<$BlogRSDUrl$> Impressões de um Boticário de Província
lTradutor Translator
Amanita muscaria

Impressões de um Boticário de Província

Desde 2003


quinta-feira, 14 de janeiro de 2010

Desculpem não ser sobre bola mas passa já 

Do Besugo, velho companheiro blogosférico, bom escritor, transmontano, médico ligado à oncologia, um excelente texto sobre o encerramento de unidades oncológicas e a "trasmontanidade":

«A morte por cancro é uma das inerências da longevidade. Isto é sabido. E morrer é uma merda.
Mas não me interessa agora nada disso.
Interessa-me que já vi morrer, que acompanhei na morte - depois de ter sido parceiro honesto, o mais honesto que consegui, de todo o impressionismo revoltado e terno de muitos fins de vida -, muitos homens e mulheres mais novos do que eu.
Tenho 49 anos. Sou ainda novo, talvez, para morrer. Mas que dizer deles e delas, de todos os que me ultrapassaram pela direita baixa sem quererem, antecipando-se-me no fim?


Que mais novos eram. Isso mesmo.
Da mesma maneira que não me orgulho nada de ser português - sou-o por acaso - gosto de o ser. Podia talvez não gostar, acredito que haja quem não goste. Eu, sem me orgulhar do que não fiz por ser, gosto. Os motivos são bastantes e todos discutíveis. São motivos, por definição.


Parei de vos tentar situar porque este texto tem uma má introdução, mas eu escrevo sempre à pressa e nunca sei como vai sair o que cismei escrever. O que, não desculpando nada, também não lhe acrescenta culpa.
Tenho acompanhado quase tudo o que se tem escrito sobre a Oncologia em Portugal. Também nos blogues. E tenho trabalhado nessa área nos últimos anos da minha vida, quase dezassete agora, se me remeter aos tempos do Porto e de Gaia. E de S. Miguel.
Agora estou, há mais de três lustros, em Trás-os-Montes. Nasci aqui, para aqui voltei. E Trás-os-Montes é uma Província pobre da província inteira.
Temos aqui cerca de 500.000 habitantes.
Temos neve, temos algumas más estradas e outras muito más. E algumas SCUTs que alguns nos querem fazer pagar, ainda por cima. Temos aldeias que ficam longe das sedes dos seus concelhos, suas primeiras mães, ficando muito mais longe, ainda, das sedes dos seus distritos.
A que distância ficarão, então, do litoral? A um mar inteiro?
Se alguém me ler e viver em Trás-os-Montes saberá entender que quando proponho paralelos entre a insularidade e a "trasmontanidade", me cubro da maior razão que pode haver, que é a que me vem de conhecer ambas as realidades e de ter sempre de ver de muito longe. E muito ao longe.
Acredito, claro, nas vantagens das estradas boas, que nos deixam ir mais depressa ter com o conforto. Mas acredito também na sua mistura, dessas estradas boas, com a maior vantagem de termos por perto coisas boas que também confortam.
Trás-os Montes, que trata doentes oncológicos há já muitos anos, que possui agora - luta árdua de muitas pessoas - alguma capacidade de atrair e de manter as competências "próprias" necessárias à complementaridade suplementar das competências "práticas" que já possuía (e que sempre possuiu) merece a oportunidade de tentar agora, ao menos, ter de Portugal o benefício da dúvida. Merece, com os meios que tem e que são hoje bem maiores que os que já tinha, não ver tombar sobre si a fúria centralizadora de quem não quer sair do litoral, onde passará, com o tempo e se o caminho da descentralização não se inverter, a ser excedentário (pelo menos em termos de serviço público, que os serviços privados florescerão sempre, pelo menos enquanto lhes não cobrarem o envio, para tratamento das complicações inerentes a qualquer acto médico, dos "seus" doentes para o sistema nacional de saúde).
Se a Braga, a Vila Real, a Viseu, não sei se a Bragança, a Évora, a Faro, for concedida a benesse de possuir equipamentos e meios humanos para que se possam ali fazer tratamentos de radioterapia, sendo que já ali se asseguram tratamentos de cirurgia e quimioterapia, como irão os IPOs e os hospitais do litoral justificar a concentração dos imensos meios "básicos" de que agora dispõem? Como se justificará, nesse futuro em tempos prometido e mesmo legislado (plano oncológico 2000-2005), a presença de meia centena de oncologistas médicos num qualquer IPO, se se legislar (mantendo directrizes anteriores) no sentido de esses Centros Altamente Especializados (que o são, não há aqui nenhuma ironia, os IPOs são isso mesmo e, até por isso, o que direi a seguir ganha reforço) passarem a tratar sobretudo as patologias oncológicas mais raras e mais diferenciadas? Terá o SNS a coragem de jogar a cartada que se impõe, há já muitos anos, de convidar esses oncologistas e radioterapeutas a optarem, de vez absoluta, em querendo permanecer no serviço público, por virem prestá-lo ( a esse público serviço) onde são precisos e onde se foram criando estruturas carentes apenas deles mesmos, que não as querem, ainda que com incentivos - sob pena de dele sairem, do sistema? E será o SNS capaz de lhes dizer, em eles optando por sair, "em eles se privatizando de vez absoluta", que poderão fazê-lo, claro está, desde que assumam as despesas dos seus tratamentos e das suas complicações (como faz o serviço público, pobres bestas que nós somos), em lugar de remeterem os seus doentes piorados e terminais à "vala comum e para eles, remetentes, gratuita" do sistema que ajudam a empobrecer e, algumas (talvez poucas, enfim) vezes, a minar, pelas ânsias de manterem um pé no "pai dos pobres" e outro na legítima (é legítima, está prevista na lei) ganhuça?


Deixai-me sair daqui, imediatamente, deste emaranhado antigo das minhas ideias, das crenças e querenças em que me criei e em que me criaram.
Deixai-me admitir, por ser verdade, que há nos IPOs e nos Hospitais Centrais de todos os litorais excelentes médicos, excelentes investigadores, muitíssimo boas pessoas. Sei isto muito bem por causas várias. Por exemplo, por com eles manter, há longos anos, relações (quase) próximas e de necessidade. Alguns dos meus melhores amigos e colegas estão lá. E são muito bons profissionais. Muito me têm ajudado: mas de longe, pena minha.
Acreditai. Que quero eu dizer com isto, no fundo, sem querer ofender ninguém nem solarinar pratas que não são minhas? Meu Deus, apenas isto: quero dizer que queria alguns deles cá. Para que ser de cá fosse, cada vez mais, como ser de lá.


Voltarei em breve à bola, de que muito gosto e que me permite sempre manter-me na trincheira baixa e calma - e aguada, sempre muito aguada - de que carece qualquer besugo.
(hesitei em deixar isto aqui, quero sossego; mas penso não estar, com isto, a ofender ninguém - mesmo que pense diferente)»

Peliteiro,   às  18:20

Comentários:

 

Bom dia a todos.
Que pena que ninguém leu este post, optando por exagerar a importância do anterior (193 comentários é um record...). Talvez este exemplo reflicta um pouco a realidade do nosso país e da nossa sociedade. As coisas estão como estão porque a maioria das pessoas dá excessiva importância e concentra as suas atenções em mensagens e acontecimentos que apelam à nossa tradicional inveja portuguesa e aos nossos maiores preconceitos. Veja-se o caso do casamento entre pessoas do mesmo sexo. Que vai acontecer ao nosso país, quando as nossas autoridades deixarem de conseguir encontrar um tema oco, ou pelo menos não tão importante, para distrair as atenções dos portugueses dos atentados criminosos que todos os dias vão acontecendo, e da destruição dos nosso maiores activos?
O problema, caros amigos, é que isso vai acontecer muito em breve.

 

 

 

Esqueci-me de destacar a intensa emoção que se nota na leitura deste texto por parte do seu autor. Só quem vive a sua profissão com verdadeira paxão e entrega, e necessariamente com grande competência, pode escrever assim.
Se algum dia eu, ou algum ente querido, vier a sofrer deste tipo de doença, peço a Deus que me permita encontrar um profissional destes.
# por Anonymous Anónimo : sexta-feira, janeiro 15, 2010

 

 

Enviar um comentário


 

 

 

ARQUIVOS

Maio 2003      Junho 2003      Julho 2003      Agosto 2003      Setembro 2003      Outubro 2003      Novembro 2003      Dezembro 2003      Janeiro 2004      Fevereiro 2004      Março 2004      Abril 2004      Maio 2004      Junho 2004      Julho 2004      Agosto 2004      Setembro 2004      Outubro 2004      Novembro 2004      Dezembro 2004      Janeiro 2005      Fevereiro 2005      Março 2005      Abril 2005      Maio 2005      Junho 2005      Julho 2005      Agosto 2005      Setembro 2005      Outubro 2005      Novembro 2005      Dezembro 2005      Janeiro 2006      Fevereiro 2006      Março 2006      Abril 2006      Maio 2006      Junho 2006      Julho 2006      Agosto 2006      Setembro 2006      Outubro 2006      Novembro 2006      Dezembro 2006      Janeiro 2007      Fevereiro 2007      Março 2007      Abril 2007      Maio 2007      Junho 2007      Julho 2007      Agosto 2007      Setembro 2007      Outubro 2007      Novembro 2007      Dezembro 2007      Janeiro 2008      Fevereiro 2008      Março 2008      Abril 2008      Maio 2008      Junho 2008      Julho 2008      Agosto 2008      Setembro 2008      Outubro 2008      Novembro 2008      Dezembro 2008      Janeiro 2009      Fevereiro 2009      Março 2009      Abril 2009      Maio 2009      Junho 2009      Julho 2009      Agosto 2009      Setembro 2009      Outubro 2009      Novembro 2009      Dezembro 2009      Janeiro 2010      Fevereiro 2010      Março 2010      Abril 2010      Maio 2010      Junho 2010      Julho 2010      Agosto 2010      Setembro 2010      Outubro 2010      Novembro 2010      Dezembro 2010      Janeiro 2011      Fevereiro 2011      Março 2011      Abril 2011      Maio 2011      Junho 2011      Julho 2011      Agosto 2011      Setembro 2011      Outubro 2011      Novembro 2011      Dezembro 2011      Janeiro 2012      Fevereiro 2012      Março 2012      Abril 2012      Maio 2012      Junho 2012      Julho 2012      Agosto 2012      Setembro 2012      Outubro 2012      Novembro 2012      Dezembro 2012      Janeiro 2013      Fevereiro 2013      Março 2013      Abril 2013      Maio 2013      Junho 2013      Julho 2013      Agosto 2013      Setembro 2013      Outubro 2013      Novembro 2013      Dezembro 2013      Janeiro 2014      Fevereiro 2014      Março 2014      Abril 2014      Maio 2014      Junho 2014      Julho 2014      Setembro 2014      Outubro 2014      Novembro 2014      Dezembro 2014      Janeiro 2015      Fevereiro 2015      Março 2015      Abril 2015      Maio 2015      Junho 2015      Julho 2015      Agosto 2015      Setembro 2015      Outubro 2015      Novembro 2015      Dezembro 2015      Janeiro 2016      Fevereiro 2016      Março 2016      Abril 2016      Junho 2016      Julho 2016      Agosto 2016      Setembro 2016      Outubro 2016      Novembro 2016      Dezembro 2016      Janeiro 2017      Fevereiro 2017      Março 2017      Maio 2017      Setembro 2017      Outubro 2017     

 

Perfil de J. Soares Peliteiro
J. Soares Peliteiro's Facebook Profile

 


Directórios de Blogues:


Os mais lidos


Add to Google

 

 

Contactos e perfil do autor

 

 

Portugal
Portuguese flag

Blogues favoritos:


Machado JA

Sezures

Culinária daqui e d'ali

Gravidade intermédia

Do Portugal profundo

Abrupto

Mar Salgado

ALLCARE-management

Entre coutos e coutadas

Médico explica

Pharmacia de serviço

Farmácia Central

Blasfémias

31 da Armada

Câmara Corporativa

O insurgente

Forte Apache

Peopleware

ma-shamba



Ligações:

D. G. Saúde

Portal da Saúde

EMEA

O M S

F D A

C D C

Nature

Science

The Lancet

National library medicine US

A N F

Universidade de Coimbra


Farmacêuticos sem fronteiras

Farmacêuticos mundi


This page is powered by Blogger. Isn't yours?

Creative Commons License
Licença Creative Commons.