<$BlogRSDUrl$> Impressões de um Boticário de Província
lTradutor Translator
Amanita muscaria

Impressões de um Boticário de Província

Desde 2003


segunda-feira, 24 de julho de 2006

Agrotis puta 

Um dia destes escrevi, aqui, um texto em que tive que ordenar a mim mesmo para parar, senão ficaria toda a noite a ditar aos meus dedos, como se um espírito cochichasse ao ouvido de um médium, ou seriam vários espíritos, como quando se comem cerejas, umas atrás de outras, sempre umas encadeadas nas outras, aliás como tudo na vida, a vida é assim complexa, mais ainda que o pensamento, resolvi hoje experimentar se os espíritos conseguem ditar-me palavras, o Fernando Pessoa tinha uns espíritos óptimos, tinha vários, todos bons, onde andarão agora os espíritos do Pessoa, todos temos os nossos, cada um os seus, são eles que nos animam o pensamento quando estamos numa bicha de repartição pública ou num funeral, quando o nosso cérebro entra numa espécie de hibernação e é tomado de assalto por alguém ou alguéns que nos fazem vaguear, é como um motor, não pode deixar de trabalhar senão depois não pega, não arranca, devíamos ter um sistema de registo automático desses devaneios do pensar, julgo que consigo escrever durante uma noite inteira, penso melhor quando estou cansado, lá está, sem domínio nem ordem de raciocínio, aposto que nesta altura já ninguém me está a ler, com os espíritos tomando o leme, em consumo baixo de energia, nas noites de insónia tenho ideias que me parecem excelentes, depois no dia a seguir ou já não me lembro ou parecem-me perfeitamente absurdas, mas em tantas luzes que me passam pela cabeça, algumas haverá que valham a pena um minuto de atenção, estou convencido que numa noite de insónias conseguia escrever, com ajuda de alguém, com certeza, que não sei quem nem quero saber, infinitamente, enquanto durasse pelo menos, tive já, quando novo, no primeiro dia em que me incumbiram da tarefa de dar um curso de Cabos, em Estremoz, convencido que estava da minha condição física e da minha capacidade para correr em passo de trote a bater com o pé esquerdo ora sim ora não, que conseguiria extenuar os meus instruendos futuros Cabos, toda a gente deve ser assim, toda a gente deve conseguir escrever até que o dedo mindinho fique comprometido por artroses, basta deixar fluir o pensamento, o problema está em conseguir essa descontracção, uma variante de transe, planifiquei mal o circuito e na parte final, não foi propriamente na parte final, foi mais aí pela metade, os Cabos estavam ainda frescos como alfaces e eu já ofegava como um sedento no deserto, a língua de cortiça e as botas a pesarem como chumbo, as borboletas de noite são estúpidas volteiam e revolteiam à volta da luz, a Agrotis puta tem um nome muito feio, ainda não percebi o que levou o Lineu a chamar-lhes, não sei se foi ele ou um seu discípulo, uma coisa tão feia, talvez porque elas saltitem de sítio em sítio, sem nunca se fixarem, elas as borboletas, rapidamente como se comandadas, também, por um espírito demente, que adianta andar de Ferrari se quando ficamos doentes ou feridos somos transportados numa ambulância de 1981, saltitamos como uma puta, Agrotis, perseguindo a luz, uns mais depressa, outros mais devagar, e quase sempre saímos com as asas chamuscadas, que adianta usar uma gravata de nó grosso, vêem-se muitas nas estações de serviço, nas Antuãs, param na Antuã de Aveiras, na Antuã de Pombal, adoramos Antuãs, não deve haver outro povo que adore tanto parar nas Antuãs todas de um percurso, lá encontram-se amigos, principalmente nas casas de banho, também não estou a escrever para que me leiam, apenas não me apetece dormir, fazem-se namoros e os rapazes engravatados como gravatas de nós grossos, dominam, mesmo ao Domingo, um dia destes, não faltará muito, na Antuã de Antuã realizar-se-ão convenções de empresas onde todos vestirão gravatas de nó grosso e cores garridas, onde serão apresentados objectivos e prémios, o primeiro deles será um jantar mensal numa Antuã à escolha do vencedor, foi dos maiores vexames da minha vida, os Cabos a chegarem ao quartel à minha frente e eu com a boca aberta como um peixe, tenho pensado em comprar um aquário de água salgada, pelo menos poupava nos peixes, apanhava-os nas pocinhas da praia, a Agrotis puta também é feia, não é só o nome, é toda feia, ainda há pouco me apeteceu esmagar uma, com o tacão do sapato, deve ser assim no Médio Oriente, não gosto de Fernando Pessoa, nunca me esforcei muito por gostar, Psiquiatria é uma especialidade interessante, uma coisa me iguala aos artistas Portugueses, estou-me nas tintas para o pública, escrevo para mim, e ainda tenho a vantagem de não precisar de subsídios, pelo menos enquanto não se pagar no blogger, Psiquiatria, ramo esquizofrenia, nunca mais tive autoridade sobre os Cabos, hoje será o dia, pressinto em que nunca mais terei autoridade sobre os dedos, nem que venda a alma ao diabo, as guerras religiosas causam-me espanto, há vinte anos nunca adivinharia que pela religião se mata e se morre no século XXI, ainda me lembro da série Espaço 1999 e de 1999 ser um data distante, quando somos crianças, ou mesmo adolescentes, um homem de 40 anos é um velho, e se calhar é mesmo, as crianças não mentem, e quase sempre têm razão, a lição dos Cabos foi difícil de tomar mas tem-me servido de âncora, Jorge Mário não podemos ser humildes demais, disse-me muitas vezes o meu pai, mas os Cabos ensinaram-me que não devemos pensar que conseguimos correr até sempre, mais vale fazer planos mais rasteiros, muitas pessoas confundem o meu nome, uns chamam-me Mário outros Jorge mas poucos sabem que me chamo Jorge Mário, como Jorge Mário Pedro Vargas Vargas Llosa, ele é conhecido sem o Jorge e sem o Pedro, só em Coimbra me chamaram Mário, como Mário de Sá Carneiro, ainda hoje alguns me chamam, como o Feliz que tem Farmácia numa aldeia de Rio Maior e semeia cabaças para dar aos amigos, quando lá passamos a caminho de Lisboa, nesse aspecto sou um traidor, gosto mais de Lisboa do que do Porto, Lisboa é uma cidade bonita, tem um clima excelente, das pessoas já não gosto tanto, não se podem fazer generalizações sobre conjuntos de pessoas, nem sequer sobre uma pessoa só, ninguém é todo feio ou todo mau ou todo falso, mas aqui já não sou traidor, gosto mais dos Tripeiros do que dos Alfacinhas, o que fará as borboletas como a Agrotis puta a borboletar à volta da luz, será ânsia de vida, duplicar o tempo de vida, vivendo sempre de dia, no fundo mesmo os animais mais primitivos estão convencidos que conseguem ludibriar a mãe natureza, mas não conseguem, nem nós conseguimos, ela é que é dócil e indulgente e deixa-nos pensar que sim, que podemos mudar o curso à vida, numa insónia o fenómeno deve ser parecido, não queremos que o dia acabe assim, aquando ainda há tanto que podia ser feito, inconscientemente queremos, numa insónia, fazer mais do que nos é permitido pelas limitações da nossa natureza, nos e-mails de gente que me conhecem mal nota-se um certo desconforto em chamarem-me Jorge ou em me chamarem Mário, tanto me faz, estou habituado a que me troquem o nome, Peliteiro, já deu origem a todo o tipo de enganos, dantes adormecia sempre a ler, agora é mais difícil, Jorge Luís também me agrada, talvez consiga alguém a deixar-me ser padrinho de uma criança que se chame, ou a que chamarei, se me deixarem, Jorge Luís, como o Borges, que morreu cego, não tenho muitos afilhados, o meu padrinho, Mário é que tem, quase não há família lá na aldeia que não o tenha como padrinho, também gosto de ler na Missa, em casamentos e baptizados, deve ser difícil escrever um livro estando cego, gosto de fazer uma pose solene, mas os que me conhecem sabem que por dentro me estou a rir, não por desrespeito, nem sei explicar porque gosto de ler em baptizados e casamentos, o Luís de Camões escreveu os Lusíadas sem computador, deve ser mais difícil que um cego, hoje, ditar um livro, o Fernando Pessoa, com aquela figurinha desprezível não me faz acreditar que tenha sido ele a escrever poesia tão reconhecida e apreciada, por certo em que o etanol teria algum poder de atracção mediúnica, há pessoas que se gostam de ouvir, sente-se muito nos locutores de rádio e nos políticos, mas também nos taxistas ou até nas costureiras, há borboletas bonitas e há as feias, nem sempre quem fala melhor é quem consegue fazer melhor, depende, tudo depende.

Peliteiro,   às  00:57

Comentários:

 

Tens toda a razão... e é nessa dependência davida, que não é contabilizavel nem probabilistica onde o determinismo ci~entifico não consegue ditar leis quânticas ou aleatórias, que o Mito acorda o Rito eos Politicos lavram e depositam as suas sementes da destruição... AGROTIS PUTAE... Uma Borboleta feia?

 

 

 

Vitam todas as Agrotis e todas as Putae desta terra. Boa semana
# por Blogger Barão da Tróia II : segunda-feira, julho 24, 2006

 

 

 

drogas? cogumelos alucinogénicos?
marisco estragado??? dormicum+adt=noite de sono reparador...
# por Anonymous kamy : segunda-feira, julho 24, 2006

 

 

 

Porra.... ler isto tudo sem respirar, porque não tem pontos nen paragrafos, é como fazer um exame de matemática e chumbar........
# por Anonymous Anónimo : segunda-feira, julho 24, 2006

 

 

 

Amanha é outro dia. Leva chapéu pois o Sol pode voltar a ser perigoso.
Nada disso...
Gostei. Para uns poderá parecer uma grande diarreia sem feijoes mas com palavras. Para mim é experimentalismo visceral, puro, e como tal um acto de coragem.
J Velasquez
# por Anonymous Anónimo : terça-feira, julho 25, 2006

 

 

 

e ha mais..
# por Anonymous Anónimo : terça-feira, julho 25, 2006

 

 

Enviar um comentário


 

 

 

ARQUIVOS

Maio 2003      Junho 2003      Julho 2003      Agosto 2003      Setembro 2003      Outubro 2003      Novembro 2003      Dezembro 2003      Janeiro 2004      Fevereiro 2004      Março 2004      Abril 2004      Maio 2004      Junho 2004      Julho 2004      Agosto 2004      Setembro 2004      Outubro 2004      Novembro 2004      Dezembro 2004      Janeiro 2005      Fevereiro 2005      Março 2005      Abril 2005      Maio 2005      Junho 2005      Julho 2005      Agosto 2005      Setembro 2005      Outubro 2005      Novembro 2005      Dezembro 2005      Janeiro 2006      Fevereiro 2006      Março 2006      Abril 2006      Maio 2006      Junho 2006      Julho 2006      Agosto 2006      Setembro 2006      Outubro 2006      Novembro 2006      Dezembro 2006      Janeiro 2007      Fevereiro 2007      Março 2007      Abril 2007      Maio 2007      Junho 2007      Julho 2007      Agosto 2007      Setembro 2007      Outubro 2007      Novembro 2007      Dezembro 2007      Janeiro 2008      Fevereiro 2008      Março 2008      Abril 2008      Maio 2008      Junho 2008      Julho 2008      Agosto 2008      Setembro 2008      Outubro 2008      Novembro 2008      Dezembro 2008      Janeiro 2009      Fevereiro 2009      Março 2009      Abril 2009      Maio 2009      Junho 2009      Julho 2009      Agosto 2009      Setembro 2009      Outubro 2009      Novembro 2009      Dezembro 2009      Janeiro 2010      Fevereiro 2010      Março 2010      Abril 2010      Maio 2010      Junho 2010      Julho 2010      Agosto 2010      Setembro 2010      Outubro 2010      Novembro 2010      Dezembro 2010      Janeiro 2011      Fevereiro 2011      Março 2011      Abril 2011      Maio 2011      Junho 2011      Julho 2011      Agosto 2011      Setembro 2011      Outubro 2011      Novembro 2011      Dezembro 2011      Janeiro 2012      Fevereiro 2012      Março 2012      Abril 2012      Maio 2012      Junho 2012      Julho 2012      Agosto 2012      Setembro 2012      Outubro 2012      Novembro 2012      Dezembro 2012      Janeiro 2013      Fevereiro 2013      Março 2013      Abril 2013      Maio 2013      Junho 2013      Julho 2013      Agosto 2013      Setembro 2013      Outubro 2013      Novembro 2013      Dezembro 2013      Janeiro 2014      Fevereiro 2014      Março 2014      Abril 2014      Maio 2014      Junho 2014      Julho 2014      Setembro 2014      Outubro 2014      Novembro 2014      Dezembro 2014      Janeiro 2015      Fevereiro 2015      Março 2015      Abril 2015      Maio 2015      Junho 2015      Julho 2015      Agosto 2015      Setembro 2015      Outubro 2015      Novembro 2015      Dezembro 2015      Janeiro 2016      Fevereiro 2016      Março 2016      Abril 2016      Junho 2016      Julho 2016      Agosto 2016      Setembro 2016      Outubro 2016      Novembro 2016      Dezembro 2016      Janeiro 2017      Fevereiro 2017      Março 2017      Maio 2017      Setembro 2017      Outubro 2017      Dezembro 2017      Abril 2018      Maio 2018      Outubro 2018      Janeiro 2019      Fevereiro 2019     

 

Perfil de J. Soares Peliteiro
J. Soares Peliteiro's Facebook Profile

 


Directórios de Blogues:


Os mais lidos


Add to Google

 

 

Contactos e perfil do autor

 

 

Portugal
Portuguese flag

Blogues favoritos:


Machado JA

Sezures

Culinária daqui e d'ali

Gravidade intermédia

Do Portugal profundo

Abrupto

Mar Salgado

ALLCARE-management

Entre coutos e coutadas

Médico explica

Pharmacia de serviço

Farmácia Central

Blasfémias

31 da Armada

Câmara Corporativa

O insurgente

Forte Apache

Peopleware

ma-shamba



Ligações:

D. G. Saúde

Portal da Saúde

EMEA

O M S

F D A

C D C

Nature

Science

The Lancet

National library medicine US

A N F

Universidade de Coimbra


Farmacêuticos sem fronteiras

Farmacêuticos mundi


This page is powered by Blogger. Isn't yours?

Creative Commons License
Licença Creative Commons.