLCARE-management

Entre coutos e coutadas

Médico explica

Pharmacia de serviço

Farmácia Central

Blasfémias

31 da Armada

Câmara Corporativa

O insurgente

Forte Apache

Peopleware

ma-shamba



Ligações:

D. G. Saúde

Portal da Saúde

EMEA

O M S

F D A

C D C

Nature

Science

The Lancet

National library medicine US

A N F

Universidade de Coimbra


Farmacêuticos sem fronteiras

Farmacêuticos mundi


This page is powered by Blogger. Isn't yours?

Creative Commons License
Licença Creative Commons.