<$BlogRSDUrl$> Impressões de um Boticário de Província
lTradutor Translator
Amanita muscaria

Impressões de um Boticário de Província

Desde 2003


segunda-feira, 31 de maio de 2010

Promiscuidade entre público e o privado 

Sempre que se discutem os males do sistema de saúde em Portugal uma das categorias de causas mais populares é a promiscuidade entre o público e o privado.

Mas o Estado, o principal prejudicado por essa promiscuidade, que é evidente, não parece nada preocupado com o problema, legislando até de modo a favorecer essa situação.
Concretamente, está para ser publicada, a curto prazo, legislação relativa ao licenciamento de laboratórios de análises clínicas que prevê que o Director Técnico, farmacêutico analista clínico ou médico patologista clínico, necessite de estar presente no laboratório apenas 4 horas por dia.

Não conheço nenhum país do mundo onde esta direcção técnica semi-presencial vigore, não consigo vislumbrar justificação alguma para esta nova modalidade de direcção técnica a meio-tempo, a não ser, claro, a de permitir que o Sr. Dr. de manhã esteja no hospital do Estado e de tarde vá tratar da vidinha no laboratório privado que tem convenção com o Estado.
Não é preciso fazer um desenho pois não?

Peliteiro,   às  00:19
2  Comentários pertinentes e devidamente fundamentados          Enviar este texto por mail:

 

 

 

sexta-feira, 28 de maio de 2010

Vícios antigos no INFARMED 

Infarmed alega interesse público para manter aberta farmácia que atribuiu ilegalmente.

«Condenado desde Maio de 2006 pelo Supremo Tribunal Administrativo (STA) a reformular o resultado de um concurso para a atribuição de uma farmácia, o Infarmed tem resistido a acatar a decisão, mantendo em funcionamento uma farmácia ilegalmente atribuída e impedindo a farmacêutica vencedora do concurso de abrir novo estabelecimento, em Nespereira, Guimarães.
A vencedora do concurso diz que está apenas a proteger o negócio da farmácia ilegal, por razões que quer ver averiguadas. A situação torna-se ainda mais suspeita uma vez que, noutros casos idênticos, as farmácias ilegais têm sido encerradas. Há até 2 processos posteriores em que as sentenças expressamente se apoiam naquela decisão do STA, cujos concursos o Infarmed prontamente reformulou.
»

Ora, como bem se sabe, além dos dois concursos posteriores já reformulados, o INFARMED tem consentido a transferência de inúmeras Farmácias, deixando abandonadas muitas populações,
quase sempre as mais necessitadas, as mais pobres, as mais isoladas, sem pensar minimamente "em razões de interesse público", como neste caso às portas de uma cidade.
O argumento usado pelo INFARMED é evidentemente absurdo e suspeito.
Mas sempre foi assim, já no tempo da Direcção Geral dos Assuntos Farmacêuticos, nos anos 60, se atribuíam Farmácias por critérios que ninguém entendia. Há coisas que não mudam...





Ora isto foi escrito por mim, aqui, em Dezembro de 2009.
O Infarmed continua a recusar-se a cumprir uma sentença de um Tribunal! Mais, sabe-se agora que existe uma carta dirigida ao Infarmed do advogado da parte que perdeu a causa a agradecer o «empenho e compromisso do Infarmed em não cumprir a sentença do Tribunal». Há coisas que, realmente, não mudam!...

Entretanto, o assunto mereceu a atenção do programa da SIC "Nós por cá". Como o Infarmed não é sensível a sentenças judiciais pode ser que o seja à atenção do "Nós por cá":




Peliteiro,   às  00:00
7  Comentários pertinentes e devidamente fundamentados          Enviar este texto por mail:

 

 

 

quinta-feira, 27 de maio de 2010

Os "mab" e o tempo 

Publicada por besugo:

«As medidas de poupança na Saúde (leia-se "no ministério da Saúde") têm de ser bem ponderadas quando passarem do decreto à prática.
A questão das horas extraordinárias dos médicos é pacífica, parece-me. Há muitos anos que existe uma lei que preconiza não dever a remuneração "extraordinária" de qualquer médico trabalhando no SNS exceder o montante de um terço do seu ordenado base. Há muitos anos que esta lei não é cumprida e eu presumo que o não tem sido por necessidades do Sistema. Mas posso estar enganado. A verdade é que a lei existe e outra verdade paralela à anterior é o facto de o ministério pretender reduzir o montante global das horas extraordinárias dos médicos em, pelo menos, cinco por cento e, posto isto assim, competir a quem decreta criar a forma honesta de cumprir o decretado.
Há outras questões, mas vou saltar algumas e centrar-me nesta; há novos medicamentos anti-neoplásicos, como todos sabem, geralmente usados em associação com os citostáticos habituais, que, sendo caros, evidenciam algumas vantagens em relação à quimioterapia clássica. São, encurtando distâncias, os anticorpos monoclonais, os anti-angiogénicos, o caraças.
São bastante caros. Os estudos apontam, em regra, para um aumento (que pode ser superior a seis meses, em alguns casos) no tempo de sobrevida sem doença. Outros, referem um aumento real do tempo de sobrevida global. Também aqui a unidade é o mês.
A questão que vai colocar-se depende, pois "de meses". Apenas "de meses" ou, também, de "meses são sempre meses"?
Quanto vale um mês? Nestes detalhes não basta responder que vale entre vinte e oito e trinta e um dias. Estamos a falar de dinheiro, de poupança, e da responsabilidade que está inerente a qualquer decisor sobre a sua decisão.
Não espero menos da Senhora ministra. Decidiu e regulamentará. A sua responsabilidade não se esgota na arte do decreto, estende-se à assunção das normas que permitirão e obrigarão à sua execução: quer poupar?, o país carece disso?, decrete-me então onde poupo, de maneira a eu poder dizer aos meus doentes alguma coisa "das verdades inteiras da poupança".
Como já disse, da Senhora ministra não espero menos que isto. Não espero muito mais, também.»

Peliteiro,   às  19:47
0  Comentários pertinentes e devidamente fundamentados          Enviar este texto por mail:

 

 

 

Proposta de medidas de emagrecimento do SNS 

Posted by Jose - ALLCARE-management:

«Diz quem ainda governa o país, que não basta criticar, não basta dizer mal, é preciso dar soluções. Nós achamos que só vai para o governo, quem quer. Se quem está no governo não tem ideias, deve-se ir embora. Governar significa, ter objectivos, preparar uma estratégia, pô-la em acção e controlá-la. Se não resultar, deve alterar a estratégia ou ir-se embora, demonstrando a sua total inépcia.


Mas, alinhemos no discurso oficial de quem não é capaz de governar, mas não abdica do poiso!

Aqui propomos um conjunto de medidas, mais duras, ou mais leves, mas que emagreceriam o obeso SNS, e talvez garantissem a sua continuidade, sobretudo tendo em vista aqueles que não têm rendimentos para pagar uma cirurgia num hospital privado.

Aqui vão algumas ideias a implementar:
  1. Eliminação de todos os sistemas de saúde de protecção a castas especiais (ADSE, sistema de saúde dos militares, sistema de saúde da polícia, sistema de saúde do Ministério da Justiça, sistema de saúde da Caixa dos Jornalistas, sistema de saúde da CGD, sistema de saúde dos CTT e de muitos outros que por aí existem).
  2. Impedimento de TODOS os funcionários do Ministério da Saúde de exercerem um lugar público e simultaneamente funções como profissionais liberais. Ou seja, qualquer funcionário do Ministério da Saúde só poderá exercer funções privadas, desde que o faça em distrito diferente no qual exerce funções públicas. Ou seja, qualquer médico, enfermeiro, administrador hospitalar ou técnico de saúde, só poderá exercer funções públicas e privadas em simultaneo, desde que o faça, em distritos diferentes, de forma a não haver concorrência na prestação de serviço.
  3. O Estado deve deixar de fixar os preços dos medicamentos. Ou seja, o Estado apenas deve fixar um "tecto máximo" por referência de medicamento, podendo as farmácias vender abaixo desse tecto. O Estado comparticiparia percentualmente sobre o valor final cobrado ao doente.
  4. O Estado deveria fazer cessar todas as licenças sem vencimento, e não autorizar novas licenças. Este tipo de situação está hoje perfeitamente desajustado de um mundo mais aberto e concorrencial. Quem sentir necessidade de pedir licença sem vencimento, deve pedir a rescisão de contrato.
  5. O Estado deveria integrar rápidamente (menos de 1 ano), toda a estrutura assistencial por unidade de saúde. Ou seja, cada Centro de Saúde integrar-se-ia com a respectiva Unidade Hospitalar, de forma a poupar incómodos burocráticos e administrativos aos doentes, e evitando hierarquias múltiplas, que não trazem qualquer valor acrescentado (quem passa a baixa por doença é o Centro de Saúde e não o Hospital; é preciso uma credencial do Centro de Saúde para fazer um TAC num Hospital; etc.).
  6. O Estado deveria centralizar numa única entidade (basta inspirar-se no que faz a Sonae ou a Jerónimo Martins) todas as suas compras de: medicamentos, meios complementares de diagnóstico (vulgo, TAC's, ressonâncias, PET-CT's, raio-x, etc.), aquisição de equipamentos médicos, aquisição de viaturas, aquisição de consumíveis (seringas, algodão, etc.), aquisição de serviços de consultoria (Accenture, escritórios de advogados, etc.), aquisição de alimentação, etc.
  7. Implementar uma contabilidade única para todo o SNS (hospitais EPE's, SPA, Centros de Saúde, etc.), que dê uma informação por centro de custos, fiável e comparável.
  8. Eliminar serviços redundantes. Por exemplo eliminar alguns serviços que não trazem valor acrescentado, e que muitas vezes se sobrepõem: Inspecção Geral das Actividades em Saúde, Entidade Reguladora da Saúde, Instituto da Qualidade na Saúde (recentemente integrado no próprio Ministério da Saúde), Secretaria Geral do Ministério, Alto Comissariado da Saúde, Direcção Geral da Saúde, etc.
  9. Implementar a receita de medicamentos por Denominação Comum Internacional, em que o médico apenas deve aconselhar o doente na opção de medicamento a adquirir, mas nunca impedir a compra do medicamento que o doente entender.
  10. O Estado deveria implementar uma componente variável salarial, tendo em vista premiar os elementos mais eficientes. Este pagamento variável deveria ser baseado numa avaliação externa à entidade em que o funcionário trabalha, tendo a concordância da administração de cada organização.»

Peliteiro,   às  19:45
0  Comentários pertinentes e devidamente fundamentados          Enviar este texto por mail:

 

 

 

quarta-feira, 26 de maio de 2010

Redução da despesa, a sério 

O Ministério da Saúde propôs-se a reduzir a despesa no sector através das «Dez primeiras medidas para uma gestão mais eficiente do SNS». A situação económica que vivemos não se adequa ao controlar do desperdício através das "impressões em frente e verso" e da eliminação da  uso de água da torneira; há que implementar medidas estruturais com impacto significativo, no sentido do rigor e da austeridade, todavia sem prejudicar a qualidade dos serviços ou provocar convulsões sociais.

Apresentam-se três ordens de medidas que acredito, numa abordagem inicial e imediata, economicamente mais eficazes, socialmente mais justas e qualitativamente menos perniciosas para os doentes:

1. Despesa
Extinção imediata da ADSE e de todos os outros subsistemas públicos de saúde, pela integração no SNS.

2. Pessoal
Caducidade imediata de todas as licenças sem vencimento de profissionais de saúde e liberalização (cumprindo requisitos predefinidos rigorosos) da abertura de todos os cursos de saúde privados.

2. Medicamento
Prescrição por denominação comum internacional com decisão de escolha do medicamento mais barato pelo doente e proibição efectiva de venda de MSRM sem receita médica (obviamente com fiscalização e penalizações fortes, que podiam chegar à retirada de AIM ou de "alvará"). Conversão do escalão de comparticipação de medicamentos de 100% para 99%.

Peliteiro,   às  00:02
19  Comentários pertinentes e devidamente fundamentados          Enviar este texto por mail:

 

 

 

terça-feira, 25 de maio de 2010

Faço muito melhor que Ana Jorge 

Não se pode apenas criticar, dizer mal, sem apresentar alternativas.
Disse ontem que as 10 medidas de Ana Jorge e Óscar Gaspar para a saúde, enquanto plano de redução de despesas em cenário de crise, eram pífias, cobardes, ridículas, enfim completamente ineficazes.
Logo à noite apresentarei o meu plano de estabilidade e crescimento para a saúde em três linhas. Redução de despesa significativa, imediata e prolongada.

Peliteiro,   às  14:29
0  Comentários pertinentes e devidamente fundamentados          Enviar este texto por mail:

 

 

 

segunda-feira, 24 de maio de 2010

Que avance o FMI 

Decididamente o Ministério da Saúde não contribuirá para o sucesso do plano de estabilidade e crescimento. O Ministério da Saúde dá dó de tão má governação.
Foram hoje anunciadas, com pompa, as «Dez primeiras medidas para uma gestão mais eficiente do SNS». Uma barrigada de riso, aliás como nos têm habituado. Tão fraquinho!
Como o momento é grave analisemos e comentemos as intenções do Governo:

A. Medidas Institucionais
1. Plano de Redução de Despesa dos Hospitais E.P.E. e S.P.A.
Cada Hospital deverá apresentar ao Ministério da Saúde, no prazo de 20 dias, um plano de redução de despesas (...) (i) baixar, pelo menos, 5% a despesa com horas extraordinárias; (ii) baixar, pelo menos, 2% a despesa com Fornecimentos e Serviços Externos; (iii) Assegurar o cumprimento da meta orçamental de crescimento de apenas até 2,8% da despesa em farmácia hospitalar.
- Hilariante! E depois quem pagava as férias nas Bahamas? Não é para cumprir. Absolutamente. Nem nada que se pareça. Nem em 20 anos, quanto mais em 20 dias.


2. Guia de Combate ao Desperdício
Pretende-se uma poupança nas despesas correntes de cada serviço, excluindo pessoal, de cerca de 5%.
- Hilariante! Reduzir despesa e combater desperdício com o recurso de um guia de boas práticas. Nem nos escuteiros. Esta é mesmo de rir muito. Um guia? Nem num MBA de segunda categoria aceitariam este expediente.


3. Redução da Despesa dos Gabinetes do Ministério da Saúde
- Esta era fácil de executar, mas é preciso alguma coragem. Mesmo sendo fácil, não acredito que o façam.


4. Serviços Partilhados do Ministério da Saúde, E.P.E. (SPMS, EPE)
- Agora julgam que descobriram a pólvora com a Central de Compras. Enquanto começa e não começa a funcionar já acabou o ano. Com mais umas armadilhas e uma infinidade de incompetências o tempo passa até um Ministro decidir fechá-la.


B. Medidas relativas a Recursos Humanos
5. Autorização prévia para contratação de profissionais nos Hospitais E.P.E.
6. Autorização Prévia da Contratação de Profissionais que já exerçam funções no SNS
- E os afilhados? E os Boys? E a filha do director que tirou um curso "da saúde"? E a do administrador? E os médicos que não há?


C. Medidas relacionadas com a Política do Medicamento
7. Mais e Melhor Informação na Receita Médica
A receita médica passará a discriminar a informação do valor que o utente pouparia se lhe tivesse sido prescrito um medicamento mais barato.
- Hilariante! Hilariante! Hilariante! Julgam que reduzem despesa de milhões e milhões - este ano num crescimento obsceno de 10% só porque colocam uma vinheta na receita a dizer que há um medicamento mais barato ou coisa parecida. Esta é mais que hilariante é estúpida. Muito estúpida! Como se pode ser tão cobarde e estúpido?


8. Redução do Preço das Tiras de Controlo da Glicemia para os Diabéticos
Redução imediata de 10% do preço das tiras de controlo da glicemia para os diabéticos
- Amendoins. É para fingir que se faz.


9. Redução do Preço de Medicamentos
Redução do preço dos medicamentos genéricos, com preços elevados na comparação internacional, começando desde já pelos genéricos mais vendidos: omeprazol e sinvastatina, cujo preço deverá ser pelo menos 35% inferior ao preço do medicamento de marca.
- Ena! Vão resolver um problema estrutural, complexo, profundo, apenas mexendo no preço dos genéricos de duas moléculas, o omeprazol e a sinvastatina. Os destinos de Portugal suspensos de estôgamos foleiros e do castrol alto. Para perceber esta medida devemos dar atenção a "começando desde já" - se houvesse intenção de afrontar a indústria farmacêutica não se começava "desde já" por 2 moléculas, começava-se por todas.


10. Auditoria à Despesa com Medicamentos
Reforço das auditorias da IGAS à despesa com medicamentos nos estabelecimentos hospitalares do SNS. Estas auditorias incluem o controlo sobre o registo e a distribuição gratuita de medicamentos.
- Auditem, auditem que bem precisam, mas o IGAS, enfim, coitados.


Só em 2010, estas 10 primeiras medidas contribuirão com 50 milhões de euros na redução global da despesa do SNS, que se pretende que seja de mais de 100 milhões de euros até ao final do ano.

- Vale uma aposta? Não me façam rir. A equipa ministerial é tão fraquinha e está tão desorientada, os dirigentes são tão incompetentes, os mesmos há anos e anos, o sector está tão cativo de interesses ilícitos, que aposto - a não ser que me chamem a mim para Ministro - que até ao final do ano não há redução de despesa nenhuma. Fica escrito. 
______________________________________________________



Não sei como é o PEC nos outros sectores, mas se for como na Saúde que avance sem perda de tempo o FMI, porque Portugal não tem salvação, Portugal não é um país viável.



Nota: João Cordeiro usou a expressão hilariante - «É, no mínimo, uma solução hilariante e que não conheço em mais nenhum país» - para classificar a medida 7 de Ana Jorge. Juro que não é plágio! Hilariante realmente é uma palavra que se ajusta bem a estas ideias peregrina.

Etiquetas:


Peliteiro,   às  22:21
4  Comentários pertinentes e devidamente fundamentados          Enviar este texto por mail:

 

 

 

Arrepiem-se! 

À medida que se revelam pormenores sobre a evolução do caso dos cegos do Hospital de S.ª Maria vãõ-se confirmando as piores suspeitas, importando reflectir sobre as condições em que se trabalha na farmácia da nossa maior universidade, instalada no maior e mais diferenciado hospital do país.
Se em Lisboa se trabalha assim, com esta gestão da qualidade, com esta segurança, pode-se bem imaginar como será nas outras farmácias hospitalares por esse Portugal fora...
Mêdo!

Etiquetas:


Peliteiro,   às  10:19
0  Comentários pertinentes e devidamente fundamentados          Enviar este texto por mail:

 

 

 

quinta-feira, 20 de maio de 2010

Criada vida artificial! 

Craig Venter, o pai do genoma humano, uma vez mais está na frente da descoberta científica, desta feita com um avanço extraordinário: a partir de "quatro frascos de reagentes" conseguiu elaborar um genoma sintético de Mycoplasma mycoides e em seguida criar vida artificial, tal como podem ler no artigo publicado hoje na Science.

Uma notícia verdadeiramente entusiasmante, com um sem fim de implicações - incluindo éticas.





Peliteiro,   às  23:56
5  Comentários pertinentes e devidamente fundamentados          Enviar este texto por mail:

 

 

 

7 anos 

Este blogue fez ontem 7 anos e eu esqueci-me. É a senilidade a progredir.
Parabéns a todos os leitores e comentadores amigos (embora sinta que este espaço é sobretudo gerador de inimigos, já que a livre opinião não me parece ser muito apreciado entre nós); agradeço a vossa colaboração e a paciência.
Isto não é para acabar! Portanto, daqui a um ano cá estaremos.

Peliteiro,   às  16:02
13  Comentários pertinentes e devidamente fundamentados          Enviar este texto por mail:

 

 

 

segunda-feira, 17 de maio de 2010

A inutilidade de um Presidente 

Não, não sou contra o casamento entre pessoas do mesmo sexo.
Tanto se me dá; interessa-me pouco o modo como se relacionam sexualmente duas ou mais pessoas, sobretudo quando no escuro do quarto; pouco me importa também a natureza do negócio jurídico, a sua designação ou mesmo os hipotéticos benefícios fiscais ou sociais que beneficiarão os pombinhos. A homossexualidade está por toda a parte e, goste-se ou não, a promulgação da lei que possibilita o casamento homossexual não tem impacto quase nenhum na progressão inexorável desse, digamos, movimento.

No entanto, hoje, Cavaco Silva estragou-me o jantar.
Não, consequentemente, por não ter vetado a lei, mas antes porque me lembrou que o meu voto nas Presidenciais foi um erro, que o candidato por mim apoiado é um sonso, frouxo, sem convicções, sem coragem e sem a mínima propensão para o exercício das funções presidenciais e que todo o orçamento consumido pela Presidência da República é um desperdício completo pois o Presidente da República não serve para nada e é perfeitamente dispensável.

Peliteiro,   às  23:58
5  Comentários pertinentes e devidamente fundamentados          Enviar este texto por mail:

 

 

 

domingo, 16 de maio de 2010

A Bruna! 

Alguém que se despe por dinheiro é, no mínimo, digamos, frívola ou doidivanas. É produto de uma sociedade fútil e amoral, onde é proibido proibir, uma sociedade sem noção dos limites da decência.
Alguém que se despe por dinheiro não tem os atributos mínimos necessários para ser professor, não corresponde minimamente ao modelo que se pretende que seja um professor.
Alguém que se despe por dinheiro não seria nunca professor dos meus filhos ou filhas.

Bem sei que muitos dos leitores não concordarão minimamente com o que acabo de escrever. Por isso é que o Estado - em vez de um ensino totalitário em grandes escolas públicas, sem concorrência entre elas - devia proporcionar aos cidadãos a possibilidade de matricular os seus filhos nas escolas que bem quisessem - através de uma concessão de valor fixo, um cheque-ensino ou subsídio - segundo critérios ligados às orientações pedagógicas e educacionais, em regime de activa concorrência.
Se assim fosse a Professora Bruna Real de Torre Dona Chama não seria professora na escola conservadora onde estudariam os meus filhos, mas teria emprego assegurado nas escolas dos filhos de gente tão moderna e permissiva que a apoia incondicionalmente.

Infelizmente casos como o da Bruna são motivo de apaixonada polémica nacional mas o sistema de ensino dos filhos dos portugueses - fulcral nos destinos do país - não merece maior atenção que uns parágrafos nos discursos dos políticos por altura das campanhas eleitorais.

Peliteiro,   às  23:17
8  Comentários pertinentes e devidamente fundamentados          Enviar este texto por mail:

 

 

 

sábado, 15 de maio de 2010

Visita Papal ao Porto 
















Peliteiro,   às  18:54
1  Comentários pertinentes e devidamente fundamentados          Enviar este texto por mail:

 

 

 

sexta-feira, 14 de maio de 2010

Sai uma central de compras 

Sai uma Central de Compras para resolver todos os nossos problemas da Saúde - é o que parece ter descoberto a nossa excelsa Ministra da Saúde, Ana Jorge:

«a ministra disse esperar “poupar muito dinheiro” com a central de compras para os hospitais, que entrará em funcionamento “assim que o conselho de administração entrar em vigor”, o que espera possa acontecer no próximo mês. A nova estrutura permitirá a aquisição de serviços e produtos de consumo comum, o que, na prática, significará “comprar mais barato em quantidade, definindo as regras dos produtos a adquirir e mantendo a qualidade”. “Gerindo melhor os stocks, não tendo grandes armazéns que são considerados desperdício porque muitas vezes os produtos ficam longos tempos e perdem a validade, introduzindo regras de boa gestão”, permitirá ao Ministério “poupar para poder melhorar a qualidade dos serviços prestados”, esclareceu a ministra.»

Inacreditável. Mau demais! Para dizer banalidades destas eu também sirvo para Ministro.

Peliteiro,   às  15:01
2  Comentários pertinentes e devidamente fundamentados          Enviar este texto por mail:

 

 

 

Sucessos das reformas da Saúde 

1/3 das clínicas dentárias tem condições de higiene que podem gerar perigo ou risco grave para a saúde pública.

Mais de dez mil estabelecimentos prestadores de cuidados de saúde funcionam sem licenciamento.

A culpa também deve ser das agências de rating e dos especuladores financeiros.

Peliteiro,   às  00:09
0  Comentários pertinentes e devidamente fundamentados          Enviar este texto por mail:

 

 

 

quinta-feira, 13 de maio de 2010

Bem feito! 

«Governo aumenta IVA para 21% e sobe IRS entre 1 a 1,5%»

No mês passado, numa casa com três adultos e duas crianças, paguei cerca de 100 euros pela factura da água e taxas anexas, e ri-me. Soube que os poveiros se insurgiram, reclamaram, apedrejariam até os serviços municipalizados, e ri-me.
Pouco depois confirmou-se que as SCUT passariam a pagar portagens, que a A28 em breve seria sem dúvida portajada, e ri-me. Desafiaram-me para manifestações, pediram-me que divulgasse aqui buzinões, e eu ri-me.
Hoje soube-se enfim que chegou a hora dos pobres começarem (note bem, começarem) a pagar a crise, e eu ri-me.

Ri-me porque é justo que o povo que tão irresponsavelmente tem votado seja chamado a responder por isso, ou seja: pague!
Em quem votou a 27 de Setembro? E a 11 de Outubro? Então é muito bem feito! Pague!
Pague!

Etiquetas:


Peliteiro,   às  00:14
6  Comentários pertinentes e devidamente fundamentados          Enviar este texto por mail:

 

 

 

terça-feira, 11 de maio de 2010

Seja bem-vindo o Papa 

Tendo-se ou não Fé, há que reconhecer que a Igreja Católica, apesar de erros cometidos no seu seio, tem uma obra verdadeiramente admirável, envolvendo um interminável número de homens e mulheres e desenvolvida no decorrer de longos séculos, um pouco por todo o mundo. Por isto, seja bem-vindo a Portugal o Papa Bento XVI.

Peliteiro,   às  23:47
4  Comentários pertinentes e devidamente fundamentados          Enviar este texto por mail:

 

 

 

segunda-feira, 10 de maio de 2010

A vitória tem mil pais, mas a derrota é orfã 

«Não é necessário que o ministério ou os seus organismos sirvam quase de um paizinho que tem de andar a acompanhar periodicamente os hospitais»

Já sabemos todos que as fabulásticas reformas na Saúde levadas a cabo por Correia de Campos, e mais tarde concluídas (?) por Ana Jorge, são um profundo fracasso e que o SNS se encontra perigosamente próximo da cova, com um défice histórico, precisamente por falta de "boa gestão".
Mas um General não abandona os seus oficiais, nem lhes remete responsabilidades nem culpas, sem com eles ser solidário. Um General é corajoso e leal - Ana Jorge aqui não o foi com os administradores hospitalares que nomeou e em quem, supostamente, tem confiança.
Também nisto se vê que Ana Jorge não foi talhada para ser Ministra.

O título é uma citação de John Kennedy.

Peliteiro,   às  18:28
0  Comentários pertinentes e devidamente fundamentados          Enviar este texto por mail:

 

 

 

O Bedel 

Este ano, como de costume, pela 22ª vez consecutiva, lá rumei a Coimbra para reencontrar velhos amigos e reavivar memórias antigas. O mundo não pára mas há coisas que resistem à erosão do tempo e aos efeitos da frenética vida moderna: o antigo Bedel da Faculdade, o Sr. Arménio, ainda sabe o meu nome completo de cor!
Para quem estudou em Coimbra, as habituais fotografias:




Peliteiro,   às  00:40
1  Comentários pertinentes e devidamente fundamentados          Enviar este texto por mail:

 

 

 

sexta-feira, 7 de maio de 2010

Queima das Fitas 2010 


Peliteiro,   às  23:16
2  Comentários pertinentes e devidamente fundamentados          Enviar este texto por mail:

 

 

 

terça-feira, 4 de maio de 2010

Plano Nacional de Saúde 2011 - 2016 

O conceito de plano quinquenal é particularmente querido de uma certa geração criada num ambiente condicionado por uma certa ideia dos amanhãs que cantam - ou seja, para mim, numa primeira abordagem, repugna-me completamente. Mas reconheço que em áreas complexas e difíceis, expostas a influências e interesses diversos, dependentes de financiamentos avultados e fortemente dependentes do Estado, faz sentido, faz muito sentido, estabelecer planos de médio prazo, estabelecer linhas de orientação, estratégias, fixar objectivos e métricas de monitorização da sua evolução e cumprimento. Muito embora o PNS seja usado pelos políticos apenas para o que lhes convém, há que reconhecer que este plano é uma peça importante para a saúde em Portugal e para o nosso SNS, que importava preservar e consolidar.

Por outro lado, não faz sentido pensar saúde, planear saúde, sem considerar o importante contributo dos farmacêuticos, nas suas diferentes especialidades, para a eficácia e a eficiência do sistema de saúde nacional.

Sendo assim, apelo a todos os farmacêuticos que me lêem para formarem opinião - eventualmente junto de associações de classe - e inserirem contributos para o PNS 2011 - 2016.
Os portugueses agradecem.

Peliteiro,   às  23:32
1  Comentários pertinentes e devidamente fundamentados          Enviar este texto por mail:

 

 

 

Qualidade na Saúde 

Extinto que foi o IQS por Correia de Campos (o termo seria mais espatifado), é criado, bastante tempo depois, o "Departamento da Qualidade na Saúde" que elabora uma "Estratégia Nacional para a Qualidade na Saúde", sendo nomeado, há quase um ano, um "Conselho para a Qualidade na Saúde".

Surge agora, enfim, obra visível: O microsite do DQS.
Numa primeira análise parece bem. Aguardamos o desenvolvimento e a concretização dos projectos, desejando sucessos a este importante departamento.

Peliteiro,   às  23:23
0  Comentários pertinentes e devidamente fundamentados          Enviar este texto por mail:

 

 

 

segunda-feira, 3 de maio de 2010

Loureados 

«A ministra da Saúde anunciou hoje que a autoridade nacional do medicamento (Infarmed) vai fazer inspecções a farmácias para verificar se estão a diminuir os seus stocks à espera do aumento das margens de lucro dos fármacos

Desde o discurso de tomada de posse de Sócrates, secretariado - mal - por Correia de Campos, que não há semana que passe sem que as farmácias saltem para as manchetes dos jornais, façam tema nos artigos dos mais doutos fazedores de opinião e ocupem lugares centrais nos discursos brilhantes dos políticos.

Debalde! Esta gente continua sem compreender nada do sector. Também não merece a pena explicar mais este aspecto das margens e dos stocks. Estou cheio de pressa e eles não entendem - ou fingem que não entendem.

Peliteiro,   às  23:52
2  Comentários pertinentes e devidamente fundamentados          Enviar este texto por mail:

 

 

 

domingo, 2 de maio de 2010

Apito encarnado 

FCP 3 - SLB 1


PS - Queriam reserbar a rotunda da Boavista? Vão bugiar lá para a vossa terra.

Etiquetas:


Peliteiro,   às  23:45
8  Comentários pertinentes e devidamente fundamentados          Enviar este texto por mail:

 

 

 

ARQUIVOS

Maio 2003      Junho 2003      Julho 2003      Agosto 2003      Setembro 2003      Outubro 2003      Novembro 2003      Dezembro 2003      Janeiro 2004      Fevereiro 2004      Março 2004      Abril 2004      Maio 2004      Junho 2004      Julho 2004      Agosto 2004      Setembro 2004      Outubro 2004      Novembro 2004      Dezembro 2004      Janeiro 2005      Fevereiro 2005      Março 2005      Abril 2005      Maio 2005      Junho 2005      Julho 2005      Agosto 2005      Setembro 2005      Outubro 2005      Novembro 2005      Dezembro 2005      Janeiro 2006      Fevereiro 2006      Março 2006      Abril 2006      Maio 2006      Junho 2006      Julho 2006      Agosto 2006      Setembro 2006      Outubro 2006      Novembro 2006      Dezembro 2006      Janeiro 2007      Fevereiro 2007      Março 2007      Abril 2007      Maio 2007      Junho 2007      Julho 2007      Agosto 2007      Setembro 2007      Outubro 2007      Novembro 2007      Dezembro 2007      Janeiro 2008      Fevereiro 2008      Março 2008      Abril 2008      Maio 2008      Junho 2008      Julho 2008      Agosto 2008      Setembro 2008      Outubro 2008      Novembro 2008      Dezembro 2008      Janeiro 2009      Fevereiro 2009      Março 2009      Abril 2009      Maio 2009      Junho 2009      Julho 2009      Agosto 2009      Setembro 2009      Outubro 2009      Novembro 2009      Dezembro 2009      Janeiro 2010      Fevereiro 2010      Março 2010      Abril 2010      Maio 2010      Junho 2010      Julho 2010      Agosto 2010      Setembro 2010      Outubro 2010      Novembro 2010      Dezembro 2010      Janeiro 2011      Fevereiro 2011      Março 2011      Abril 2011      Maio 2011      Junho 2011      Julho 2011      Agosto 2011      Setembro 2011      Outubro 2011      Novembro 2011      Dezembro 2011      Janeiro 2012      Fevereiro 2012      Março 2012      Abril 2012      Maio 2012      Junho 2012      Julho 2012      Agosto 2012      Setembro 2012      Outubro 2012      Novembro 2012      Dezembro 2012      Janeiro 2013      Fevereiro 2013      Março 2013      Abril 2013      Maio 2013      Junho 2013      Julho 2013      Agosto 2013      Setembro 2013      Outubro 2013      Novembro 2013      Dezembro 2013      Janeiro 2014      Fevereiro 2014      Março 2014      Abril 2014      Maio 2014      Junho 2014      Julho 2014      Setembro 2014      Outubro 2014      Novembro 2014      Dezembro 2014      Janeiro 2015      Fevereiro 2015      Março 2015      Abril 2015      Maio 2015      Junho 2015      Julho 2015      Agosto 2015      Setembro 2015      Outubro 2015      Novembro 2015      Dezembro 2015      Janeiro 2016      Fevereiro 2016      Março 2016      Abril 2016      Junho 2016      Julho 2016      Agosto 2016      Setembro 2016      Outubro 2016      Novembro 2016      Dezembro 2016      Janeiro 2017      Fevereiro 2017      Março 2017     

 

Perfil de J. Soares Peliteiro
J. Soares Peliteiro's Facebook Profile

 


Directórios de Blogues:


Os mais lidos


Add to Google

 

 

Contactos e perfil do autor

 

 

Portugal
Portuguese flag

Blogues favoritos:


Machado JA

Sezures

Culinária daqui e d'ali

Gravidade intermédia

Do Portugal profundo

Abrupto

Mar Salgado

ALLCARE-management

Entre coutos e coutadas

Médico explica

Pharmacia de serviço

Farmácia Central

Blasfémias

31 da Armada

Câmara Corporativa

O insurgente

Forte Apache

Peopleware

ma-shamba



Ligações:

D. G. Saúde

Portal da Saúde

EMEA

O M S

F D A

C D C

Nature

Science

The Lancet

National library medicine US

A N F

Universidade de Coimbra


Farmacêuticos sem fronteiras

Farmacêuticos mundi


This page is powered by Blogger. Isn't yours?

Creative Commons License
Licença Creative Commons.