<$BlogRSDUrl$> Impressões de um Boticário de Província
lTradutor Translator
Amanita muscaria

Impressões de um Boticário de Província

Desde 2003


sexta-feira, 1 de agosto de 2003

Suponhâmos 


Vamos fazer um suponhâmos (1):
Imaginemos um pelotão de soldados, sitiado numa trincheira, na frente de combate.Portugueses na Flandres
Espera-se uma voz de ordem para avançar em direcção às tropas inimigas. O território por onde se dará a progressão é fustigado por peças de artilharia pesada e ligeira, está completamente minado e armadilhado. O inimigo é bem treinado, bem preparado e armado, e são lendárias as carnificinas por eles praticadas. Adivinha-se que o número de baixas seja enorme.
O que fará o soldado, cada um dos soldados, ouvida a ordem - Em frente, ao ataque! -, levantar-se, deixar a segurança do esconderijo, e avançar para um destino que terá como provável desfecho a morte, a dor, a invalidez permanente, o horror?
Imaginemos nós que, de um momento para o outro, eramos transportados para um cenário de guerra semelhante, por exemplo, para a batalha de La Lys, ao lado do soldado Milhões. Tentemos isolar os valores e as motivações que nos fariam levantar, num ímpeto, da trincheira, e fazer parte daquele corpo, que em simultâneo avança para o perigo. Amor á pátria e sentimentos nacionalistas; conquista de terras, interesses económicos e saques; vingança, especialmente de irmãos sacrificados pelos inimigos; razões religiosas; culto da valentia, heroicidade, desprezo pelos fracos e covardes; espírito de grupo; inconsciência, indiferença, ou ausência de alternativa.
É um exercício de pensamento interessante.
Assim de repente, assim de repente, sentado na minha confortável cadeirinha, a bebericar um whisquezinho, e a ver o Fernando Rosas e o Nuno Rogeiro a dissertar sobre o fundamentalismo religioso no poder tirânico do Saddam, bem, acho que das duas uma: ou continuava a jogar à bisca dos três com o camarada do lado, ou levantava-me, num ímpeto, e desatava a correr para a retaguarda, desertava.
Mas agora, outra vez a sério. Da minha experiência militar, e embora tivesse chumbado no curso de oficiais milicianos da Escola Prática de Cavalaria, em Santarém ? aposto que o Nuno Rogeiro, brilhante especialista em assuntos militares e geoestratégicos, nunca foi à tropa! ? julgo que a motivação será o resultado conjugado de factores de três ordens principais:
a) Motivos sociais: do género dos apontados anteriormente neste texto, altamente exacerbados e deformados pelos serviços de propaganda, pela cadeia de poder militar, pelos mitos, gurus e líderes do regime.
b) Motivos psicológicos: As organizações militares, baseadas em técnicas com experiência milenar, conseguem moldar a vontade e a personalidade dos seus efectivos, numa espécie de alienação colectiva (2), uma espécie de lavagem ao cérebro, que os torna obedientes, acéfalos, ignorantes, manietáveis como autómatos, frios e crueis.
c) Motivos físicos: O que se espera de um homem fisicamente esgotado, que não dorme há 48 horas, não dorme numa cama há meses ( o sono é terrível, deforma o pensamento, transforma-nos em zombies sem vontade ); subnutrido e desidratado; doente ( uma gastroenterite, uma conjuntivite, uma lombalgia, cãibras ); ferido ( feridas ligeiras, é certo, mas dolorosas e purulentas ); com frio ou calor; sujo; infestado por pulgas, carraças, piolhos e parasitas intestinais, mordido pelas ratazanas; num ambiente hostil e sujeito à adrenalina do medo?
É desta massa que se fazem os exércitos, tudo depende do equilíbrio das proporções correctas, ou como se diz na botica, f.s.a., faça segundo a arte.









(1)
A expressão "vamos fazer um suponhâmos" foi captada num julgamento, onde um lavrador se defendia:
- Ó Senhora Doutora Juíza Dona Maria Manuela, vamos fazer aqui um suponhâmos,
- a Senhora Doutora Juíza Dona Maria Manuela, é uma vaca,
- andava a ruminar, sossegada, umas ervas à beira da estrada,
- vem a camioneta de carreira, e sem a Senhora Doutora Juíza Dona Maria Manuela fazer nada, arrrrebenta-lhe c'os cornos.
- A Senhora Doutora Juíza Dona Maria Manuela tem alguma culpa em ter os cornos grandes???
É claro que o lavrador perdeu a causa!

(2)
Uma vez, vinha eu no comboio militar Lisboa Porto de sexta á tarde - onde atingi a experiência transcendental de dormir em pé, solidamente amparado por uma horda compacta de mancebos barulhentos e mal cheirosos - e perto de mim dois grupos, um de recrutas "páras" e outro de comandos, elogiava o comportamento dos seus instrutores. Cada um deles, parecia delirar de satisfação com as provações físicas e as humilhações sofridas naquela semana, infligidas por uns energúmenos com patente. " O nosso tenente obrigou-nos a mergulhar a cabeça na imundícia da fossa do quartel; ele é o máximo, tem o curso de não sei quê, e esteve na legião estrangeira ". " O nosso capitão obrigou-nos a todos a dormir nus na parada e depois obrigou-nos, no pequeno almoço a comer gafanhotos e grilos; ele é mesmo bom, esteve na Guiné, e parece que matou mais de cinquenta turras ". Então, eu que já estava farto de ouvir aquela conversa, e a remoer os castigos e reparos que apanhei - " levante essa cabeçorra, instruendo Peliteiro, essa boina, parece a de um padeiro ", " instruendo Peliteiro, outra vez atrasado para a formatura, encha cem, hoje já não há pequeno almoço", " nunca vi ninguém com tão pouco jeito para a tropa, essas botas estão um nojo" - interpelei-os e disse: porque é que vocês ficam tão satisfeitos com as sacanices que vos fazem? Nada de especial, não queria ser ofensivo, só pedagógico. Ainda por cima, usava boina negra, como a da polícia militar. Foi uma confusão... O que vale é que enquanto esgrimia calmamente a minha argumentação, o Martins calcou o Silva, o Araújo - num solavanco do comboio - bateu com a cabeça na testa do Santos, eles deviam-me ter achado uma presa chata e sem interesse, desprezaram-me e envolveram-se numa alegre batalha de murros e cabeçadas, insultos e palavrões, entre boinas verdes e vermelhas, que durou até Campanhã.

Peliteiro,   às  01:26

 

 

 

ARQUIVOS

Maio 2003      Junho 2003      Julho 2003      Agosto 2003      Setembro 2003      Outubro 2003      Novembro 2003      Dezembro 2003      Janeiro 2004      Fevereiro 2004      Março 2004      Abril 2004      Maio 2004      Junho 2004      Julho 2004      Agosto 2004      Setembro 2004      Outubro 2004      Novembro 2004      Dezembro 2004      Janeiro 2005      Fevereiro 2005      Março 2005      Abril 2005      Maio 2005      Junho 2005      Julho 2005      Agosto 2005      Setembro 2005      Outubro 2005      Novembro 2005      Dezembro 2005      Janeiro 2006      Fevereiro 2006      Março 2006      Abril 2006      Maio 2006      Junho 2006      Julho 2006      Agosto 2006      Setembro 2006      Outubro 2006      Novembro 2006      Dezembro 2006      Janeiro 2007      Fevereiro 2007      Março 2007      Abril 2007      Maio 2007      Junho 2007      Julho 2007      Agosto 2007      Setembro 2007      Outubro 2007      Novembro 2007      Dezembro 2007      Janeiro 2008      Fevereiro 2008      Março 2008      Abril 2008      Maio 2008      Junho 2008      Julho 2008      Agosto 2008      Setembro 2008      Outubro 2008      Novembro 2008      Dezembro 2008      Janeiro 2009      Fevereiro 2009      Março 2009      Abril 2009      Maio 2009      Junho 2009      Julho 2009      Agosto 2009      Setembro 2009      Outubro 2009      Novembro 2009      Dezembro 2009      Janeiro 2010      Fevereiro 2010      Março 2010      Abril 2010      Maio 2010      Junho 2010      Julho 2010      Agosto 2010      Setembro 2010      Outubro 2010      Novembro 2010      Dezembro 2010      Janeiro 2011      Fevereiro 2011      Março 2011      Abril 2011      Maio 2011      Junho 2011      Julho 2011      Agosto 2011      Setembro 2011      Outubro 2011      Novembro 2011      Dezembro 2011      Janeiro 2012      Fevereiro 2012      Março 2012      Abril 2012      Maio 2012      Junho 2012      Julho 2012      Agosto 2012      Setembro 2012      Outubro 2012      Novembro 2012      Dezembro 2012      Janeiro 2013      Fevereiro 2013      Março 2013      Abril 2013      Maio 2013      Junho 2013      Julho 2013      Agosto 2013      Setembro 2013      Outubro 2013      Novembro 2013      Dezembro 2013      Janeiro 2014      Fevereiro 2014      Março 2014      Abril 2014      Maio 2014      Junho 2014      Julho 2014      Setembro 2014      Outubro 2014      Novembro 2014      Dezembro 2014      Janeiro 2015      Fevereiro 2015      Março 2015      Abril 2015      Maio 2015      Junho 2015      Julho 2015      Agosto 2015      Setembro 2015      Outubro 2015      Novembro 2015      Dezembro 2015      Janeiro 2016      Fevereiro 2016      Março 2016      Abril 2016      Junho 2016      Julho 2016      Agosto 2016      Setembro 2016      Outubro 2016      Novembro 2016      Dezembro 2016      Janeiro 2017      Fevereiro 2017      Março 2017      Maio 2017      Setembro 2017      Outubro 2017      Dezembro 2017      Abril 2018      Maio 2018      Outubro 2018      Janeiro 2019      Fevereiro 2019      Julho 2020      Agosto 2020      Junho 2021      Janeiro 2022     

 

Perfil de J. Soares Peliteiro
J. Soares Peliteiro's Facebook Profile

 


Directórios de Blogues:


Os mais lidos


Add to Google

 

 

Contactos e perfil do autor

 

 

Portugal
Portuguese flag

Blogues favoritos:


Machado JA

Sezures

Culinária daqui e d'ali

Gravidade intermédia

Do Portugal profundo

Abrupto

Mar Salgado

ALLCARE-management

Entre coutos e coutadas

Médico explica

Pharmacia de serviço

Farmácia Central

Blasfémias

31 da Armada

Câmara Corporativa

O insurgente

Forte Apache

Peopleware

ma-shamba



Ligações:

D. G. Saúde

Portal da Saúde

EMEA

O M S

F D A

C D C

Nature

Science

The Lancet

National library medicine US

A N F

Universidade de Coimbra


Farmacêuticos sem fronteiras

Farmacêuticos mundi


This page is powered by Blogger. Isn't yours?

Creative Commons License
Licença Creative Commons.