<$BlogRSDUrl$> Impressões de um Boticário de Província
lTradutor Translator
Amanita muscaria

Impressões de um Boticário de Província

Desde 2003


domingo, 20 de agosto de 2006

Corporate Governance, Sound Bytes, Barrigas-de-Aluguer & Salmonelas 

O Corporate Governance, ou governação societária, é um sistema que visa a melhoria da gestão das empresas. Latu sensu, das organizações. Assenta em diversas práticas, que ilustram regras e procedimentos de gestão, visando tornar mais transparente e, portanto, mais eficiente, todo o processo empresarial de tomada de decisão. Parte do princípio de que uma cultura de boas práticas reforça a fiabilidade das organizações. Dos seus modelos de gestão e, fundamentalmente, da informação que prestam. A todos os interessados. Accionistas, fornecedores, clientes e empregados.

Parte-se, assim, do princípio que este «manual de boas práticas» visa tornar as sociedades (mais) transparentes. Socialmente (mais) responsáveis. A sua prática, continuada, gera (mais) valor acrescentado nas empresas e contribuiu para a (maior) competitividade e transparência dos mercados. A inobservância de tudo isto levou, nos últimos anos, muita gente à ruína. Desde logo, os muitos milhares de pequenos accionistas que confiaram na informação difundida por organizações até aí muito louváveis. Da francesa Vivendi-Universal, até às norte-americanas Enron, Worldcom e Tyco.

Em termos muito simples, um bom sistema de Corporate Governance deverá assentar nos seguintes quatro pilares. 1) Equidade: tratamento equitativo e igualdade de oportunidades para accionistas e investidores; 2) Transparência: permanente divulgação de informação financeira, operacional e relativa à estrutura proprietária; 3) Avaliação: monitorização e acompanhamento da acção dos órgãos de gestão; 4) Responsabilidade Social: respeito pela legislação aplicável e auto-regulação através das melhores práticas na orientação para os accionistas.

Há, como sempre nestas coisas, quem tenha as suas reservas e contraponha que isto é utilizado pelas empresas e outras organizações como um mero exercício de cosmética. O que não haverá dúvida, creio, é de que a sua implementação é um desafio à qualidade moral dos executivos. Para que tornem verdadeiramente efectivas estas práticas no universo das organizações que comandam.

Creio que esta é uma «doutrina» que estará nos antípodas das preocupações de qualquer «organização» autárquica em Portugal. E não devia. Há aqui conceitos que assentam como uma luva nas obrigações que qualquer município deveria mostrar perante a comunidade que representa. Como o da Responsabilidade Social. O assumir de que é nos munícipes que os executivos camarários encontram a razão para a sua existência. Tal como a legitimidade para exercerem o seu poder. E tudo isto sai reforçado se pensarmos que os munícipes são, simultaneamente, «accionistas» e «clientes» das «organizações» camarárias.

Proponho, num mero exercício de Verão, uma breve comparação dos procedimentos autárquicos à luz das «boas práticas» do Corporate Governance. Para isso, tomo a liberdade de tomar como exemplo alguns dos «procedimentos» do actual executivo poveiro. Os dados aqui expostos são os que têm sido noticiados na imprensa.

1) Equidade de tratamento na vereação e igualdade de oportunidades entre os munícipes. Aos três vereadores da oposição não foram atribuídos quaisquer pelouros. Ou seja, uma parte significativa dos munícipes (33%) não está representada no executivo camarário. O relacionamento entre executivo e oposição é, cada vez mais, de quase terrorismo. E não apenas verbal. Há agendamento de propostas, pela oposição, que são retiradas pelo presidente do executivo. Há um excesso de livre arbítrio, com a complacência do Estatuto da Oposição. Que é inócuo. Quanto a igualdade de oportunidades, estamos conversados. Há um rol de decisões acumuladas nada transparentes. A mais recente foi a dos familiares que monopolizaram a entrada nos quadros da câmara. E cuja jurisprudência deu direito, já, a repetição na junta de freguesia da Estela. O que mais espanta nisto tudo é que ninguém considera ter de se explicar aos munícipes.

2) Transparência na divulgação da informação financeira e operacional. Também não será aqui que o actual executivo camarário tem a sua «boa» prática. Concedo até que, internamente, alguém faça contas, mas elas não são, quase nunca, divulgadas. A grande maioria das decisões divulgadas não tem um conteúdo financeiro. Uma questão premente na actualidade. Alguém mediu o custo de oportunidade do novo parque da Avª Mouzinho quando comparado, por exemplo, com o do imprescindível e tantas vezes anunciado exutor submarino? A mesma questão serve para a anunciada renovação da Praça do Almada. Se há estudos precisos, façam o favor de os divulgar. Acreditem que os munícipes sabem um pouco mais do que deitar uns papelinhos, de tempos a tempos, nas urnas!

3) Avaliação e policiamento da acção dos órgãos de gestão. Haverá, concerteza, controlos a cargo do Estado Central. Que é assumido necessitarem de clara modernização, de pessoal e de meios. Terão de ser, desejavelmente, mais céleres e, logo, mais eficientes. A prática tem mostrado que a relação dos serviços camarários com outros organismos de controlo é conflituosa. Os municípios estão cada vez mais irmanados das mesmas práticas. Prova de que a diversidade política autárquica se esbateu. Já ninguém se lembra, agora, de quem «inventou» as empresas municipais. Sabe-se é que passaram a proliferar pelo País. Tal como as rotundas. Numa mostra de que as autarquias se constituíram num dos maiores lobbies da política em Portugal. Em termos de controlo interno, duvida-se naturalmente da liberdade e da independência de qualquer serviço camarário para actuar. Não conheço nenhum caso de denúncia por esta via. Há uma excessiva promiscuidade entre a vereação em exercício e os funcionários municipais. Passou a copiar-se o «modelo» do que ocorre no Poder Central. Onde são tomados lugares de administração no Estado logo após passagem pelo Governo. Cada vez mais uma espécie de barriga-de-aluguer para o funcionalismo público de alta gama.

4) Responsabilidade Social e respeito pela Lei e pelos interesses dos munícipes. A legislação que habita os gabinetes camarários é um pântano que alimenta todo o tipo de burocratas. Como sempre, com interpretações muito pouco consensuais. Há quem diga que é isso mesmo a burocracia. Já no que tem a ver com a orientação da acção para o munícipe, depende do que mais interessa a cada momento. Apenas dois exemplos recentes. 1º) Perante a evidência da existência de salmonelas no mar da Póvoa do Turismo, decidiu-se «não alarmar» os banhistas. E divulgar umas análises negativas «da câmara municipal». Que ninguém percebe porque são feitas. Quando, afinal, a competência é da Delegação de Saúde. Caso para os concessionários da praia passarem também a fazer as suas? No futuro, cada banhista com o seu kit pessoal? Já para não falar do espectáculo-gaffe que foi a conferência de imprensa da CM para justificar a origem da coisa. A atirar as culpas para o vizinho pela ausência da ETAR que ambos prometem há anos. 2º) Servem-se animações nocturnas no centro da Póvoa do Lazer, com aparente excesso de sound-bytes à mistura. Os moradores das redondezas protestam junto da CM. Desconhece-se se na qualidade de promotora do evento ou na de zeladora da Lei do Ruído. Aparece o vice-presidente do executivo a convidar os munícipes a saírem das fronteiras da cidade. Ora isto faz lembrar o que nalguns políticos sul-americanos se chama «justicialismo».

Em conclusão, muito caminho haverá ainda a percorrer para que o Corporate Governance se transforme numa verdadeira cartilha de boas práticas do poder autárquico em Portugal. Muito embora faça parte do Programa Eleitoral do XVII Governo Constitucional. O que não haverá dúvidas é de que a apregoada legitimidade eleitoral dos executivos autárquicos tem servido de capa de misericórdia a muito desvario por esse País fora. As cartilhas, por enquanto, são outras. Qualquer que seja a cor que tragam nas capas.



«Considera o que se diz e não te preocupes de saber quem o disse» (Tomás de Kempis, Imitação de Cristo, Capítulo 5, nº1)

Anónimo,   às  16:57

Comentários:

 

O que eu queria que alguem me explicasse, se possivel da delegação de saude, (pois do vereador do ambiente estamos conversados!) é como é que é possivel a praia dos ctt, ser a unica sem salmonelas. Por sorte é a minha praia, mas desconfiando..... Agora até as 4 praias de Vila do Conde estão contaminadas....será que a Póvoa ainda tem 1 praia boa? Entre 7 contaminadas de salmonelas? Será possivel?.....Ou será a bem do nosso turismo?.....

 

 

 

Óptima ideia a do kit! Onde posso arranjar um? a CMPV deve vender, não?.....O resultado é que deveria ser sempre o mesmo,..eh, eh,....
Sou pescador desportivo, e nos ultimos 3 ou 4 anos, na zona da Lagoa e nas Caxinas, só se vê cagalhões, pensos, garrafas, etc. Era uma questão de tempo até as praias serem interditas.....
# por Anonymous Anónimo : domingo, agosto 20, 2006

 

 

Enviar um comentário


 

 

 

ARQUIVOS

maio 2003      junho 2003      julho 2003      agosto 2003      setembro 2003      outubro 2003      novembro 2003      dezembro 2003      janeiro 2004      fevereiro 2004      março 2004      abril 2004      maio 2004      junho 2004      julho 2004      agosto 2004      setembro 2004      outubro 2004      novembro 2004      dezembro 2004      janeiro 2005      fevereiro 2005      março 2005      abril 2005      maio 2005      junho 2005      julho 2005      agosto 2005      setembro 2005      outubro 2005      novembro 2005      dezembro 2005      janeiro 2006      fevereiro 2006      março 2006      abril 2006      maio 2006      junho 2006      julho 2006      agosto 2006      setembro 2006      outubro 2006      novembro 2006      dezembro 2006      janeiro 2007      fevereiro 2007      março 2007      abril 2007      maio 2007      junho 2007      julho 2007      agosto 2007      setembro 2007      outubro 2007      novembro 2007      dezembro 2007      janeiro 2008      fevereiro 2008      março 2008      abril 2008      maio 2008      junho 2008      julho 2008      agosto 2008      setembro 2008      outubro 2008      novembro 2008      dezembro 2008      janeiro 2009      fevereiro 2009      março 2009      abril 2009      maio 2009      junho 2009      julho 2009      agosto 2009      setembro 2009      outubro 2009      novembro 2009      dezembro 2009      janeiro 2010      fevereiro 2010      março 2010      abril 2010      maio 2010      junho 2010      julho 2010      agosto 2010      setembro 2010      outubro 2010      novembro 2010      dezembro 2010      janeiro 2011      fevereiro 2011      março 2011      abril 2011      maio 2011      junho 2011      julho 2011      agosto 2011      setembro 2011      outubro 2011      novembro 2011      dezembro 2011      janeiro 2012      fevereiro 2012      março 2012      abril 2012      maio 2012      junho 2012      julho 2012      agosto 2012      setembro 2012      outubro 2012      novembro 2012      dezembro 2012      janeiro 2013      fevereiro 2013      março 2013      abril 2013      maio 2013      junho 2013      julho 2013      agosto 2013      setembro 2013      outubro 2013      novembro 2013      dezembro 2013      janeiro 2014      fevereiro 2014      março 2014      abril 2014      maio 2014      junho 2014      julho 2014      setembro 2014      outubro 2014      novembro 2014      dezembro 2014      janeiro 2015      fevereiro 2015      março 2015      abril 2015      maio 2015      junho 2015      julho 2015      agosto 2015      setembro 2015      outubro 2015      novembro 2015      dezembro 2015      janeiro 2016      fevereiro 2016      março 2016      abril 2016      junho 2016      julho 2016      agosto 2016      setembro 2016      outubro 2016      novembro 2016      dezembro 2016      janeiro 2017      fevereiro 2017      março 2017      maio 2017      setembro 2017      outubro 2017      dezembro 2017      abril 2018      maio 2018      outubro 2018      janeiro 2019      fevereiro 2019      julho 2020      agosto 2020      junho 2021      janeiro 2022      agosto 2022     

 

Perfil de J. Soares Peliteiro
J. Soares Peliteiro's Facebook Profile

 


Directórios de Blogues:


Os mais lidos


Add to Google

 

 

Contactos e perfil do autor

 

 

Portugal
Portuguese flag

Blogues favoritos:


Machado JA

Sezures

Culinária daqui e d'ali

Gravidade intermédia

Do Portugal profundo

Abrupto

Mar Salgado

ALLCARE-management

Entre coutos e coutadas

Médico explica

Pharmacia de serviço

Farmácia Central

Blasfémias

31 da Armada

Câmara Corporativa

O insurgente

Forte Apache

Peopleware

ma-shamba



Ligações:

D. G. Saúde

Portal da Saúde

EMEA

O M S

F D A

C D C

Nature

Science

The Lancet

National library medicine US

A N F

Universidade de Coimbra


Farmacêuticos sem fronteiras

Farmacêuticos mundi


This page is powered by Blogger. Isn't yours?

Creative Commons License
Licença Creative Commons.