<$BlogRSDUrl$> Impressões de um Boticário de Província
lTradutor Translator
Amanita muscaria

Impressões de um Boticário de Província

Desde 2003


domingo, 27 de agosto de 2006


«Quanto ao primeiro tópico, e tentando encurtar razões o Ministério da Saúde detectou deficiências na qualidade da água do mar impeditivas do seu uso em várias praias e determinou a correspondente interdição, decisão que indicia algo de grave. Para localidades que vivem do turismo balnear, operando em ramos de negócio onde a competição é feroz e se amealha para todo o ano nos meses de Verão, notícias como esta constituem uma machadada grave e podem ser fatais para a imagem de um turismo em que é essencial a qualidade, isto é, bom ambiente e saúde pública.

«Há produtos com características semelhantes, onde a confiança do consumidor é determinante. Recordemos as questões pontuais de qualidade ameaçadoras da imagem de marcas conhecidas de alimentos para bebés, produtos farmacêuticos ou águas minerais; detectado o problema, houve que definir as atitudes compatíveis com a salvaguarda do prestígio da "marca", a prioridade atribuída à saúde do consumidor e a reposição da confiança impedimento imediato do acesso ao produto defeituoso (retirando os respectivos lotes do mercado), reforço e publicitação das verificações realizadas e melhoria do controlo; tudo com a ideia subjacente de que, corrigidos os erros, o produto fornecido adquira uma fiabilidade acrescida.

Com as devidas adaptações, uma estratégia deste tipo poderia ter sido usada no caso vertente mas, não querendo fazer apreciações concretas, não foi infelizmente ao que assistimos. O "cliente da praia" foi confrontado com resultados contraditórios de análises, tentativas de desacreditação de responsáveis, acalorados debates na imprensa local e regional ou discussões sobre zonamentos, num processo em que escasseou a informação sobre qualidade da água que obrigatoriamente deveria ser disponibilizada aos utentes. Conclusão aumentou-se a dimensão mediática do problema e instalou-se a dúvida e o descrédito nos cidadãos. E se, havendo quem atribua o hastear da bandeira vermelha a motivos "políticos", alguns optaram pela "verdade" da bandeira verde ou pela resignação, outros pensaram que nada prova que não seja a bandeira verde a ter por detrás pressões locais para salvaguardar o negócio da estação, colocando em último lugar o interesse da sua saúde e da dos seus filhos; optarão, deste modo, por mudar de praia para não correr riscos numas férias curtas e em que o dinheiro não abunda, o oposto das intenções que justificavam a polémica.

Quanto ao segundo tópico, e independentemente de gestões pontuais, a verdade é que há uma questão estrutural de qualidade da água na zona de Vila do Conde/Póvoa de Varzim que não ficará resolvida enquanto o tratamento dos esgotos destas já grandes urbes não passar para a primeira linha da prioridade política. Bastará consultar o site do INAG-Instituto da Água para se perceber quanto o país tem requalificado as suas águas balneares em 2006, pouco mais de 2 em cada 100 praias não têm qualidade de água conforme para a prática balnear quando, em 1993, eram 42 em cada 100 as praias com água imprópria; e, neste registo de desconformidade, já não figuram praias da Região Centro nem do Alentejo, sendo mínimos os problemas ainda existentes no Algarve e na zona de Lisboa e Vale do Tejo; a persistente falta de qualidade concentra-se, pois, no Norte, sobretudo em praias das zonas de Matosinhos/Porto e Vila do Conde/Póvoa.

Volto ao âmago do tema em zonas cujo dinamismo económico depende do turismo de praia, tratar das componentes urbanísticas (com qualidade, reconheça-se!) e descurar a qualidade da água é "dar um tiro no pé", é minar as bases do futuro. Sem querer explorar aqui as causas da actual situação, a única estratégia inteligente, na linha de encontrar uma oportunidade em cada revés, é aproveitar a mediatização para lançar publicamente um novo objectivo do tipo: "uma bandeira azul para cada uma das praias problemáticas em 2010". E assim, se finalmente as prioridades se corrigirem, talvez ainda venhamos a bendizer as salmonelas de 2006!
»

Nota: Sublinhados meus.

Etiquetas:


Peliteiro,   às  23:32

Comentários:

Enviar um comentário


 

 

 

ARQUIVOS

Maio 2003      Junho 2003      Julho 2003      Agosto 2003      Setembro 2003      Outubro 2003      Novembro 2003      Dezembro 2003      Janeiro 2004      Fevereiro 2004      Março 2004      Abril 2004      Maio 2004      Junho 2004      Julho 2004      Agosto 2004      Setembro 2004      Outubro 2004      Novembro 2004      Dezembro 2004      Janeiro 2005      Fevereiro 2005      Março 2005      Abril 2005      Maio 2005      Junho 2005      Julho 2005      Agosto 2005      Setembro 2005      Outubro 2005      Novembro 2005      Dezembro 2005      Janeiro 2006      Fevereiro 2006      Março 2006      Abril 2006      Maio 2006      Junho 2006      Julho 2006      Agosto 2006      Setembro 2006      Outubro 2006      Novembro 2006      Dezembro 2006      Janeiro 2007      Fevereiro 2007      Março 2007      Abril 2007      Maio 2007      Junho 2007      Julho 2007      Agosto 2007      Setembro 2007      Outubro 2007      Novembro 2007      Dezembro 2007      Janeiro 2008      Fevereiro 2008      Março 2008      Abril 2008      Maio 2008      Junho 2008      Julho 2008      Agosto 2008      Setembro 2008      Outubro 2008      Novembro 2008      Dezembro 2008      Janeiro 2009      Fevereiro 2009      Março 2009      Abril 2009      Maio 2009      Junho 2009      Julho 2009      Agosto 2009      Setembro 2009      Outubro 2009      Novembro 2009      Dezembro 2009      Janeiro 2010      Fevereiro 2010      Março 2010      Abril 2010      Maio 2010      Junho 2010      Julho 2010      Agosto 2010      Setembro 2010      Outubro 2010      Novembro 2010      Dezembro 2010      Janeiro 2011      Fevereiro 2011      Março 2011      Abril 2011      Maio 2011      Junho 2011      Julho 2011      Agosto 2011      Setembro 2011      Outubro 2011      Novembro 2011      Dezembro 2011      Janeiro 2012      Fevereiro 2012      Março 2012      Abril 2012      Maio 2012      Junho 2012      Julho 2012      Agosto 2012      Setembro 2012      Outubro 2012      Novembro 2012      Dezembro 2012      Janeiro 2013      Fevereiro 2013      Março 2013      Abril 2013      Maio 2013      Junho 2013      Julho 2013      Agosto 2013      Setembro 2013      Outubro 2013      Novembro 2013      Dezembro 2013      Janeiro 2014      Fevereiro 2014      Março 2014      Abril 2014      Maio 2014      Junho 2014      Julho 2014      Setembro 2014      Outubro 2014      Novembro 2014      Dezembro 2014      Janeiro 2015      Fevereiro 2015      Março 2015      Abril 2015      Maio 2015      Junho 2015      Julho 2015      Agosto 2015      Setembro 2015      Outubro 2015      Novembro 2015      Dezembro 2015      Janeiro 2016      Fevereiro 2016      Março 2016      Abril 2016      Junho 2016      Julho 2016      Agosto 2016      Setembro 2016      Outubro 2016      Novembro 2016      Dezembro 2016      Janeiro 2017      Fevereiro 2017      Março 2017      Maio 2017      Setembro 2017      Outubro 2017      Dezembro 2017      Abril 2018      Maio 2018     

 

Perfil de J. Soares Peliteiro
J. Soares Peliteiro's Facebook Profile

 


Directórios de Blogues:


Os mais lidos


Add to Google

 

 

Contactos e perfil do autor

 

 

Portugal
Portuguese flag

Blogues favoritos:


Machado JA

Sezures

Culinária daqui e d'ali

Gravidade intermédia

Do Portugal profundo

Abrupto

Mar Salgado

ALLCARE-management

Entre coutos e coutadas

Médico explica

Pharmacia de serviço

Farmácia Central

Blasfémias

31 da Armada

Câmara Corporativa

O insurgente

Forte Apache

Peopleware

ma-shamba



Ligações:

D. G. Saúde

Portal da Saúde

EMEA

O M S

F D A

C D C

Nature

Science

The Lancet

National library medicine US

A N F

Universidade de Coimbra


Farmacêuticos sem fronteiras

Farmacêuticos mundi


This page is powered by Blogger. Isn't yours?

Creative Commons License
Licença Creative Commons.